Conselheiros fazem campanha por volta de Marco Aurélio Cunha

Nem troca de técnico e nem mudança de esquema tático. Um grupo de conselheiros do São Paulo tem na ponta da língua a solução para o clube sair da turbulência neste início de temporada após as derrotas para o Corinthians: a volta de Marco Aurélio Cunha, que está fora da diretoria desde o começo de 2011.

Vereador em São Paulo, Marco foi médico do clube nos anos 80 e no começo do século desempenhou papel importante como superintendente de futebol. Mesmo na fase vitoriosa do Tricolor entre 2005 e 2008, ele foi considerado essencial para abafar princípios de crise e problemas entre jogadores e dirigentes, como na passagem de Adriano Imperador.

Esse perfil conciliador e o bom relacionamento com ícones do clube, como Rogério Ceni e Muricy Ramalho, fizeram com que uma campanha fosse criada informalmente por conselheiros logo após a derrota de domingo contra o Corinthians. Marco Aurélio, inclusive, já começou a receber mensagens com pedidos por seu retorno.

O vereador, no entanto, não planeja retomar as atividades como dirigente tão cedo. Líder da oposição nas eleições do ano passado, quando foi derrotado por Carlos Miguel Aidar ao lado de Kalil Rocha Abdalla, Marco tem evitado se aproximar da situação, embora seja um dos conselheiros que mais tenha lutado pela paz política durante a cisão de Aidar com Juvenal Juvêncio.

Esse distanciamento tem duas razões. A primeira é o respeito a Juvenal, de quem já foi genro e amigo íntimo, mas hoje mantém relação fria. Ele acredita que o ex-presidente pode encarar como oportunismo um retorno tão próximo à crise política do ano passado. A segunda é o respeito a Ataíde Gil Guerreiro, homem forte do futebol atualmente.

O vice-presidente de futebol foi alvo da ira de torcedores no último domingo ao dizer que nem com portões abertos o Morumbi teria enchido no clássico contra o Corinthians. A declaração também não pegou bem entre os conselheiros, que reclamam de uma suposta falta de tato do cartola para lidar com os atletas no vestiário. O próprio Ataíde admite que não é um bombeiro, algo que Marco costumava ser.

Mesmo com a campanha dos conselheiros e aproximação de colegas de oposição a Aidar, o vereador não deve voltar tão cedo a ocupar um cargo diretivo no São Paulo. Compromissos na Câmara Municipal e como médico têm ocupado sua agenda neste ano, por isso ele apenas se coloca à disposição para ajudar o Tricolor dentro do Conselho Deliberativo.

 
Fonte: Lance!net

6 comentários em “Conselheiros fazem campanha por volta de Marco Aurélio Cunha

  1. Realmente. Mas me deixa com a pulga atrás da orelha aquele episódio em que ele pedia para seus colegas de trabalho baterem seu ponto. Seria melhor do que todos que estão lá, mas sei lá… acho que estamos perdidos mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*