Vice do Flamengo descarta boicote ao São Paulo, mas quer conversa

O Flamengo não vai boicotar a Copa 2 de Julho, um dos torneios mais importantes da categoria sub-17, em razão da participação do São Paulo. Quem garantiu a presença do clube carioca foi o vice-presidente de futebol, Wallim Vasconcelos. Na última quinta-feira, ele conversou por telefone com João Paulo de Jesus Lopes, que ocupa o mesmo cargo no Tricolor, e descartou o boicote anunciado por Carlos Brazil, diretor das categorias de base do Flamengo.

Ao GLOBOESPORTE.COM, Vasconcelos informou que Brazil trabalha nas categorias de base, mas não fala em nome do clube. Segundo ele, um boicote só enfraqueceria as instituições e o futebol brasileiro.

– Falei com o Jesus e disse que queremos entender tudo que está acontecendo, mas que o Flamengo vai participar, sim, dessa competição. Estou pedindo todas as informações sobre o assunto, mas não acho que um boicote resolva a situação, pelo contrário. Se os clubes estiverem unidos, ficam fortes. Se estiverem desunidos, enfraquecem. Acho que tem de haver uma conversa para entendermos a situação.

O dirigente rubro-negro evitou qualquer acusação ao São Paulo. Insistiu em dizer que não sabe se as reclamações contra os paulistas são procedentes. Vasconcelos quer ter conhecimento do código de ética que determina procedimentos a serem adotados nas categorias de base. No início da semana, diversos dirigentes anunciaram boicote a qualquer campeonato que tivesse a participação do Tricolor paulista. Segundo eles, o clube do Morumbi alicia e “rouba” jogadores de outras entidades.

– É preciso haver um código de conduta, ética e respeito nesse processo. O Flamengo não concorda com isso, se é que aconteceu, mas também não acha que um boicote seja benéfico. Vamos conversar e tentar construir uma relação de respeito – ponderou o vice, que, no entanto, alertou:

– Os clubes são vulneráveis, mas não acho que se deva aproveitar de uma situação. Se fizerem com o Flamengo, vou para o revide. O Flamengo não vai fazer com ninguém.

O São Paulo se defende. Alega que os pais dos jogadores é que procuram o clube em razão da estrutura do CT de Cotia, que abriga todos os atletas que não defendem o time profissional, e que só recebe garotos que não possuem contrato com ninguém. Segundo os dirigentes tricolores, muitos clubes não oficializam vínculos com os jovens porque isso denota muito gasto.

– Acho estranho porque muitos desses clubes que falam de ética não pagam salários e nem recolhem impostos – rebateu João Paulo de Jesus Lopes, que atacou o Vasco em entrevista coletiva.

Segundo os cartolas do Morumbi, a organização da competição, que será disputada entre os dias 1 e 13 de julho na Bahia, telefonou para o São Paulo e informou que a presença do clube está assegurada, e que não haverá boicote.

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*