Prefeitura de São Paulo quer trocar dívida de clube por ingressos

A Prefeitura de São Paulo propôs aos três grandes clubes de futebol da cidade, Corinthians, Palmeiras e São Paulo, que perdoará as dívidas fiscais em troca de doação de ingressos nos jogos em seus estádios.

A administração municipal sugere que os clubes repassem a ela uma porcentagem dos bilhetes, que ficaria entre 5% e 10% do total. Os ingressos seriam distribuídos prioritariamente para crianças da rede pública.

Após apertar o cerco e cobrar cerca de R$ 400 milhões dos três grandes de São Paulo, a gestão de Fernando Haddad (PT) deu início a uma rodada de negociações para alcançar algum tipo de anistia.

O imposto devido é o ISS, que abrangem serviços de qualquer natureza.

Na proposta inicial, os times doariam 10%: 7% em partidas de futebol e 3% para outras modalidades.

O Corinthians, por exemplo, que costuma colocar à venda cerca de 43 mil ingressos, teria que doar à prefeitura cerca de 3.000 bilhetes.

A prefeitura, contudo, só poderá tratar desse assunto após as eleições, que acontecem em outubro, por causa da lei eleitoral. Houve consulta da secretaria de Finanças ao departamento jurídico para saber se avançar na discussão seria considerado irregular, e o parecer indicou que seria melhor esperar.

A administração se nega a falar em “anistia”, argumentando que os times terão que dar algo em troca.

“A prefeitura está dialogando com o Legislativo acerca do assunto no sentido de que eventuais dívidas possam ser regularizadas por meio de contrapartidas, entre as quais a cessão de parcela dos ingressos”, afirmou a assessoria do prefeito.

“Não se trata de perdão e sim de pleito para que possam ser quitadas por contrapartidas, entre as quais se inclui a cessão de ingressos”

A contrapartida sugerida, porém, ainda não saiu do papel, nem teve aval dos clubes, que conhecem a ideia apenas superficialmente. O Palmeiras, aliás, se opôs à proposta.

No projeto que está na Câmara, os times teriam de se comprometer a só cuidar das áreas externas das sedes, com limpeza e algumas outras tarefas, para que sejam perdoados das dívidas, o que a prefeitura já disse não aceitar em nenhuma hipótese.

Depois do projeto ser votado, é o prefeito quem tem de sancionar.

Em nota, a prefeitura ainda afirma que, caso a proposta vá adiante, seria criada uma política pública de valorização do esporte em várias modalidades, viabilizando momentos de lazer para crianças por meio da participação em eventos esportivos atualmente pagos.

CLUBES

O Palmeiras afirmou à reportagem que discorda da proposta da Prefeitura de São Paulo, mas continua discutindo o melhor caminho para a questão.

O Corinthians disse que não foi comunicado oficialmente até agora.

Já o São Paulo informou que houve uma sondagem de um representante da prefeitura a respeito do tema, mas o clube não tem uma opinião a respeito até o momento.

R$ 400 milhões
é o que devem os clubes
O valor, aproximado, representa o que Corinthians, Palmeiras e São Paulo, juntos, precisam pagar à Prefeitura de São Paulo de ISS (Imposto Sobre Serviços)

R$ 200 milhões
é a dívida do Corinthians
Já Palmeiras e São Paulo devem R$ 100 milhões cada, aproximadamente.

A proposta
A prefeitura sugere receber parte dos ingressos de partidas como mandante, entre 5% e 10%, para que haja distribuição para pessoas que não têm acesso ao estádio.

 

Fonte: Folha SP

Um comentário em “Prefeitura de São Paulo quer trocar dívida de clube por ingressos

  1. Tem torcedor que está satisfeito com o soberano chegar ate aqui na libertadores e que se não for campeão o bauza já fez demais .
    Essa é a diferença do Beto para muito torcedores eu quero ser campeão ,por isso cobro tanto do soberano principalmente a sua postura fora de casa.

    Diferente de um tal ze pipppokkkkka que se contenta com 4 ou 2 lugar eu quero ser é campeão

    Pra sempre soberano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.