São Paulo leva 4 a 1 no primeiro tempo e diretor reclama do árbitro

O São Paulo perdeu do Atlético-GO por 4 a 3 nessa quarta-feira após terminar o primeiro tempo com derrota por 4 a 1. Mas o foco das contestações do diretor de futebol Adalberto Baptista não são os jogadores, que deixaram a partida envergonhados. O dirigente responsável por acompanhar a delegação em Goiás mirou sua indignação no árbitro Emerson de Almeida Ferreira.

“Temos que reclamar muito da arbitragem. Os que nos deixa chateados é a forma como o Atlético-GO agiu, com a maca em ritmo lerdo seis ou sete vezes e os jogadores se atirando até os 46, 47 minutos do segundo tempo sem nenhum cartão dado. É um antijogo com o qual todos que gostam de futebol ficam contrariados”, disse Adalberto Baptista.

De acordo com o diretor, o time, que teve Denilson como capitão, precisava de alguém como o machucado Rogério Ceni para ser menos prejudicado. “Vimos a falta que faz uma liderança como ele. Os garotos têm medo porque os juízes gostam de montar em cima deles. E sabemos como o Rogério tem experiência em fazer pressão na arbitragem.”

Em lances capitais, o árbitro marcou o pênalti que gerou o segundo gol atleticano após Eron cair na grande área devido a um leve choque de Douglas. Da mesma forma, no início do segundo tempo, assinalou pênalti de Eron após o lateral também dar um tranco fraco em Casemiro na área – Jadson converteu e deu esperança ao Tricolor paulista.

Fernando Dantas/Gazeta Press

O diretor Adalberto Baptista se irritou com o que chamou de “antijogo” do Atlético-GO

Arbitragem à parte, Adalberto Baptista gostou de saber do sentimento de vergonha dos atletas. “É a mais pura realidade. Quem viu o jogo, viu uma sequência de erros que gerou um placar adverso de 3 a 0 logo no início. Mas não faltou vontade nem raça. Os jogadores tentaram”, enalteceu, feliz também com Ney Franco.

 

“O time mostrou disposição. É ruim trocar de treinador no meio do campeonato porque são nesses que o Ney vai conhecendo melhor o elenco. E temos a confiança plena de que as coisas vão se acertando”, assegurou o dirigente sobre o técnico que, em quatro jogos à frente do time, só venceu o lanterna Figueirense, perdendo para Vasco e Atlético-GO e empatando com o Palmeiras em sua estreia.

Adalberto Baptista acredita que tudo vai melhorar ao longo do Brasileiro. “Estiveram fora o Luis Fabiano, o Lucas, o Osvaldo, o Wellington, o Paulo Assunção ainda vai chegar para nos ajudar. Teremos muitos reforços no nosso próprio elenco para termos a regularidade necessária e irmos bem no campeonato”, apostou.

Fonte: Gazeta Esportiva

3 comentários em “São Paulo leva 4 a 1 no primeiro tempo e diretor reclama do árbitro

  1. ELE TEM QUE RECLAMAR DO TÉCNICO E DOS JOGADORES ISSO SIM, DEVERIA TER CONTRATADO SEGURANÇAS PARA DAR UMA SURRA NOS JOGADORES NO INTERVALO, FOI VERGONHOSO. O DIRETOR TEM QUE RECLAMAR NA CBF POIS TODO JOGO OS JUÍZES PREJUDICAM O SÃO PAULO, MARCANDO PENALTIS CONTRA E NÃO MARCANDO A FAVOR, DANDO CARTÕES PARA NOSSOS JOGADORES POR QUALQUER FALTINHA. PRECISA RECLAMAR NA CBF E EXIGIR HONESTIDADE JOS JUÍZES, É DIFICIL, MAS TEM QUE RECLAMAR

  2. Amigo Adalberto,

    Melhor ficar calado. Em boca fechada não entra mosquito.Pega a sacola cheia de gols do Atlético e leva embora no voo pra SP, mas vai caladinho.

  3. O duro não é ver o time jogar mal….mesmo porque os jogadores são ruins. O dificil mesmo é ver esses incompetentes dar desculpas esfarrapadas. Se o resultado tivesse sido 1×0 com o lance do penalty tudo bem, mas foi 4×1 no primeiro tempo. Aquele zagueiro Edson Silva deve ter dois pés esquerdos….o cara é muito ruim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*