Papai Noel do Jardim Ângela, Denilson espera presente do Tricolor em 2013

Não foi só o meia-atacante Lucas que realizou o sonho de ser campeão pelo São Paulo em 2012. O volante Denilson, que esteve no grupo campeão mundial em 2005 mas não jogou, também saciou a vontade de ganhar um título com a conquista da Sul-Americana deste ano. O meia partiu para o PSG (FRA), mas o volante ainda sonha em ganhar de presente a permanência no Morumbi, cujo empréstimo acaba em julho.

Dias antes do Natal, foi a vez de Denilson distribuir os presentes ao doar cestas básicas a pessoas carentes no Jardin Ângela, bairro da zona sul de São Paulo. Simples dentro das quatro linhas, onde desarma e sai jogando sem alarde, o atleta mantém a simplicidade fora dos gramados, o que acredita ser sua maior virtude.

– Dentro de campo eu sou o jogador mais simples possível. Não sou jogador de inventar, busco o mais simples e diversas vezes o simples acaba ficando mais bonito ainda. Por isso a simplicidade dentro de campo. Fora de campo, nasci e fui criado nessa região, do Jardim Ângela, onde vim doar umas cestas básicas a pessoas carentes, a pessoas que nessa época de Natal, Ano Novo, necessitam de alimento. Para mim, isso tudo é uma coisa muito boa, ainda mais depois de ganhar um título como foi a Sul-Americana – disse o volante, em entrevista ao LANCE!Net.

Perguntado se a boa ação representa mais uma conquista pessoal na temporada, o são-paulino não titubeia e revela a satisfação de participar de iniciativas desse tipo.

– É meu segundo título. É uma felicidade imensa fazer o que estou fazendo. Não faço por dizer que estou fazendo, mas faço por coração. Fico muito feliz por ver a alegria não só das crianças, mas de quem precisa.

Mas a lua de mel do volante com o Brasil em seu retorno ao país pode não durar muito mais tempo. Pertencente ao Arsenal (ING), Denilson tem contrato de empréstimo com o Tricolor até 30 de junho de 2013. Com a incerteza se seguirá ou não no Morumbi após o término do vínculo, o jogador deixa a decisão sobre sua permanência com o presidente Juvenal Juvêncio.

– Não sei o que vai acontecer. A apresentação é no dia 3 de janeiro e voltarei a treinar. Espero que eu possa ficar, mas depende do Arsenal. E eu acredito que o Arsenal não vá aceitar mais um ano de empréstimo para o São Paulo. Vou deixar nas mãos dele (Juvenal), mas com a consciência de que voltei para o Brasil para ser campeão e mostrei que posso ser campeão onde eu estiver.

Independentemente de seu futuro, Denilson sabe que encerrou 2012 com o dever cumprido. Agora, aos são-paulinos e aos moradores do Jardim Ângela, fica a esperança e a torcida para que o Natal de 2013 seja tão bom quanto foi o deste ano. E que Denilson esteja presente em ambos, mais uma vez.

Eliminação na Copa do Brasil demorou para ser digerida

Apesar de ter conquistado a Copa Sul-Americana e terminado o ano como um dos principais destaques do Tricolor, o volante Denilson revelou que a eliminação para o Coritiba na Copa do Brasil demorou para ser digerida.

Na época aguardando um acordo entre Arsenal (ING) e São Paulo para a renovação de seu contrato, o camisa 15 conta que a queda contra o Coxa foi uma espécie de divisor de águas em 2012:

– Perdemos a semifinal do Campeonato Paulista para o Santos, tivemos uma grande chance de chegar à final e vencer a Copa do Brasil e perdemos para o Coritiba. Foi uma das maiores mágoas que eu tive no futebol, ter perdido aquela semifinal. Então eu prometi que, se dependesse de mim, eu ficaria por mais um ano no São Paulo. Houve um acerto entre o Arsenal (ING) e o São Paulo e a minha permanência no clube se concretizou.

Confira um bate-bola com o volante são-paulino:

Em junho você pode retornar ao Arsenal caso não haja um acordo com o São Paulo para você ficar. Crê que volta ao clube para ser titular ou chega para brigar por uma vaga?
Sem dúvida nenhuma volto para ser titular, minha mentalidade é grande. Sempre trabalhei para isso, sempre me dediquei, me esforcei, passei dias concentrado, treinando. Mas a questão é que tenho objetivos na Europa ainda. Tenho 24 anos, me sinto muito novo, muito jovem. Tenho muito o que aprender lá fora e se Deus quiser um dia, se puder voltar ao Brasil, esperaria que pudesse ser o São Paulo, caso eu saia mesmo no meio do ano.

O que você imagina para a sua carreira na Europa, no futuro?
Quero aprender a falar outras línguas. Alemão, espanhol, italiano. Conhecer outras culturas que não só a da Inglaterra. E uma coisa que sempre procurei lá fora é título. Você vai ser bem visto se ganhar títulos, se conquistar resultados. Se você não conquistar, você não serve para nada. Tenho metas na minha vida, mas espero que eu possa ficar pelo menos mais um tempinho no São Paulo e viver esse momento maravilhoso pelo qual estou passando.

Em qual liga europeia acha que você se encaixaria melhor?
O estilo em que eu me encaixaria muito bem é o Espanhol. Mas tenho vontade de jogar na Itália, muita vontade. Porque é um futebol pegado e com qualidade, não tanto como o Espanhol, mas quero sentir o gostinho de disputar o Italiano.

Seleção passa pela cabeça, é um sonho? Ou é algo com o qual você não conta mais?
Seleção passa pela cabeça porque é o sonho de qualquer jogador. E eu, em poder voltar à Seleção. Mas meu foco é o São Paulo. E a consequência disso tudo é o seu trabalho, quero fazer meu papel, ter uma sequência de jogos na equipe que eu estiver para poder ser lembrado e retornar à Seleção.

 

Fonte: Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*