Sem o “Muricybol”, São Paulo tem a pior defesa sob comando do técnico

Três zagueiros, de preferência altos, para “chegar dando de cabeça”, e uma infinidade de cruzamentos na área adversária. Muricy Ramalho consagrou a estratégia, apelidada de Muricybol, ao levar o São Paulo ao  tricampeonato brasileiro em 2006, 2007 e 2008. Mas o treinador se reinventou neste ano. Adotou a troca de passes como principal arma do time, povoando meio de campo e ataque com jogadores mais técnicos. Sobrou para a defesa – montada com dois zagueiros. Sob o comando do treinador, nunca o Tricolor foi tão vazado em Brasileiros quanto na edição deste ano.

Em 13 partidas disputadas até agora, principalmente com Rodrigo Caio e Antônio Carlos como titulares, o São Paulo foi vazado 16 vezes, média de 1,23 – sexta defesa mais vazada da competição. O Corinthians tem a melhor, com apenas seis sofridos em 16 rodadas.

No tricampeonato, o desempenho mais próximo do atual foi em 2008, 13 gols sofridos nas 13 primeiras partidas, média de um por duelo. Depois, vem 2006, com 11, média de 0,84.

Muricy deve ter saudade da muralha que construiu na edição de 2007 do torneio, na maior parte do tempo com Breno, André Dias e Miranda. Foram apenas cinco gols neste mesmo período. O Tricolor passeou pelo Brasileirão, acabou campeão com 15 pontos de vantagem sobre o Santos, segundo colocado, e sofrendo somente 19 sem 38 rodadas, recorde até hoje.

Não bastasse o número de gols sofridos neste ano, o São Paulo tem sido vazado em lances de bolas paradas, até então especialidade das defesas montadas por Muricy. Dos 16 sofridos, seis partiram em jogadas assim. Delas, apenas uma em cobrança de falta direita, de Julio Baptista, no empate com o Cruzeiro, em Uberlândia. Os outros cinco surgiram em cruzamentos com a defesa posicionada: Coritiba, Fluminense, Goiás (dois) e Criciúma.

– A equipe está se ajudando. O que nos prejudica são os erros nas bolas paradas. Já teve anos em que a defesa era o ponto forte do time. O Muricy está trabalhando. Com certeza, no domingo (contra o Vitória, no Morumbi), vamos fazer um bom jogo – afirmou o zagueiro Rafael Toloi, novo titular do setor com a lesão de Rodrigo Caio.

A resposta para a piora no rendimento da defesa pode estar na menor proteção aos zagueiros. A versão 2014 do São Paulo prefere o toque de bola aos chutões ou cruzamentos. O Tricolor não tem mais volantes dedicados apenas à marcação. O único com essa característica era Wellington, emprestado ao Internacional. Souza, Maicon e Denilson podem atuar mais avançados.

– Temos jogadores com qualidade para manter a bola, que sabem jogar. Isso é muito importante para chegar ao ataque – destacou o treinador.

O São Paulo, aos poucos, transforma a eficiente troca de passes em mais gols. São 20 até agora, média de 1,53 por jogo. No entanto, dois dos três times campeões com Muricy foram melhores. Em 2006 e 2008, o Tricolor fez 24 e 22, respectivamente, nos 13 primeiros jogos. Apenas em 2007 o número ficou abaixo, com apenas 11.

A evolução ofensiva, porém, ainda contrasta com as falhas da defesa. O São Paulo não vence há três partidas e já aparece nove pontos abaixo do líder Cruzeiro. Com estrelas como Kaká, Ganso, Pato e Luis Fabiano no elenco, Muricy terá de provar que não mudou para pior se ainda quiser sonhar com o título ou com uma vaga na Libertadores de 2015.

 

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*