João da Luz

1992 – Libertadores

 

Antes de começar gostaria de pedir desculpas por algum erro de concordância verbal ou palavras repetidas, estou há 15 anos fora do Brasil então o português ficou meio fraco, a falta de acento é devido meu teclado que não é em português.

Bom vamos lá:

Gostaria de relatar o ano de 1992, um ano muito especial para nos são paulinos, quem viveu sabe do que estou falando, tínhamos sofrido muito depois de um quase rebaixamento no campeonato paulista, isto mesmo, campeonato paulista, éramos motivo de chacota aonde íamos em 1990, ate que: Mestre Tele Santana assumiu o tricolor. A partir daí tudo mudou, com os mesmos jogadores quase rebaixados em 1990 fomos campeões paulista de 1991 em cima dos gambas, 3X0 com três gols do Terror do Morumbi (como este cara judiava dos gambas) e campeões brasileiros de 1991 em cima do Bragantino.

Até aí ok, apesar de o time estar jogando o fino da bola jamais pensaríamos chegar aonde chegamos em 1992.

Tudo começou com a conquista da nossa primeira Libertadores em cima do Newll’s Old Boys, Morumbi 17 de junho de 1992, uma noite fria e inesquecível para quem viveu, lembro que sai do trabalho em Guarulhos com mais três amigos para ver a final, o ônibus da companhia que trabalhávamos nos deixava no centro da cidade, de lá pegamos um taxi para chegar ao estádio, era cedo ainda, mas tinha tanta gente indo para o estádio que tivemos que descer alguns quilômetros antes e seguir a pé tamanho era o trafego. Chegando ao Morumbi, compramos nosso ingresso e entramos no estádio, ainda faltava umas 2 horas para começar o jogo porem, o estádio estava tão cheio, mas tão cheio que o único lugar que encontramos na arquibancada foi o ultimo degrau, lá em cima e ainda de pé, pois não havia mais lugar para sentar, e mesmo neste ultimo degrau vários torcedores se amontoavam uns atrás dos outros para ver o jogo.

Quando o tricolor entrou em campo foi uma festa sem igual, porem confesso que misturada com um sentimento de receio pois era algo muito grande para todos nos, estávamos na final de uma Libertadores pela primeira vez, talvez as novas gerações aqui no Tricolornaweb não tenham a noção do que isto representava na época, eu com os meus 25 anos jamais tinha sentido algo parecido em toda minha vida em relação ao meu time de coração, era algo muito, mas muito grande, principalmente porque eu venho de uma geração onde o São Paulo era a terceira torcida da cidade, na época ainda atrás de Corinthians e Palmeiras, lembro que na escola eu sempre era minoria, sempre tinham mais gambas e porcos entre os amigos, e agora éramos-nos que estávamos lá, disputando o maior titulo que poderíamos imaginar, muito a frente destes dois clubes, era muita coisa chegar a Final de uma Libertadores no ano de 1992.

O primeiro tempo foi muito difícil, oportunidades de gols apareceram, mas a bola não entrava.

Chegou o intervalo, e acreditem, ainda tinha muita gente chegando ao estádio, dava pra ver lá de cima onde eu estava, alias, 90.000 torcedores (foi o que vi no placar eletrônico naquela noite) uma ova, tinha muito mais gente no Morumbi nesta noite.

Intervalo de jogo, e, como o estádio estava cheio, muitos torcedores depois de muita cerveja e sem a possibilidade de descer para ir ao banheiro pois não havia como se locomover, resolveram urinar no ultimo andar da arquibancada no muro que contorna o anel superior, o problema eh que muita gente foi lá para usar este “banheiro”, resumindo comecei a assistir o segundo tempo com muita urina entre os meus pês, pois a mesma foi escorrendo degraus abaixo (coitado de quem estava sentado).

Veio o segundo tempo, e o gol não saia, martelávamos, martelávamos e nada, ate que o Tele colocou o Macedo, nosso amuleto em praticamente todos os jogos em que entrava (algo parecido com o Juninho em 1993) e já lá pelos 37 do segundo tempo aconteceu,  pênalti em cima de Macedo, como sempre ele nos lances capitais naquele ano.

Pênalti para o São Paulo, e, algo que jamais havia presenciado no Morumbi em inúmeros jogos que assisti lá desde mais tenra idade, depois de muita comemoração pelo pênalti com urina voando para todos os lados embaixo de nossos pês pois a cada pulo de comemoração  pelo pênalti era urina que voava para todos os lados, um silencio estarrecedor se abateu no estádio, quando o Raí colocou a bola na marca de pênalti para executar a cobrança, não se ouvia nada, nem mesmo uma mosca voando pelo estádio, imaginem mais de 100.000 pessoas e nem respiração se ouvia devido à tensão do momento em todos os presentes, creio que foi o maior silencio da historia do Morumbi.

Imagino como estava a cabeça do Raí naquele momento, todos os presentes olhando para ele e torcendo para o pênalti ser convertido, pois era a nossa chance de ganhar a primeira Libertadores da Historia do clube,  e ele era o responsável por isto, do Céu para o inferno ou ao contrario dependendo do resultado da cobrança. Felizmente o terror do Morumbi não nos decepcionou e converteu a cobrança, fizemos 1X0 resultado que nos levava para a decisão nos pênaltis, e mais sofrimento ainda.

Finalmente acabou o jogo e fomos para os pênaltis, lá a tensão continuava, porem bem menor do que no tempo normal pois parecia que as coisas estavam realmente se encaminhando bem para nos, e foi o que aconteceu, apesar do Ronaldão errar o pênalti, Zetti garantiu nossa vitória defendendo o pênalti no seu lado esquerdo batido pelo Gamboa, foi um êxtase total quando o Zetti pegou aquele pênalti.

 

O SAO PAULO ERA CAMPEAO DA AMERICA PELA PRIMEIRA VEZ NA SUA HISTORIA E EU ESTAVA LÁ PARA TESTEMUNHAR ISTO!!

 

Era muito para nos são paulinos, naquele momento o campo foi invadido por milhares de torcedores, infelizmente por estar na arquibancada não tinha condições de fazer o mesmo, porem de lá de cima não dava mais para ver o gramado ou jogadores, só dava para ver camisas tricolores em todos os lados e todas as direções, foi emocionante.

O pior foi ter que voltar para casa, morava no Ipiranga e naquele horário não havia mais transporte publico para retornar, mas valeu, foi muito bom sentir esta emoção impar na vida de um são paulino, eu diria que melhor ainda do que isto foi ver o São Paulo Campeão do mundo no Japão “in loko”, mas isto seria outra historia, pois esta já ficou longa demais.

Se tiverem interesse posso relatar minha viagem ao Japão em 1992 onde tive o privilegio de ver o São Paulo Campeão do Mundo pela primeira vez em cima do todo poderoso Barcelona, e retornar no mesmo voo com toda a delegação, se tiverem interesse deixem um feed back e eu posso contar minha saga e os bastidores da minha viagem ao Japão, foi muito interessante.

Abraço a todos e saudações tricolores!!

 

João da Luz

14 comentários em “João da Luz

  1. Parabéns por este relato. Família tricolor sempre tem bons momentos para recordar. Este foi um deles. E eu fui o responsável por ter iniciado meus dois filhos nas fileiras do SPFC. As alegrias estão voltando e quem sabe em breve novas ocasiões de vitórias surgirão.

    • Obrigado Sr. João, que DEUS conserve o senhor com muita saúde por muitos e muitos anos ainda, o senhor eh uma enciclopédia viva da nossa historia, e digo, vamos ver o nosso Sao Paulo campeão do mundo outra vez, tenho feh nisto.

  2. No’s torcedores temos historias interessantissimas,
    comoventes e apaixonantes, como do meu xara’ Joao da Luz.
    Congratulacoes amigo pela narracao muito bem escrita e distribuida
    com um final feliz, tambem para mim essa noite foi um extase,
    e’ claro, vibrando pela TV, nao importa o que interessa e’ somos
    apaixonados por um clube gigante,
    O GIGANTE DO MORUMBI.

  3. Só uma pequena correção, esta foi a segunda final de Libertadores que o SPFC chegou, a primeira foi en 1974.
    Público de 118 mil…
    Foi a melhor época da história vitoriosa do SPFC ,superando a grande década de 80 onde o SPFC tbm ditou as regras.
    Seria lindo reviver novamente uma década vitoriosa como essa.

    • Verdade Jairo, obrigado pela correção, 1992 foi a primeira libertadores que eu tive a oportunidade de vivenciar, em 1974 era muito pequeno entao realmente não foi algo marcante para mim, porem com certeza foi para os torcedores mais antigos, apesar da derrota. Alias se tiver alguém aqui no Tricolornaweb que foi nesta final de 1974 seria muito interessante ouvir o relato da final no Morumbi.

      Abraco

  4. João, muito obrigado pela sua participação. Estive nesse jogo também. Estava sentado na arquibancada (antiga amarela), atrás do gol onde foram cobradas as penalidades (e onde saiu o gol de Raí). Inesquecível!

    • Valeu Paulo, obrigado pela oportunidade de escrever aqui, e se quiser tem mais historia, os bastidores do PRIMEIRO titulo mundial do tricolor ao vivo e em cores (tricolores claro).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*