Paulo Miranda é o espelho do ano tricolor

A temporada do São Paulo, em 2012, pode ser personificada em Paulo Miranda. O lateral-direito, que chegou como zagueiro, viveu o pior momento que qualquer jogador do elenco tricolor passou, no início do ano. Hoje, titular absoluto, reparte com o clube os melhores momentos, e espera coroar a reviravolta com o título da Sul-Americana, na quarta-feira.

– Sempre tive na minha cabeça que o meu futebol não era aquele do começo. Estou muito feliz por estar crescendo a cada jogo, a cada partida, a cada treino, e espero que sempre possa manter isso. É um título inédito para o São Paulo, inédito para mim, para a minha carreira. Então, estou muito motivado e espero que na quarta-feira a gente possa obter um bom resultado e sair com o título do Morumbi – disse Paulo Miranda, ao LANCE!Net.

Em maio, ainda como zagueiro no time de Emerson Leão, Paulo Miranda foi afastado pela diretoria após as falhas na semifinal do Paulista, que deram a classificação ao Santos. Naquele momento, o Tricolor era visto sob desconfiança. Depois, voltou a jogar com o treinador, ainda como zagueiro, alternando bons e maus momentos, assim como o time na Copa do Brasil, e no início do Brasileirão.

Com Ney Franco, tornou-se lateral-direito. Apesar do comandante ter chegado no início de julho, Paulo Miranda só passou a ser utilizado como titular na segunda metade de agosto. Foi depois da derrota por 3 a 0 contra o Náutico, no Aflitos, na 17 rodada do Brasileirão, que Ney Franco decidiu colocar Paulo Miranda – mais defensivo – na lateral. Desde o dia 18 de agosto, data de sua estreia na posição, contra a Ponte Preta, ele não deixou a lista de preferidos do técnico tricolor.

A entrada de Paulo Miranda marcou a reviravolta no Brasileirão, o título do 2 turno e a classificação para a Libertadores. Agora, é a chance de comemorar tudo isso com o título da Sul-Americana.

Trajetória de Paulo Miranda na temporada

Jogos e pedras no caminho
Estreou na 4 rodada do Paulista. Bancado por Leão, iniciou como titular, contra o Guarani. Foi titular em mais quatro jogos, até ser expulso contra o Paulista. Em abril, contra o Linense, marcou um gol contra, que culminou na derrota por 2 a 1, encerrando a série de 11 vitórias consecutivas do clube.

Afastamento
Paulo Miranda cometeu pênalti em Neymar e falhou no segundo gol do Peixe, na semifinal do Paulista. Antes das oitavas da Copa do Brasil, é afastado pela diretoria. Revoltado, Leão criticou os dirigentes. Voltou após classificação às quartas. Com a saída de Leão, ficou dez partidas fora. Recebeu proposta para sair.

Afastado do afastamento
Ganha espaço com a chegada de Ney. Contra a Ponte Preta, teve boa atuação na lateral direita e cravou o seu lugar. Diante do Palmeiras, dá assistência para Luis Fabiano. Com a sequência, Ceni o compara a Lugano, Ney diz que quer fixá-lo na posição e é eleito o melhor lateral-direito do Brasileiro pelo LANCE!.

No ano, São Paulo vai das quedas ao bom final de temporada

Time histórico
O time começou o ano com três vitórias consecutivas e obteve a primeira derrota contra o Corinthians, na sétima rodada do Paulista. Mesmo com o rendimento questionável, conseguiu 11 triunfos consecutivos, igualando o recorde de vitórias da história do clube, nos anos de 1943 e 1982.

Quedas sucessivas
Após falhas de Paulo Miranda e Denis, time é eliminado na semifinal do Paulista. Desentendimentos entre diretoria e o técnico Leão culminaram no desgaste da relação entre ambos. Time conseguiu chegar na semifinal da Copa do Brasil, mas foi eliminado pelo Coritiba. Leão foi demitido e time permanecia inconstante.

Volta à Libertadores e final
Com a chegada de Ney, o time demorou a se adequar no esquema 4-2-3-1. Após ajustes, o time ficou sete jogos invicto e entrou no G4. Manteve o rendimento e conseguiu vaga à Libertadores, após dois anos fora. Na Sul-Americana, o time está na final e tem a chance de ser campeão, após quatro anos na fila.

Bate-Bola Paulo Miranda
Em entrevista exclusiva ao LANCE!

No início da temporada, tanto você quanto o São Paulo tiveram turbulências. Agora, é o contrário. Você é um espelho do ano?
A gente sabe que no começo da temporada o time estava sendo montado, então, precisaria um pouco mais de tempo para adaptar a formação de jogo. E, com o tempo, o time foi se entrosando, as coisas foram se encaixando e, graças a Deus, deu tudo certo.

Sentiu chateação com o período em que foi preterido no time?
Não, eu nunca tive esse pensamento (de chateação), até pelo fato de as coisas não terem acontecido no primeiro semestre, mas eu sempre tive na minha cabeça que eu tinha que trabalhar, buscar uma oportunidade, porque eu podia fazer o meu trabalho.

Sabia que ia superar isso?
Você nunca pode abaixar a cabeça para as dificuldades. Então, eu tenho que só agradecer as superações que eu tive.

Ansioso para a final na quarta?
Estou muito motivado e espero que a gente possa obter um bom resultado e sair com um título.

Fonte: Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*