Douglas busca título no Tricolor para superar maior frustração da carreira

O lateral-direito Douglas está de volta ao São Paulo. Após cumprir suspensão no último domingo, contra o Flamengo, ele está escalado para enfrentar o Bahia, na estreia da equipe na Copa Sul-Americana. E Douglas também está de volta à competição. Em 2010, ele foi vice-campeão, com a camisa do Goiás. Agora, sonha recuperar o título perdido.

O jogador tinha apenas 20 anos quando seu ex-time foi derrotado pelo Independiente, nos pênaltis. No Serra Dourada, os brasileiros venceram por 2 a 0, mas perderam na Argentina por 3 a 1, o que levou a decisão para a disputa dos tiros livres. Desde então, Douglas viveu 18 meses difíceis, de lesões, jejum de títulos estaduais e na Série B do Campeonato Brasileiro.

Agora no São Paulo, ele vê chance de dar a volta por cima e esquecer as cenas tristes do fim de 2010.

– Até hoje fica o gostinho na boca, estava louco para ser campeão e chorei bastante depois do jogo. Passaram tantas coisas na cabeça. Agora tenho oportunidade de voltar num time grande, com elenco muito bom e capacidade para chegar bem ao título – afirmou Douglas.

Além do trauma pessoal, o lateral-direito, que no esquema com três zagueiros tem liberdade para atuar da maneira que mais gosta, sem tanta obrigação na marcação, quer ajudar o São Paulo a superar suas más lembranças. A equipe jamais conquistou a Copa Sul-Americana, sendo que sua melhor participação foi em 2003, quando parou no River Plate, na semifinal. E em 2012, coleciona eliminações traumáticas.

No Paulistão, o time sucumbiu na semifinal diante do Santos de Neymar. Na mesma fase, na Copa do Brasil, perdeu para o Coritiba, no torneio em que era considerado favorito. Para Douglas, colocar fim à irregularidade é o caminho certo da conquista continental.

– O elenco é muito bom, novo, mesclado com jogadores experientes como Rogério e Luis Fabiano. Temos que explorar esse ponto forte. O grupo é unido e tem grande capacidade, mas precisamos de mais constância. Tivemos muitos altos e baixos – ponderou.

Em 2010, no vice-campeonato com o Goiás, era a primeira vez que a Sul-Americana dava uma vaga na Libertadores do ano seguinte. Douglas revela que, naquele grupo, a classificação para a competição mais importante do continente foi uma motivação muito grande. Agora, no São Paulo, isso se multiplica. O torneio sempre foi a grande obsessão no clube do Morumbi, que é tricampeão. Depois do Corinthians vencê-lo pela primeira vez, voltar a disputá-lo em 2013 depois de dois anos fora é quase obrigatório.

Na fase nacional, o Bahia será o adversário. Caso avance, a equipe de Ney Franco vai confrontar adversários internacionais, o que configura o maior perigo da Sul-Americana na opinião do “veterano” Douglas.

– Ela se torna muito aguerrida quando pegamos equipes de países vizinhos. São jogos mais pegados, corridos, com poder de marcação bem mais forte. Temos de nos preparar bem. O São Paulo tem o sonho de voltar a disputar e ganhar a Libertadores, e essa é uma boa oportunidade.

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*