Suspeito admite que assassinou Daniel para proteger sua esposa

Edison Brittes Jr, suspeito do assassinato de Daniel, meia do São Paulo, admitiu o crime à Polícia Civil do Paraná. A defesa do agressor confirmou a revelação e alegou que seu cliente agiu para proteger sua esposa, que teria sido atacada pelo jogador enquanto dormia.

Em um relato da defesa, o suspeito disse ao UOL que Daniel não havia sido convidado para a festa em seu apartamento, em São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba. O meia teria ido de Uber com um casal até o local, após o término de uma festa em uma boate.

“Em um dado momento, estavam todos confraternizando na churrasqueira e ouviu-se um pedido de socorro. O Edison foi até o quarto, arrombou a porta que estava trancada e flagrou Daniel sem calças, montado em cima da mulher dele, que estava dormindo há algumas horas. Ele flagrou aquela cena e passou a agredir o Daniel agressivamente, levado por forte emoção, e as coisas se levaram para o que a gente sabe”.

Edison foi preso na manhã desta quinta-feira na sua casa, em São José dos Pinhais. A mulher e sua filha, de 18 anos, também foram detidas, por suspeitas de envolvimento no crime. Uma testemunha que prestou depoimento à policia, afirmou ter presenciado o momento da agressão e relatou que o crime aconteceu por quatro pessoas. Ela também disse que os agressores pegaram uma faca e colocaram Daniel no porta-malas de um carro ‘praticamente desfalecido’.

O corpo do jogador Daniel foi encontrado morto no último sábado, em uma plantação de pinos, em São José dos Pinhais. A Polícia já confirmou que armas brancas foram usadas no crime.

Daniel pertencia ao São Paulo e estava emprestado para o São Bento (SP). O meio-campista surgiu nas categorias de base do Cruzeiro. Antes de se tornar profissional, reforçou o Botafogo em 2013, no qual teve espaço na equipe principal e se destacou no ano seguinte. Em dezembro de 2014, chegou a conversar com o Palmeiras, mas foi reprovado nos exames médicos e acabou contratado pelo São Paulo.

Faca jogada, pênis decepado encontrado

A faca utilizada no assassinato do meia Daniel, do São Paulo, está sendo procurada pela Polícia Civil do Paraná. Nesta quinta-feira, Edison Luiz Brittes Jr, autor do crime, indicou para as autoridades um córrego, em São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba, onde a arma branca teria sido descartada.

Além disso, o pênis decepado do jogador foi encontrado pendurado em uma árvore, cerca de 20 metros do local onde estava o corpo de Daniel. O veículo da família Brittes, que foi usado para transportar o jogador até o matagal onde foi encontrado morto, na tarde do último sábado, também foi apreendido e encaminhado para a delegacia local.

Edison foi preso na manhã desta quinta-feira na sua casa, em São José dos Pinhais. A mulher e sua filha, de 18 anos, também foram detidas, por suspeitas de envolvimento no crime. Uma testemunha que prestou depoimento à policia, afirmou ter presenciado o momento da agressão e relatou que o crime aconteceu por quatro pessoas. Ela também disse que os agressores pegaram uma faca e colocaram Daniel no porta-malas de um carro ‘praticamente desfalecido’.

Daniel pertencia ao São Paulo e estava emprestado para o São Bento (SP). O meio-campista surgiu nas categorias de base do Cruzeiro. Antes de se tornar profissional, reforçou o Botafogo em 2013, no qual teve espaço na equipe principal e se destacou no ano seguinte. Em dezembro de 2014, chegou a conversar com o Palmeiras, mas foi reprovado nos exames médicos e acabou contratado pelo São Paulo.

 

Fonte: Lance

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*