Alan Kardec diz que o São Paulo tem de crescer, mas pede “análises frias”

Alan Kardec admite que o São Paulo não está na melhor fase que poderia estar. Mas, em participação no “Seleção SporTV”, o atacante pediu que sejam feitas “análises frias” sobre os tropeços da equipe no ano. Após marcar dois gols na vitória por 3 a 0 contra o Linense, no Morumbi, o centroavante analisou os tropeços da equipe nos clássicos contra Corinthians, Santos e Palmeiras, mas disse poder enxergar pontos positivos nas derrotas.

– É difícil ficar procurando explicações. Dentro dos clássicos, perdemos o primeiro para o Corinthians que foi muito ruim, nós admitimos, na sequência tivemos um 0 a 0 contra o Santos que foi lá e cá, depois outro com o Corinthians que tivemos a oportunidade de atuar com homem a mais, mas os gols não aconteceram. Se acontecesse, o crescimento da equipe seria muito maior. E contra o Palmeiras foi uma situação a parte. Saímos atrás do placar bem no início do jogo e em sequência perdemos um homem. Atrapalha muito, estávamos atrás, passamos a jogar nos contra-ataques, mas na posse de bola sofremos muito – analisou.

– Mas estamos bem na Libertadores, vencemos os atuais campeões (San Lorenzo) em uma partida com muita raça, que tecnicamente não foi a melhor, mas já foi possível notar muita coisa nesta partida. Muito se fala sobre clássicos, mas não se faz análises frias. Não serve de desculpa, temos de crescer, mas fizemos jogos importantes também, principalmente na Libertadores – diz o jogador.

Líder do Grupo 01 e já classificado para as quartas de final no Paulistão, o Tricolor acumulou nove vitórias, dois empates e duas derrotas na competição – 0 a 0 com Rio Claro e Santos, e tropeços contra Corinthians (1 a 0) e Palmeiras (3 a 0). Já na Taça Libertadores, perdeu para o Corinthians (2 a 0) e venceu Danubio (4 a 0) e San Lorenzo (1 a 0).

Segundo o atleta, apenas a raça e dedicação podem fazer o São Paulo mudar os seus resultados dentro de campo.

– No meu modo de pensar, a dedicação. Se não correr, as coisas ficam muito difíceis. Quando todos colocam na cabeça que têm de marcar, as coisas que podem nos engrandecer. No ano passado era bonito ver o Kaká marcando lá atrás, dando carrinho, foi uma grande referência, mas ele não está mais conosco. Se todos se dedicarem, a parte técnica acontece – afirmou.

O Tricolor volta a campo na quarta, contra o San Lorenzo, na Argentina, às 19h45.

 

Fonte: Globo Esporte

2 comentários em “Alan Kardec diz que o São Paulo tem de crescer, mas pede “análises frias”

  1. As declarações do Kardec, a meu ver, mostram exatamente o clima criado com as atitudes tomadas até aqui, mesmo que tenham tido a melhor das intenções.
    Quando menciona, “se não correr as coisas ficam difíceis” e “ver o Kaká marcando lá atrás, dando carrinho”, significa, alguns titulares só se entregaram por que tinham em Kaká uma referência e não imitá-lo seria constrangedor, hoje voltaram a caminhar em campo.
    O maior exemplo chama-se PHGanso, titular absoluto com entrega zero, isto provoca nos demais desmotivação ou revolta, que ficou clara na atitude de Michel em relação ao Muricy no clássico contra o Palmeiras.
    Creio que seja este um dos problemas em relação ao grupo, titulares absolutos que não correspondem, mas sabem fazer seu marketing pessoal muito bem.

  2. Concordo com o Kardec! Se houver dedicação e foco, tipo jogadores jogando perto uns dos outros (tipo de mãos dadas mesmo), e correndo um pelo outro; criando coragem para partir pra cima dos adversários e tentar jogadas ofensivas, coisa que, não entendo porque, os nossos atacantes e meias não o fazem (está faltando confiança e o medo de errar faz tocar de lado ou para trás), acredito que o SP tem time para trazer um bom resultado da Argentina e embalar no campeonato.
    FORÇA SÃO PAULO!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*