Ansiosos, são-paulinos apostam em pressão dentro e fora de campo

O São Paulo decidirá o título da Copa Sul-Americana, contra o Tigre, da Argentina, somente na próxima quarta-feira. Porém, o assunto no CT da Barra Funda é um só: a ansiedade da equipe para encerrar o jejum de quatro anos sem títulos do Tricolor. Dependendo de uma vitória simples para alcançar a inédita taça continental, os jogadores destacaram a expectativa de encontrar o Morumbi lotado daqui a uma semana.
Ainda incomodados com a “catimba” dos argentinos, os são-paulinos prometeram responder à altura no jogo de volta, mas de maneira distinta: na bola. Embora o técnico Ney Franco tinha insistido bastante com o elenco antes da partida na Bombonera, a maioria dos atletas acabou caindo da provocação adversária – destaque negativo para Luis Fabiano, expulso aos 13 minutos do primeiro tempo após tentar chutar o zagueiro Donatti.
– A expectativa para o jogo de volta é das melhores. Já bate a ansiedade e, quanto mais perto estivermos, maior será. Estamos preparados para fazer o melhor possível e, quem sabe, voltar a dar alegrias para a torcida, após quatro anos sem conquistar um título importante – avaliou o atacante Osvaldo.
Com os ingressos esgotados para a partida no Morumbi, quarta, dia 12, às 22h (horário de Brasília), a ideia é impor o estilo de jogo tricolor desde o início. Mesmo reconhecendo a força do time como mandante, os jogadores evitam falar em favoritismo e querem jogar a pressão para o Tigre, que terá de lidar não somente com a torcida contra, mas também com um São Paulo que promete ir para cima desde o início.
– Jogando em casa sempre somos fortes, mas final é final, ainda mais contra argentino. Não tem favoritismo. Vamos nos impor desde o início, para nos mostrarmos favoritos dentro de campo – completou Osvaldo.
– O jogo vem sendo bem executado. O Ney (Franco) vai passar para o time como devemos jogar sem o nosso ponto de referência. Conquistamos um bom resultado na Argentina, agora é manter a vantagem e conquistar o título – disse o zagueiro Rafael Toloi.
Mais cauteloso, o lateral-esquerdo Cortez admitiu que o Tricolor tentará se impor desde o primeiro minuto da partida, mas ressaltou a necessidade de prestar atenção aos contra-ataques e, especialmente, ao jogo aéreo do Tigre. Em Buenos Aires, as bolas alçadas à área foram a principal arma do time argentino
– A postura no Morumbi é sempre a mesma. Vamos para cima do adversário, mas com tranquilidade e responsabilidade, para não sermos surpreendidos.

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*