São Paulo tenta erguer a cabeça após perder levando gol previsível

Em meio à irritação pela falta que o árbitro Ricardo Marques Ribeiro não marcou no início da jogada do segundo gol da vitória corintiana nesta quarta-feira, o São Paulo tenta levantar a cabeça com outra lamentação. O time sabia do lance que Elias concluiu nas redes de Rogério Ceni, abrindo o placar com 11 minutos de jogo.

“Sabíamos que a principal arma do Corinthians era a saída do Danilo para o meio e a infiltração do Elias ou do Renato Augusto, e eles saíram na frente assim porque não marcamos. Depois teve o segundo gol que todos sabem…”, declarou Paulo Henrique Ganso, nervoso com a arbitragem pelo segundo gol adversário.

O Corinthians inaugurou o placar após tabela entre Elias e Danilo e lançamento de Jadson para Elias, partindo livre para entrar na área, finalizar desmarcado. Denilson não acompanhou o meio-campista corintiano e, na saída para o intervalo, Maicon, ao ouvir que seria o responsável pela marcação, lembrou que Rafael Toloi e Bruno poderiam bloquear o chute do rival.

Fernando Dantas/Gazeta Press

Luis Fabiano destaca que Majestoso desta quarta-feira foi só a estreia do São Paulo na Libertadores

O controle são-paulino, agora, está também em relação ao gol que definiu a derrota por 2 a 0, quando Emerson Sheik desarmou Bruno antes de dar a assistência para Jadson e, segundo os jogadores do Tricolor, o atacante do Corinthians cometeu falta no lateral. Nesse caso, o culpado é o juiz, de acordo com quem atua no clube do Morumbi.

“Ele falou que não foi falta. Infelizmente, precisavam colocar um árbitro que aguenta a pressão, não um que caia na pressão e, na dúvida, dá sempre para o adversário. Mas é só o começo ainda, tem muita coisa pela frente. É sempre difícil jogar fora de casa na Libertadores. Não vamos abaixar a cabeça, não”, defendeu Luis Fabiano.

Agora, o São Paulo tem dois jogos no Morumbi pela Libertadores, diante do uruguaio Danubio e do argentino San Lorenzo, na próxima quarta-feira e em 18 de março, respectivamente. “Temos que vencer as duas partidas que temos em casa. Se quisermos almejar algo grande, precisamos vencer em casa”, cobrou Ganso.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*