Sorridente e rígido: Muricy chega para tirar jogadores do conforto

“Menos ranzinza e mais sorridente”. Foi assim que o vice-presidente de futebol João Paulo de Jesus Lopes quebrou o gelo na apresentação de Muricy Ramalho ao São Paulo. O técnico não tem muita habilidade em frente às câmeras, mas abriu o sorriso para fotógrafos e cinegrafistas. Durante a entrevista coletiva, momento de tensão em sua carreira, não alterou o tom de voz nem perdeu a paciência, mesmo em perguntas que tirariam o velho Muricy do sério. Como, por exemplo, sobre o fato de ter sido preterido por Paulo Autuori há dois meses.

No microfone, o treinador fez questão de trazer o grupo para seu lado. Rasgou elogios a Rogério Ceni, chamando de “exagero” a reclamação de Ney Franco sobre a influência do goleiro no grupo, falou do talento de Ganso, citou Juvenal Juvêncio como “amigo” e disse que a torcida do São Paulo é sua família. Mas sua atuação no vestiário será menos branda.

Muricy Ramalho São Paulo treino (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)Muricy Ramalho, em treino no CT do São Paulo (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

Uma das missões de Muricy será tirar alguns jogadores do conforto. Ele já recebeu da comissão técnica a informação de que muitos atletas estão com rendimento aquém do esperado. Deu recados na entrevista. Disse que vai cobrar, e todos terão de “abrir mão de alguma coisa”.

Um dos alvos principais é Luis Fabiano. A troca no comando, aliás, pode dar sobrevida ao centroavante. Autuori já encaminhava o plano de colocá-lo no banco em razão de suas más atuações. Só não houve tempo para isso em razão da lesão no ombro de Welliton. Outro medalhão que não será prestigiado é o zagueiro Lúcio.

A diretoria não está nada disposta a reintegrá-lo, e as informações passadas a Muricy pela comissão técnica estão longe de serem as melhores. O Tricolor espera por interessados.

Entre afagos e cobranças nos atletas, o novo comandante recepcionou seus jogadores no campo, um a um. Parou na porta de entrada, e os cumprimentou com um aperto de mão antes de já esboçar seu time titular. Sentado no banco, fez poucas intervenções durante o coletivo apitado pelo amigo e auxiliar Milton Cruz. Depois, acompanhou de perto o trabalho de fundamentos ofensivos dos reservas.

O retorno de Muricy Ramalho, quatro anos depois, contrastou com a tristeza dos funcionários pela saída repentina de Paulo Autuori. O novo técnico é muito querido por gente antiga da comissão, como o preparador físico Sergio Rocha e o fisioterapeuta Ricardo Sasaki. Todos também adoravam Autuori. Ao contrário do que ocorreu dois meses antes, quando Ney Franco saiu detonado em off, só houve elogios ao treinador demitido na véspera.

 

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.