Um por um, São Paulo quebra tabus e se reconstrói por completo em 2016

“Esse São Paulo não sente as derrotas”, “até agora o time não ganhou de um adversário de peso”, “o ambiente entre os jogadores é ruim”, “essa equipe não vence clássicos”…

Quantas vezes você, torcedor são-paulino, falou ou ouviu frases parecidas como as descritas acima? Depois de um 2015 turbulento dentro e fora de campo, o time iniciou a atual temporada sob desconfiança. A irregularidade da equipe reforçou a ideia de que os mesmos problemas do ano passado continuariam a assombrar o Morumbi.

Mas um esforço conjunto de jogadores, diretoria e a comissão técnica de Edgardo Bauza, um dos principais responsáveis, fez o Tricolor quebrar um por um seus próprios tabus. O último caiu no domingo passado, com a vitória por 1 a 0 sobre o Palmeiras (veja o gol de Ganso no vídeo acima), a primeira em clássicos desde 3 de junho de 2015, quando bateu o Santos por 3 a 2. Eram dez jogos de jejum, com três empates e sete derrotas.

O GloboEsporte.com listou abaixo os problemas superados.

Atuações convincentes

Até abril, o são-paulino recorria à memória e dificilmente lembrava de atuações incontestáveis do time no ano. Em uma entrevista coletiva no CT da Barra Funda antes da reviravolta da equipe, no fim de março, o volante Hudson citou os jogos contra César Vallejo (vitória por 1 a 0, no Pacaembu) e o empate com o River Plate (1 a 1, na Argentina) como referências. Mas em nenhuma delas a equipe empolgou.

Esse panorama mudou com a reviravolta do São Paulo na Taça Libertadores. A goleada por 6 a 0 sobre o Trujillanos, a vitória por 2 a 1 diante do River Plate e, principalmente, a contundentegoleada por 4 a 0 sobre o Toluca, do México, nas oitavas de final, viraram modelos. A própria atuação contra o Palmeiras, mesmo desfalcado de Mena, Rodrigo Caio, Hudson, Michel Bastos e Calleri, também convenceu.

São Paulo x Toluca Centurion (Foto: Marcos Ribolli)Centurión comemora um dos gols da vitória por 4 a 0 sobre o Toluca, melhor atuação do ano (Foto: Marcos Ribolli)

Ambiente

Um dos momentos de crise no ambiente do São Paulo se deu em fevereiro, quando parte do grupo decidiu fazer um pacto de silêncio em protesto ao atraso no pagamento dos direitos de imagem. A ideia foi quebrada por Lugano, Alan Kardec e Calleri, entre outros que discordavam do movimento. Depois de regularizar a situação financeira, a diretoria cobrou nova atitude publicamente dos jogadores. Faltava coração, nas palavras do diretor-executivo GustavoVieira de Oliveira, no início de março.

Quase três meses depois, o próprio Lugano, símbolo de raça para o torcedor, dá depoimento que mensura a mudança na rotina são-paulina, ao comparar o ambiente de agora com o do time campeão da Libertadores e do Mundial, em 2005.

Lugano puxa preleção do São Paulo (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)Lugano comanda um das preleções do São Paulo na atual temporada (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)

– O que tem de similar, com o time de 2005, é o fogo sagrado de cada jogador para deixar o nome na história do clube. No fundo, isso é o que move os jogadores, principalmente alguns meninos que passaram por momentos muito difíceis aqui no clube. Eles enxergam uma grande oportunidade e agem para que isso aconteça. Não gosto tanto de cobrar, acho que essa é uma imagem errada que as pessoas têm de mim. O melhor exemplo é dar exemplo todos os dias para que todos, dos jogadores aos funcionários, deem seu melhor. Se você faz o máximo, ninguém pode te cobrar, e você fica mais perto de coisas importantes – disse o zagueiro uruguaio.

Até mesmo discussões, como a de Maicon e Rogério, no último domingo, são bem vistas pela diretoria. Mesmo caso da indisciplina do time com cartões. A visão é de que essa postura de cobrança entre os atletas é a ideal, no lugar da inércia demonstrada diante da goleada sofrida para o rival Corinthians, no fim do ano passado.

São Paulo x Toluca Michel Bastos gol 6 (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)Michel Bastos comemora gol contra o Toluca, em vitória por 4 a 0 no Morumbi (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)

Identidade com a torcida

A torcida do São Paulo viveu caso de amor e ódio com o time. O auge da turbulência foi entre Michel Bastos e a maior organizada do clube. O meia virou alvo de seguidos protestos direcionados, mas conseguiu aos poucos dar a volta por cima dentro de campo, amparado por diretores (Luiz Antônio da Cunha foi protagonista no processo) e companheiros de elenco.

O início da virada se deu a partir do empate por 1 a 1 contra o River Plate, no Monumental de Nuñez, na Argentina, no dia 10 de março. A postura aguerrida da equipe passou a agradar. Nem mesmo resultados posteriores negativos (derrota por 2 a 0 para o Palmeiras, por exemplo, no Paulistão) viraram obstáculos. Apesar de o time começar a empolgar de fato na goleada por 6 a 0 sobre o Trujillanos, o Tricolor recuperou o espírito de Libertadores ao bater o River Plate, por 2 a 1, no Morumbi, no dia 13 de abril.

São Paulo x Toluca Morumbi (Foto: Marcelo Hazan)Festa da torcida do São Paulo para desembarque do ônibus em jogo da Libertadores (Foto: Marcelo Hazan)

A partida marcou a primeira quebra de recorde de público do Brasil, com 51.342 pessoas. Time e torcida mostraram a sintonia tão perseguida por qualquer equipe vencedora. O jogo sucedeu aprovocação do clube ao “torcedor de sofá” e também deu início às marcantes festas para o desembarque do ônibus do São Paulo no Morumbi. Jogo após jogo, o momento virou um evento à parte dos duelos do Tricolor na Libertadores. O maior público do ano foi de 61.297 pessoas, na vitória por 1 a 0 sobre o Atlético-MG.

– O mínimo que recuperamos foi a confiança com o torcedor, que agora tem uma sinergia e vê com orgulho a briga mesmo nas derrotas. Há formas e formas de perder, e o torcedor está vendo que o São Paulo tem orgulho de representá-los. Não é uma virtude, é o mínimo que um jogador pode ter. Não posso falar de mudança, porque cheguei neste ano e vejo essa mentalidade de vencer e fazer história desde o começo. Para falar de mudança, precisaria comparar com algo que não vi. Vejo o time evoluir, melhorar, ter melhores resultados – afirmou Lugano.

Time que Bauza costuma escalar com Ganso, no 4-2-3-1 (Foto: Arte: GloboEsporte.com)

Time ideal e a mão de Bauza

Denis; Bruno, Maicon, Rodrigo Caio e Mena; Hudson, Thiago Mendes, Ganso, Michel Bastos e Kelvin; Calleri. Demorou, mas hoje o são-paulino sabe exatamente a escalação ideal do Tricolor com todos os jogadores à disposição (veja o 4-2-3-1 no campinho ao lado). Méritos de Edgardo Bauza, principal responsável pela reação da equipe.

Essa formação ideal estreou na vitória sobre o Galo e não tem sido mais usada por diversos motivos: Mena (seleção chilena), Rodrigo Caio (seleção brasileira), Hudson, Michel Bastos (lesionados) e Calleri (viagem para tirar passaporte) estão fora. A ideia é que todos estejam à disposição para as semifinais dos dias 6 e 13 de julho, contra o Atletico Nacional, da Colômbia.

Em diferentes momentos da temporada, Bauza trouxe para si decisões polêmicas e fundamentais. O argentino deixou Lugano no banco no primeiro jogo do ídolo na volta ao Morumbi, colocou Ganso na reserva no decisivo duelo com o The Strongest, na rodada final da fase de grupos, na altitude de 3.600 metros de La Paz, bancou Michel Bastos em meio aos protestos da torcida, apostou no contestadíssimo Centurión, quando perdeu Calleri e Alan Kardec, diante do Toluca, e manteve Denis como goleiro titular, mesmo diante de críticas por falhas importantes. Bauza ganhou o grupo e tem muitos méritos pelo momento do Tricolor.

Bauza São Paulo (Foto: Érico Leonan / saopaulofc.net)Bauza é um dos principais responsáveis pela reação do São Paulo (Foto: Érico Leonan / saopaulofc.net)

Veja as informações do São Paulo para a partida contra o Figueirense:

Local: Orlando Scarpelli, em Florianópolis
Data: quarta-feira, às 21h45 (de Brasília)
Escalação provável: Denis; Bruno, Maicon, Lugano e Matheus Reis; Thiago Mendes, Wesley (João Schmidt), Kelvin, Ganso e Centurión; Alan Kardec.
Desfalques:  Calleri, Wilder, Breno, Rodrigo Caio, Caramelo, Carlinhos, Mena, Michel Bastos e Hudson
Arbitragem: Jean Pierre Gonçalves Lima (RS), auxiliado por Rafael da Silva Alves (RS) e Lucio Beiersdof Flor (RS)

 

Fonte: Globo Esporte

2 comentários em “Um por um, São Paulo quebra tabus e se reconstrói por completo em 2016

  1. Concordo com o comentário anterior, quanto aos ventos voltarem a soprar pelos lados do Morumbi; mas, vacinado que fui por muitos anos de irregularidades, lembro que, há um ano atrás, após vencer o último clássico, antes deste contra o parmera, também julgamos ter reencontrado o caminho e deu no que deu: mais um ano sem vencer nenhum. Também espero que agora seja diferente; não tanto pelos clássicos, mas sim por mais um título de Libertadores, perfeitamente possível se não houver nenhuma mudança de rumo na equipe. É isto que, realmente, nos faz felizes como torcedores; é isto que esperamos comemorar após vencermos, de preferencia, o Boca, numa final na Argentina…

  2. Uma conjunção de fatores positivos, dentre os quais está a saída de CM Aidar e de Ataíde Guerreiro, a postura e a discrição do novo diretor de futebol, a chegada de Lugano, que fez o vestiário ficar mais comprometido, a contratação de Maicon e Calleri, dois tiros certeiros e, claro, Edgardo Bauza… um homem discreto, transparente, sem firulas e extremamente comprometido com o resultado. Essas circunstâncias higienizaram o ambiente e até mesmo alguns rebeldes acabaram se enquadrando no contexto. Ainda não tenho a certeza de que se trata de mérito do atual Presidente, ou mesmo fruto de uma conjunção de medidas pontuais que deram certo meio que por osmose. De qualquer forma, tudo indica que os ventos voltaram a soprar e a caravela passou a navegar mar adentro, a caminho de uma boa temporada, após sete anos de desgraças.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.