4 expulsões de L. Fabiano deixaram o SP na mão. Agora, ele se prejudica

Desde o retorno ao São Paulo, em março de 2011, Luis Fabiano havia sido expulso quatro vezes. Nas quatro, deixou a equipe na mão, prejudicou o time não só com a expulsão, mas principalmente com as suspensões. Nesta terça-feira, contra o Huachipato (CHI), pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana, no Morumbi, recebeu o cartão vermelho pela quinta vez. Agora, no entanto, é ele quem se prejudica. Dessa vez, o maior prejudicado não é o time, mas o próprio camisa 9.

Ao todo, em oito temporadas pelo São Paulo, são 14 expulsões de Luis Fabiano. A mais simbólica delas – coincidência ou não – aconteceu numa outra Sul-Americana. Em 2003, após o apito final na semifinal contra o River Plate, ele aplicou uma voadora em um argentino depois do início de uma confusão generalizada. O confronto havia empatado no placar agregado e ele estava escalado para cobrar um dos pênaltis na disputa. Expulso, não cobrou. E o São Paulo perdeu. Ao sair do campo, afirmou: “Entre brigar e bater o pênalti, eu prefiro ajudar na briga”.

A briga, em 2014, onze anos depois, é por uma vaga no ataque do São Paulo. E nesta terça-feira, ao ser expulso, Luis Fabiano abriu caminho para Alexandre Pato e Alan Kardec não saiam da equipe. No sábado, contra o Fluminense, o camisa 9 pediu uma chance ao auxiliar Milton Cruz. Foi atendido e acabou fora de campo ainda no primeiro tempo – o lance, visto por alguns como duvidoso, não provocou críticas de jogadores e comissão técnica do São Paulo à arbitragem.

1ª expulsão: Leão pagou o preço

Luis Fabiano foi expulso pela primeira vez desde o retorno ao São Paulo em junho de 2012, contra o Atlético-MG, em jogo pelo Brasileirão. Na ausência de Rogério Ceni, ele vestia a braçadeira de capitão. Ao reclamar da arbitragem após uma disputa de bola entre Paulo Miranda e Ronaldinho Gaúcho, trocou agressões verbais com o árbitro e recebeu o cartão vermelho. A fúria foi tão grande que o camisa 9 pegou gancho de dois jogos. No primeiro, contra a Portuguesa, o São Paulo perdeu por 1 a 0. Dias depois Emerson Leão seria demitido pelo começo irregular no Brasileirão e pela eliminação na Copa do Brasil.

2ª expulsão: perdeu uma final

Luis Fabiano foi expulso novamente alguns meses depois, no primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana de 2012 contra o Tigre, na Bombonera, na Argentina. Ele se envolveu em confusão com o zagueiro adversário Donatti, ainda no primeiro tempo, e acabou recebendo o vermelho. O jogo acabou em 0 a 0, Willian José o substituiu no Morumbi e o São Paulo se sagrou campeão na partida que acabou no intervalo após briga nos vestiários do estádio, envolvendo seguranças do clube e policiais militares. Mas Luis Fabiano, ali, deixou o time carente de seu camisa 9 numa decisão de campeonato. Arrependido, o atacante afirmou que a ocasião fez com que ele pensasse em abandonar o futebol.

3ª expulsão: gancho de quatro jogos na Libertadores

Diferentemente do que aconteceu em outros casos, nessa situação Luis Fabiano jurou inocência. E foi, indiscutivelmente, a mais grave. Depois do apito final da partida contra o Arsenal (ARG) no Pacaembu, pela fase de grupos da Libertadores de 2013, o jogador discutiu com o árbitro colombiano Wilmar Roldán. O gancho acabou transformando a classificação do São Paulo às oitavas em episódio dramático, e tirou o atacante do primeiro jogo das oitavas de final, contra o Atlético-MG, no Morumbi. Foi nesta fase que o São Paulo foi eliminado.

4ª expulsão: no auge da crise

O São Paulo vivia o começo da pior crise possível após a demissão de Ney Francoe e era comandado por Milton Cruz. Em julho de 2013, contra o Bahia, pelo Brasileirão, no Morumbi, Luis Fabiano foi expulso por tentar dominar uma bola com a mão. O São Paulo acabou derrotado por 2 a 1 e o atacante ficou suspenso para a rodada seguinte. Durante o segundo semestre, acabou perdendo lugar no time para Aloísio, o Boi Bandido.

5ª expulsão: agora o time não depende dele

A diferença de todas as expulsões anteriores para a que aconteceu nesta terça-feira é que, desta vez, o mais prejudicado é o próprio camisa 9. Foi ele que pediu a chance como titular, por estar na reserva. Hoje, os titulares são Alexandre Pato e Alan Kardec, e caberia a ele brigar pela vaga. Agora, as chances estão reduzidas.

 

Fonte: Uol

3 comentários em “4 expulsões de L. Fabiano deixaram o SP na mão. Agora, ele se prejudica

  1. Seria ótimo se pegasse uns 30 jogos de suspensão, tipo aquele mordedor uruguaio, o time ficaria muito melhor sem ele . . .
    O que dá “ódio” é q

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*