SP tem novo projeto para ter R$ 40 mi em patrocínio. Twitter está na conta

A diretoria do São Paulo quer enterrar o velho modelo de captação de patrocínios que reinou no Brasil até 2012 e que chegou a seu ponto mais baixo em 2014: agora, a exposição de marcas na camisa do time será um detalhe. O novo projeto do São Paulo tem a meta de conseguir uma receita anual de R$ 40 milhões de forma inovadora no Brasil: parcerias distintas, menores, num pacote de exploração do Morumbi e rodízio de exposição da marca na camisa. O principal da nova iniciativa é a venda de patrocínio nas redes sociais do clube.

A chegada de Ronaldo ao Corinthians revolucionou o mercado de publicidade de futebol no Brasil. No clube, a receita com patrocinador de camisa pulou de R$ 16,5 milhões para R$ 40 milhões em três anos. Desde a implosão do fenômeno, a partir de 2012, o mercado entrou em recessão. Hoje, a avaliação do São Paulo – e até de outros clubes – é que será impossível um acordo que renda mais de R$ 20 milhões/ano sem o apoio de uma estatal, como no caso da Caixa Econômica Federal, que dá R$ 31 milhões ao Corinthians e R$ 25 milhões ao Flamengo. Por isso, surge o novo projeto como alternativa. O contrato do São Paulo com a Semp Toshiba, por exemplo, era de R$ 17 milhões anuais.

O São Paulo quer vender o espaço em suas redes sociais em Twitter, Facebook e Instagram. O número de seguidores somados nas três plataformas chega a 7,7 milhões. A ideia é ter uma marca vinculada ao São Paulo na internet. O patrocinador teria a marca exibida nas postagens do clube, que atingem apenas os são-paulinos – mais interessante para o patrocinador, pois não cria rejeição com consumidores que torcem por clubes rivais. É este o principal caminho do São Paulo para chegar aos R$ 40 milhões. O valor é visto como sonho pela diretoria, mas atingível.

Para completar o valor, entra o projeto de outras parcerias menores, com rodízio de exposição no uniforme. Será apenas uma cota de patrocínio na camisa. Não haverá duas marcas expostas ao mesmo tempo além do fornecedor de material esportivo. A ideia é fazer parcerias amplas, mais fora do que dentro da camisa, como no caso do Habib’s, que há dez anos é parceiro do São Paulo, vende produtos no Morumbi, anuncia no estádio e no Centro de Treinamento da Barra Funda, mas que desde 2006 não está mais na camisa. Para fechar a conta, o São Paulo procura um parceiro por segmento: um banco, uma montadora, uma empresa de telefonia, uma de alimentos, e etc. No caso da montadora, o São Paulo conversa com duas e tentará selar o acordo no fim de outubro, em reunião no Salão do Automóvel.

“Realmente, está acontecendo. A gente está trabalhando essa comercialização. Nessa época do ano, se você quiser falar com uma montadora, se você não for ao Salão do Automóvel você não vai conseguir falar. As próprias montadoras estão marcando as reuniões para o Salão. Com algumas não é nem a primeira, nem a segunda reunião. É a terceira”, diz Rui Barbosa, diretor de marketing do São Paulo, ao UOL Esporte.

Se conseguir alguns parceiros nesse molde, além de vender o espaço nas redes sociais, o São Paulo acredita que conseguirá chegar perto do valor que adotou como meta. “Se eu conseguir esses parceiros, fiz um negócio muito maior do que tive até hoje. Se clube hoje ficar focado em arrumar patrocínio master, ficar focado em achar coisa de R$ 30 milhões, não encontra. O importante é chegar no número que o clube precisa. É por aí que a gente está trabalhando. E ter uma marca na camisa, apenas. Não tem frente, manga, costa, e peito. É uma marca e acabou, além do fabricante do material esportivo”, completa o diretor.

 

Fonte: Uol

6 comentários em “SP tem novo projeto para ter R$ 40 mi em patrocínio. Twitter está na conta

  1. Caros amigos se a audiência na TV Globo está caindo a culpa é só da própria emissora.

    1° Eles transmitem jogos só de 2 times, e não criam o habito no telespectador de acompanhar outros jogos, logo o interesse de outros torcedores tendem a diminuir.

    2° A grade e horário de transmissão é determinada pela emissora, logo torcedor nenhum de outro time vai ficar até meia noite assistindo um jogo do time rival.

    3° Nos estádios o torcedor não vai com seus familiares, pois o ambiente está contaminado de “Torcedores” uniformizados.

    4° A qualidade dos jogadores não ajudam na divulgação do espetáculo, times pequenos cada vez mais com jogadores ruins, não bastasse isso os times Grandes agora com jogadores ruins, obviamente quem gosta de espetáculo vai assistir futebol Europeu.

    5° A qualidade dos estádios é de dar dó, gramados horríveis… Isso sem falar no transporte publico para chegar até os estádios, que por sua vez não oferece estacionamento.

    6° A qualidade da arbitragem é péssima quem está esperando ver um espetáculo se depara com o árbitros fazendo lambança, marcando pênaltis equivocadamente, enfim uma lastima.

    Sem contar que uma partida de futebol no Brasil dura 2 semana, porque logo após o fim do segundo tempo entra em cena o STJD punindo e tirando de campo jogadores, prejudicando ainda mais o espetáculo….

    Traduzindo em miúdos, NÃO SEI COMO O FUTEBOL BRASILEIRO SOBREVIVE ASSIM!?!?!?!?!?!

  2. E a tendência é ficar cada vez mais difícil. A audiência do futebol na Globo está em queda, todo mundo sabe. Na outra ponta, verifica-se um aumento enorme da audiência de jogos de outros campeonatos – inglês, alemão, espanhol, italiano e até do português – incubando e angariando novos torcedores para o Barcelona, Real Madri, Chelsea, Bayern, etc.. Sugiro que o internauta faça uma pesquisa como eu fiz, ficará assustado. Passe uma tarde de sábado ou de domingo, em qualquer shopping center e conte as crianças/jovens com camisas desses clubes. Com certeza, a quantidade será muito maior do que os que usam camisas de clubes tops brasileiros.

    • Meu caro amigo, qts pessoas vc ja viu com a camisa por exemplo do Barcelona e torcedores, ou melhor, idiotas obrigando essa pessoa a tirar a camisa, a ser agredido, acho melhor vc pesquisar direito e certo dessa vez, pergunte qts pessoas evitam utilizar camisas de seus times para evitar que esses trogloditas que se acham torcedores lhe agridam.
      Respeito vossa opinião, porem não compactuo com sua pesquisa!

      • Trata-se de uma constatação visual… e inexorável. Ou não? Faça você mesmo esse levantamento. Quanto a exigir a remoção de camisa de algum time por torcedor de outro time, duvido que isso ocorra no interior de um shopping. Pode sim haver, e há, no caminho para os estádios … Agora, meu caro, sem querer estabelecer uma polêmica com você, procure se informar sobre os números da audiência dos jogos. A TV Globo, não é novidade para ninguém, porque foi noticia na mídia, está examinando sim, rebaixar as cotas para os próximos anos, com base na queda de audiência.

        • Caro amigo, acho que nao entendeu, nao falei que a globo esta com otima audiencia, ou falei….o que eu disse é que shopping nao e parametro, mas espero que vc frequente alguns locais com uma camisa de clube, e depois vc retorna com algum comentário sobre esse item, se falei sobre camisas de time foi pq vi acontecer dentro de um shopping, pena que nao passou em nenhuma reportagem ou pesquisa, pq ai poderia verificar.
          Abracos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*