Vice de 2014 inspira Edson Silva em prova contra o Santos na Vila

Segundo semestre de 2014: lesões desmontam a defesa do São Paulo, Muricy Ramalho aposta no até então esquecido Edson Silva e vê o zagueiro se firmar na conquista do vice-campeonato do Brasileirão. Segundo semestre de 2015: lesões – e vendas – fragilizaram a zaga e foi a vez de Juan Carlos Osorio resgatar o camisa 21.

– Ano passado foi maravilhoso para mim. E é bem semelhante ao que vivo agora neste ano. Não tive muitas chances no primeiro semestre e no começo do segundo, o Muricy me deu muitas. Em uma delas me firmei como titular, o que todo jogador espera. Ter uma chance de mostrar o que quer no time e pensando no time. Não pode passar por cima das decisões do treinador. Espero ter de novo uma sequência boa de jogos para me firmar – projetou o beque, ao LANCE!.

Edson já foi titular em duas partidas seguidas e, apesar da desconfiança, passou por Joinville e Internacional invicto e sem ver as redes de Renan Ribeiro serem balançadas. Nesta quarta-feira, às 22h, o já experiente zagueiro de 29 anos terá mais uma prova para superar: o duelo com Ricardo Oliveira, destaque do Santos e artilheiro do Campeonato Brasileiro com 15 gols, dentro da Vila Belmiro.

O problema é que, mesmo uma possível boa atuação no clássico da 24ª rodada, Edson não poderá se dar ao luxo de saborear a certeza de ser mantido como titular. Ao contrário da meritocracia imposta por Muricy Ramalho, Osorio é adepto de um elenco mais rotativo. Além disso, o técnico colombiano não esconde de ninguém a admiração por Luiz Eduardo, o único zagueiro canhoto além de Edson no elenco tricolor.

– Osorio veio com um sistema de mudanças a cada partida. Ainda mais como no calendário de quarta e domingo. Ele põe esse rodízio na minha posição. Tinham muitos jogadores, então ficou difícil procurar espaço. Os outros conseguiram se firmar e eu tive que respeitar, ele é o chefe, a autoridade. Claro que todo mundo sempre pensa em jogar, cansado ou não. O time deu respostas boas na minha posição e por isso diminuíram as chances para mim – opinou.

Outra diferença em relação a 2014 é que agora Edson tem mais objetivos do que uma vaga como titular ou títulos. O beque quer começar a trilhar seu futuro após o término do contrato com o São Paulo em dezembro deste ano. No total, são 114 partidas pelo Tricolor, sendo 35 na temporada passada e 21 neste ano, além sete gols marcados.

Confira bate-papo com Edson Silva:

Crê que pode ser mantido no time titular mesmo quando o Luiz Eduardo voltar de lesão?
Acho que não é questão de crer ou não. Depende mais do treinador, sempre foi assim. Se quando o Luiz voltar ele for escolhido, terei que acatar. O trabalhador quer sempre mostrar seu serviço e com jogador não é diferente. A diferença é que precisamos pensar em prol do grupo.

Mas sua briga por vaga é somente com o Luiz Eduardo?
Pode ser eu, Luiz, Breno, Rodrigo, Lucão, Lyanco, que está surgindo agora… Todos precisam acatar a decisão. Não há problema nenhum na decisão do treinador. Se eu for mantido, farei de tudo para ajudar.

Essa concorrência e o rodízio fazem bem a um elenco?
Cada treinador tem sua filosofia de trabalho e temos que nos adaptar a isso, ao rodízio, aos problemas de desfalque. Neste momento o jogador precisa estar preparado para suprir as necessidades do time. E é assim que você entra e mostra o potencial.
Fonte: Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*