Com saída de Ganso, Michel Bastos se dispõe a liderar meio-campo tricolor

Com a saída de Paulo Henrique Ganso admitida pela diretoria do São Paulo, o técnico Edgardo Bauza terá que encontrar soluções dentro do elenco para substituir o meia, enquanto o clube trabalha para trazer reforços. Uma delas pode ser Michel Bastos, que já se colocou à disposição para fazer o papel do principal armador da equipe.

“Minha função sempre foi tentar produzir para os atacantes, proporcionar oportunidades para mim chegar até a área e fazer o gol. Com a saída do Ganso, que é um 10 nato, essa liderança, essa responsabilidade, independente do jogador que tiver no campo, vou procurar sempre exercer da melhor maneira possível”, garantiu o camisa 7, após desembarcar no Aeroporto Internacional de Guarulhos, na última quinta-feira.

Na bagagem, o Tricolor não conseguiu trazer a tão sonhada vaga na decisão da Copa Libertadores da América. Com a derrota para o Atlético Nacional-COL, de virada, por 2 a 1, o time brasileiro não conseguiu reverter a desvantagem de 2 a 0 sofrida no Morumbi, na semana passada.

Na partida de volta, os lesionados Ganso e Kelvin foram desfalques novamente e coube a Centurión e Wesley substituí-los. Mas foi Michel Bastos quem mais preocupou a defesa colombiana ao colaborar com a assistência para o gol de Jonathan Calleri, aos oito minutos de jogo. O desempenho, no entanto, não foi suficiente para levar o Tricolor à sua sétima final de Libertadores.

“Em algumas partidas a gente acaba não conseguindo, é normal, mas eu trabalho muito para que eu possa ser a referência e ser aquele jogador decisivo com um passe ou um gol”, analisou.

A iminente saída de Ganso não é a única baixa no elenco são-paulino. Isso porque Calleri, que tem contrato até o fim de julho, se despediu após a derrota diante do Atlético Nacional. O atacante se apresentará à seleção argentina nos próximos dias para iniciar a preparação aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em agosto, quando deverá selar seu destino a algum clube europeu.

Sobre isso, Michel Bastos lamenta, mas confia na capacidade de Alan Kardec para substituir o argentino à altura. Após encerrar um jejum de três meses, o centroavante marcou três gols nos últimos quatro jogos – um contra o Fluminense e outros dois diante do América-MG.

“Pesa porque é um grande jogador, sabíamos que a saída dele já era dada com certa. Só que graças a Deus temos um jogador que vem tendo oportunidades e vem marcando gols que é o Kardec. Então vamos confiar nesse jogador porque com certeza ele vai suprir a ausência de Calleri”, afirmou.

Eliminado da Libertadores, o São Paulo agora volta suas atenções para o Campeonato Brasileiro, em que aparece na oitava posição, com 21 pontos. O próximo compromisso é o clássico deste domingo, às 16 horas (de Brasília), contra o Corinthians, em Itaquera, pela 15ª rodada.

“É um clássico, a mobilização tem que vir naturalmente. Depois de uma derrota, onde você sai de uma competição importante é sempre difícil. Temos que levantar a cabela porque fizemos uma ótima competição, chegamos onde muita gente não acreditava e sempre lutando. Saímos do jogo ontem mostrando que queríamos do inicio ao fim, mas já estamos focados no clássico e vamos chegar com bastante confiança e determinados para conseguir a vitória”, concluiu Michel Bastos, autor de cinco gols e seis assistências na temporada.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

3 comentários em “Com saída de Ganso, Michel Bastos se dispõe a liderar meio-campo tricolor

  1. Creio que com os limões existentes pode-se fazer uma limonada,
    Hudson e João; Michel; Araujo, Centurion e Cuevas.
    Me pergunto sempre, será que o futebol ainda admite um fixo na área matando bola de canela e esporadicamente fazendo um gol de cabeça?
    Ou é melhor um grupo que sabe trabalhar a bola onde todos têm chance de arrematar?
    Quem era o fixo de Tele no SP 92/93?
    Quem é o fixo do Barcelona?
    No Real Madrid os três atacantes, inclusive Benzema, saem para jogar.
    Enfim, é melhor um time rápido que marque a saída de bola como um todo ou um atacante correndo como um louco sozinho e quando rouba a bola não sabe o que fazer com ela?
    Ou ainda, um time com varias opções de ataque ou aquele condicionado a alçar na área a todo momento ou ficar dependente de bola parada?
    Não sei, Palmeiras, Corinthians, Santos estão dando mostras que conseguem ser muito mais versáteis.
    Michel, a meu ver, pode ser sim o armador que precisamos, tem bom passe, arremata bem e ainda algum poder de marcação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.