Tricolor revive eficiência da defesa e se cobra por regularidade

O tricampeonato brasileiro consecutivo conquistado entre os anos de 2006 e 2008 se deu muito em razão da eficiência apresentada pela defesa do São Paulo sob o comando de Muricy Ramalho. Cinco treinadores e quatro anos depois, Ney Franco é responsável por uma nova marca positiva do setor: o Tricolor é dono da melhor zaga do segundo turno do Campeonato Brasileiro, com apenas cinco gols sofridos em dez partidas.

Segundo o novo treinador, contratado no início de julho em substituição a Emerson Leão – o antigo comandante enfrentava críticas justamente pela fragilidade da defesa -, o novo momento ocorre porque há mais sustentação no meio-campo, principalmente a partir do momento em que Wellington voltou a ser utilizado como titular ao lado de Denílson.

“São vários fatores coletivos. Primeiramente uma mudança de posicionamento de alguns jogadores, como o Wellington, que está à frente, dando sustentação para a linha de quatro. Você olha a defesa e ela está bem, com bom goleiro, marcação avançada, que faz a bola chegar pouco ao Rogério, e as três linhas jogando próximas”, justificou o treinador após o treinamento desta sexta-feira, no CT da Barra Funda.

Montagem sobre fotos Gazeta Press

Paulo Miranda e Wellington entraram no time no momento de assegurar a marca de melhor defesa

Outro fator diferencial para aumentar a qualidade da defesa, na visão de Ney Franco, foi a entrada de Paulo Miranda na lateral direita. Zagueiro de origem, teve poucas chances após a saída de Leão e só voltou a ser titular na ala, com a intenção de suprir o ofensivo Douglas: “Quando chegamos o Paulo era terceira ou quarta opção e por conta de treinamentos, circunstâncias, foi deslocado. Além de ir bem, ele deu sustentação à parte defensiva”.

“O São Paulo se caracterizou por ser irregular e não ganhar fora de casa, foram nossos grandes problemas. Nos cinco últimos jogos estamos com essa regularidade. Espero que a gente tenha competência de vencer Figueirense e Atlético-GO e siga na busca da vaga na Libertadores. Nossa fala de cobrança é para isso e se possível para a conquista do título da Sul-americana”, define o treinador.

Fonte: Gazeta Esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*