Triunfo quebra jejum, mas SP ainda é visitante inferior aos rivais pelo G-4

Ao bater o Grêmio por 2 a 1 em Porto Alegre neste domingo, o São Paulo derrubou a última invencibilidade de um mandante que ainda existia no Campeonato Brasileiro. Mais do que isso. Voltou a vencer como visitante, algo que não acontecia havia mais de um mês e que pode ajudar bastante na briga por um lugar no G-4 caso se repita mais vezes.

A última vitória do time comandado por Osório longe do Morumbi tinha sido no dia 12 de agosto, quando bateu o Figueirense por 2 a 0 no Orlando Scarpelli. Depois disso, vieram duas derrotas, para Flamengo e Santos, e um empate, contra o Joinville.

Ao longo das 13 partidas que fez fora de casa no Brasileiro até agora, o São Paulo soma quatro vitórias, dois empates e sete derrotas. O aproveitamento de 35,9% destes 39 pontos disputados é o quinto melhor da competição, mas inferior aos de dois concorrentes diretos na luta por uma vaga entre os quatro melhores: Flamengo e Grêmio, cujos desempenhos são de 53,85% e 41,7%, respectivamente.

Para efeito de comparação, o aproveitamento no Morumbi é de 75%. São oito vitórias, três empates e uma derrota. A campanha é quase idêntica à do Grêmio, que venceu uma vez a mais, mas que também fez uma partida a mais como mandante. Por outro lado, é bem melhor que a do Flamengo, que só conquistou 55,6% dos pontos que disputou dentro de casa.

No caso do triunfo sobre o Grêmio neste domingo, o técnico Juan Carlos Osório relacionou o resultado à possibilidade de poder escalar jogadores que ele considera terem sido fundamentais para o sucesso são-paulino em campo. “Quando temos um time com jogadores que sabem passar a bola, como Carlinhos e até o próprio Breno, tudo melhora. Lucão e Rodrigo foram muito bem como dupla de zaga”, avaliou.

Após duas rodadas consecutivas longe de casa, o São Paulo volta ao Morumbi para encarar a Chapecoense na quarta-feira. O encontro do primeiro turno terminou com vitória por 1 a 0 do clube paulista, uma das quatro vitórias como visitante no campeonato.

 

Fonte: Uol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*