São Paulo volta aos trabalhos pressionado por tabu e degola

Após tirar a segunda-feira de folga, o São Paulo inicia nesta terça os trabalhos da semana pressionado pela conquista de um resultado inédito: uma vitória no reformado Palestra Itália, onde perdeu quatro vezes desde a sua reinauguração, em 2014. O estádio alviverde será o palco do Choque-Rei do próximo domingo, pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Outro fator que aumenta a pressão sobre o São Paulo é a sua posição na tabela do torneio nacional. Com o empate diante do Avaí, no último domingo, a equipe foi mandada de volta ao 17º lugar e à zona de rebaixamento, da qual havia saído na rodada anterior com a vitória sobre o Cruzeiro.

A torcida tricolor fica apreensiva para o clássico em razão do péssimo retrospecto na casa palmeirense. O primeiro confronto na reformada arena se deu em 25 de março de 2015, pelo Campeonato Paulista. Na ocasião, com Robinho encobrindo Rogério Ceni, o time da casa venceu por 3 a 0.

Naquele mesmo ano, os são-paulinos amargariam mais uma derrota acachapante. Desta vez por 4 a 0, pelo Campeonato Brasileiro. Na edição do torneio nacional de 2016, o Palmeiras obteve sua vitória mais sofrida: 2 a 1. Foi a única vez em que o Tricolor balançou as redes no novo Palestra Itália, com Andres Chavez, atualmente no Panathinaikos, da Grécia.

Por fim, o encontro mais recente entre os rivais no estádio palmeirense ocorreu no estadual deste ano, em 11 de março, quando os mandantes triunfaram por 3 a 0, com mais um gol de cobertura, desta vez marcado por Dudu em cima do criticado Denis.

Eliminado da Copa do Brasil e da Copa Sul-Americana, o São Paulo tenta se livrar do que seria o maior vexame de sua história. No Brasileirão 2017, o clube já terminou nove rodadas dentro da zona de descenso, uma a menos que na edição de 2013.

Para não igualar essa marca negativa, o time treinado por Dorival Júnior precisará quebrar o tabu e somar seus primeiros três pontos no reformado Palestra Itália, já que a diferença para o Vasco, primeiro time fora da zona de rebaixamento, é de dois pontos (25 a 23).

A boa notícia é que, para o clássico, Lucas Pratto voltará a ficar à disposição, uma vez que cumpriu suspensão automática diante do Avaí. Artilheiro da equipe na temporada com 12 gols, o argentino deverá ser a única mudança na escalação, retomando a posição que foi ocupada por Gilberto no último domingo.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

10 comentários em “São Paulo volta aos trabalhos pressionado por tabu e degola

  1. Excelente postagem meu caro GELSON SENA… parabéns. Foi dos melhores já aqui postados. Parabéns… água de salsicha é uma ótima expressão para definir o nosso técnico.

  2. Boa noite tricolores!
    Na minha humilde opinião, existe alguns tipos de treinadores, os que chegam, escolhe com quais jogadores quer trabalhar, tipo Guardiola e Mourinho e, eles tem que se virar prá domar as feras.
    Existe os que vem com uma estratégia de trabalho traçada e tenta convencer os atletas que vai funcionar, às vezes dá certo (Cuca, Rogerio, Carille).
    Existe os que vem com um currículo enorme e a boleirada sabe que se não tentar ao menos corresponder, dança, alguém dança, o boleiro ou o técnico (Murici, Abel, Luxemburgo, Felipão).
    Existe os que são água de salsicha (Dorival, E. Baptista e tantos outros) esses são os piores, não contribui em nada muito pelo contrário.
    Agora há alguns que conseguem enxergar as qualidades, diferenciais, capacidades de cada jogador, é este o caso do Tite, logo quando o clube contrata um técnico deve saber o perfil que ele tem (trocamos um que queria impor um estilo de jogo sem estofo para isso por um água de salsicha) acho que vamos beber água, nosso barco está afundando, talvez alguns que estão se esforçando para cair (Vasco) possa nos ajudar. Mas para mim estamos igual a lesma na parede do poço, sobe um metro e escorrega dois.

  3. O Chapeko’
    shapecou a porkada,
    mas e’ apenas o CHAPECOENSE
    q teve uma tragedia faz pouco tempo.
    E no’s temos uma tragedia anunciada
    pela kartolaiada traveka & Fdp.
    Viramos um TIMEKO DI MIERDA.
    um nada di nadie.

  4. Quer saber, essa semana toda treinando não vai dar em nada, e colocando Sidão ou Renan tanto faz, esse time que quase levou uma derrota na cara em Santa Catarina não tem a mínima chance conta as pepas e no estádio delas.

  5. Vemos que o Dorival nao tem muito opcao, por exemplo no gol, Renan ou Sidao,
    na zaga Rodrigo Caio, Arboleda…quem mais que serve, laterais, estao osso, meio de campo tirando o Juscilei o resto é resto, meia atacante, Cueva continua com uma má vontade enorme, eu começaria com Lucas Fernandes, ataque Pratto ou Gilberto, entao o treinador tem que tirar leite de pedra.
    Se fizer alguma experiencia durante a semana pode nao dar certo no jogo pq treino é treino, jogo é jogo.
    O que eu vejo uma grande falha dos treinadores do sao paulo, nao explora a fraqueza as deficiencias do adversario, coisa que outros adversarios fazem ate os mais fracos fazem isso e acabam ganhando ate usando isso contra o sao paulo.

  6. Se entrar com Sidão, Cueva, Buffarini e Marcos Guilherme é derrota na certa. Eles estão muito mal! Entrar com todos no mesmo time é pedir para perder…

  7. Vai ser um jogo para nervos de aço, de coracao forte, que aguente fortes emoçoes.
    Pq as Pepas desesperadas pq sao 2 derrotas seguidas em casa e para times fracos do Z4, e o sao paulo gostando do Z4, contratando jogadores nivel 2a divisao, e parece que é isso que Leco Leco quer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*