São Paulo goleia Audax no Morumbi

O Morumbi e seu novo gramado foram palco na tarde deste sábado de vitória do São Paulo sobre o Audax por 4 a 0, resultado que mantém tranquilidade no Campeonato Paulista e diminui a pressão dos últimos dias pelo tropeço na estreia da Copa Libertadores diante do Corinthians. Alexandre Pato, crítico do campo antigo e artilheiro isolado da equipe em 2015 (agora com seis gols), voltou a mostrar seu poder de fogo e balançou a rede duas vezes, assim como Michel Bastos, que abriu e fechou o placar.

A reclamação do atacante no ano passado quanto às condições ruins do gramado – ele desperdiçou oportunidade incrível de gol durante partida contra o Sport, no Campeonato Brasileiro, e se eximiu de culpa pelo quique da bola – foi uma das razões para que a diretoria do clube fechasse o estádio no início desta temporada e promovesse reforma completa no terreno. A partida deste sábado marcou a volta para casa após dois jogos como mandante no Pacaembu.

Além do gramado, também foram novidades três mudanças no time que disputou o clássico no meio de semana – uma delas, a saída do meia Paulo Henrique Ganso, que pediu para não jogar por não estar se sentindo bem, segundo o técnico Muricy Ramalho. Apesar das substituições, o São Paulo só passou a ter profundidade – inexistente também na quarta-feira – e a ameaçar o Audax a partir da metade do primeiro tempo.

No começo, prevaleceu a tentativa de tomar a bola na saída de jogo adversária, com marcação adiantada, como treinado na sexta-feira. Só que, debaixo de sol e em um campo grande como o do Morumbi, a tática durou pouco. Com dez minutos, a defesa do Audax já tinha liberdade de pelo menos um terço do gramado. Nada também que resultasse em boas jogadas no meio-campo e em perigo ao gol de Rogério Ceni.

Felipe Alves, goleiro da equipe de Osasco, também só era ameaçado com a bola nos pés. Por duas vezes, em cima da linha de fundo, quase perdeu a bola, chutando-a em Pato e Souza. Em outras oportunidades, porém, saiu-se bem, até colocando a bola por cima dos marcadores. Já debaixo da trave, um arremate de Pato da entrada da área – que acabou saindo rente ao travessão – foi o único motivo de susto no começo da partida.

Afora isso e uma boa finalização de Michel Bastos de longa distância, aos 25 minutos, o São Paulo abusava da lentidão e de passes e cruzamentos errados. Só de Thiago Mendes (substituto de Paulo Henrique Ganso neste sábado), foram três, motivo pelo qual o meio-campista mereceu algumas tímidas vaias ainda na etapa inicial. Mas ele seria esquecido mais tarde, por participar do primeiro gol da partida, aos 33 minutos.

Acionado por Luis Fabiano na ponta direita, Thiago Mendes invadiu a área e atrasou para Michel Bastos, próximo à marca do pênalti, concluir de primeira para a rede e facilitar as coisas para o São Paulo. Logo no minuto seguinte, Luis Fabiano deu outro contribuição para gol. De trás do meio-campo, ele encontrou Pato avançando pelo lado esquerdo e o colocou em ótima condição de marcar. Cara a cara com o goleiro, ele chutou no canto esquerdo baixo, ampliou a vantagem são-paulina e anotou o primeiro tento no estádio desde setembro.

“Foi uma primeira etapa um pouco sofrida”, resumiu Luis Fabiano, entre um fôlego e outro no intervalo, depois de ter papel importante nos dois gols. “A gente vem tentando marcar em cima, mas é muito difícil, porque eles saem jogando. Mas foi bom, porque conseguimos fazer dois gols em jogadas rápidas, em contra-ataques”.

A única alteração para o segundo tempo foi a entrada de Edson Silva no lugar de Dória. O zagueiro voltou a sentir dores no tornozelo direito, o qual machucou na estreia da Libertadores, e viu do banco de reservas o terceiro gol da equipe. De novo com participação de Luis Fabiano, que desviou de cabeça um lateral e deixou Michel Bastos em condições de cruzar para Pato completar em direção à meta praticamente vazia. Um lance muito semelhante àquele em que desperdiçou a chance e pôs culpa no gramado. Neste sábado, a propósito, ele quase se atrapalhou no momento do chute, porém foi feliz.

Felizes também ficaram os torcedores são-paulinos. Até mesmo aqueles que, ao longo da semana, chegaram a pedir a saída de Muricy Ramalho do comando técnico. Com a vitória sem gols sofridos neste sábado – também porque Rogério Ceni fez bela defesa na única vez em que foi exigido, aos 25 minutos da segunda etapa – eles e o restante da torcida ainda puderam comemorar o quarto gol – marcado por Michel Bastos, aos 42 – antes de deixarem o Morumbi mais confiantes para o segundo confronto na Libertadores, diante do uruguaio Danubio, na quarta-feira. Os cerca de 50 fãs do Audax, por sua vez, seguem descontentes pela lanterna no grupo B da competição estadual.

FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO 4 X 0 GRÊMIO OSASCO AUDAX

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 21 de fevereiro de 2014, sábado
Horário: 17 horas (de Brasília)
Árbitro: Thiago Luis Scarascati
Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse e Maiza Teles Paiva

Cartões amarelos: Souza (São Paulo)

Gols:
SÃO PAULO: Michel Bastos, aos 33min do 1º tempo e aos 42min do 2º tempo; Alexandre Pato, aos 34min do 1º tempo e aos 6min do 2º tempo

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Bruno, Rafael Toloi, Dória (Edson Silva) e Reinaldo; Denilson, Souza, Thiago Mendes e Michel Bastos; Alexandre Pato (Alan Kardec) e Luis Fabiano (Centurión)
Técnico: Muricy Ramalho

AUDAX: Felipe Alves, Didi, Bruno Silva e Francis; André Castro, Camacho, Marquinho, Matheus (Bruno Paulo) e Rafael Longuine (Gilsinho); Thiago Silvy (Rondinelly) e Ytalo
Técnico: Fernando Diniz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*