Aidar mostra que seu SP será muito mais ‘soberano’ do que ‘o mais querido’

Em duas semanas, Carlos Miguel Aidar mostrou como pretende gerir o São Paulo. Aidar mostra que seu São Paulo é muito mais ‘soberano’, apelido que surgiu pela potência no campo entre 2006 e 2008, colocando os rivais em patamar mais baixo, do que ‘o mais querido’, nome que embalou o clube na década de 40, quando era o mais popular da capital paulista. “O São Paulo tem uma imagem de muito bem organizado que causa um certo ciúme nos coirmãos”, falou Aidar, nesta terça-feira.

O sucessor de Juvenal Juvêncio começou ainda na campanha a reconstruir as relações destruídas com CBF e Globo. Conseguiu, e começou a colher os frutos antes mesmo de ser eleito. Porém, o cuidado diplomático não é o mesmo quando se trata da relação do novo São Paulo com outros clubes. Nesta terça, ao fazer pronunciamento para se defender das críticas pela contratação de Alan Kardec, chamou o Palmeiras de pequeno e a atitude do presidente Paulo Nobre de “patética”, além de citar suposto ciúme dos rivais.

Aidar não atingiu só o Palmeiras. Corinthians e Santos também foram alvos de comentários que foram vistos de forma negativa. O atrito com Andrés Sanchez começou antes da eleição, quando o então candidato a suceder Juvenal afirmou à ESPN que o Itaquerão, na Zona Leste da cidade, era em “outro mundo, outro país” e que “não dá para chegar lá”. Recebeu de Andrés Sanchez, ex-presidente do Corinthians e atualmente responsável pelo estádio, as ofensas de “racista” e “preconceituoso”.

“O São Paulo criou essa imagem de ‘Soberano’, até com o departamento de marketing, e vamos colocar a coroa no rei na hora em que cobrirmos este estádio”, disse Aidar, ironicamente, durante o pronunciamento no Morumbi para falar de Kardec.

Ao Santos, restou a crítica pela contratação de Leandro Damião, com mais de R$ 40 milhões emprestados pelo fundo de investimento Doyen Sports. Aidar disse não concordar e nem entender como um clube poderia investir tão alto em um único atleta. Até a piada feita sobre Kaká, que “cairia como uma luva no São Paulo” por ser bonito e ter “todos os dentes na boca” soou como provocação ao rival. Neste caso, especificamente, o presidente admite que  não tinha ideia que a colocação jocosa geraria tanto problema. Ele até afirma que tomará mais cuidado ao se posicionar publicamente.

Pelo que cada apelido significa, é impossível que uma pessoa ou um clube seja o ‘soberano’ e ‘o mais querido’ ao mesmo tempo. Aquele que se coloca como superior, absoluto, se sobrepõe aos demais por vencer técnica ou socialmente em algum aspecto. O termo é usado também para se referir àquele que lidera uma monarquia. ‘O mais querido’, mais simpático e isento de competitividade, nasceu na década de 1940 quando o São Paulo, assim que ressurgiu, encontrou no apoio popular – até de outros torcedores – o respaldo para se tornar o clube mais popular da cidade.

 

Fonte: Uol

2 comentários em “Aidar mostra que seu SP será muito mais ‘soberano’ do que ‘o mais querido’

  1. Começou mal já dizia um ditado:”Para mostrar que seu filho é bonito não precisa dizer que o filho do outro é feio”.
    Na fase atual do nosso amado Tricolor é melhor se calar e trabalhar muito.

  2. Infelizmente o Aidar começou mto mal, não teve necessidade nenhuma ter atacado o palmeiras como ele atacou, com atitudes como essa o mais querido tá se tornando um dos clubes mais odiados do país. Isso sem falar nas outras frases infelizes q ele disse. Parece q falta pra ele a percepção de q em breve os direitos televisivos vão ser renovados e há o comentário de q a globo vai aumentar ainda mais o vlr pago pro time da marginal criando um diferença economica enorme com relação aos outros clubes. Algo realmente preocupante. Assim, o momento é de buscar a união com os outros clubes e não criar inimizades gratuítas como esse topeira vem fazendo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.