São Paulo vive evolução defensiva e está entre os menos vazados de 2019

A evolução do São Paulo sob o comando de Vágner Mancini e depois de Cuca é inegável, e um dos aspectos mais claros dessa melhora é o sistema defensivo, que ficou mais confiável e consistente, mas não é só. Os números confirmam o que o desempenho mostra dentro de campo e, no momento, a equipe tem uma das seis menores médias de gols sofridos entre os clubes de Série A.

Em preparação para o confronto diante do Fortaleza, neste domingo, às 19h, o Tricolor não terá Arboleda, lesionado, na zaga. E Anderson Martins é dúvida para a partida pela quarta rodada do Brasileirão. O jovem Walce, proveniente da base do clube, deve ser o titular do setor ao lado de Bruno Alves, cada vez mais imponente na função.

No entanto, a consolidação do sistema defensivo são-paulino permite que torcedores e comissão técnica confiem que os desfalquem não causarão tanto impacto no time. Isso porque se observarmos os números desde o começo do trabalho de Mancini/Cuca, notaremos que o setor foi “acertado” e deixou a posição entre os piores para se destacar no top 6 do quesito entre os clubes da primeira divisão do país somando todos os jogos oficiais da temporada.

André Jardine deixou a equipe com 0,87 gol sofrido por jogo, mas chegou a ter média de um por partida. Após os primeiros oito jogos do time em 2019, o São Paulo figurava entre os piores do país. Mancini, por sua vez, conseguiu entregar para Cuca um time que sofreu seis gols em nove jogos, baixando a média do ano para 0,76, o que já mudou patamar no ranking comparativo com os participantes da Série A do país.

Como complemento ao trabalho de Mancini, Cuca prosseguiu com a evolução defensiva, somada com a nova configuração do meio-campo tricolor. Até aqui, em seis jogos com o novo comandante, foram quatro gols sofridos. Deixando a média atual em 0,74 tentos tomados por duelo em 2019. Esse número faz do São Paulo uma das seis melhores defesas do ano. Confira a lista a seguir:

1) Palmeiras – 8 gols sofridos em 25 jogos – 0,32 por jogo
2) Grêmio – 13 gols sofridos em 26 jogos – 0,50 por jogo
3) Cruzeiro – 15 gols sofridos em 25 jogos – 0,60 por jogo
4) Avaí – 18 gols sofridos em 27 jogos – 0,67 por jogo
5) Fortaleza – 17 gols sofridos em 24 jogos – 0,71 por jogo
6) São Paulo – 17 gols sofridos em 23 jogos – 0,74 por jogo

Outra curiosidade é coincidência dos dados em relação ao Fortaleza, dirigido por Rogério Ceni. Os times têm o mesmo número de gols sofridos na temporada, porém os cearenses têm um jogo a mais, ou seja, a média é parecida, como é possível ver na lista acima. Eles se enfrentam neste domingo e poderão mostrar a capacidade defensiva de cada um. Trabalho para os atacantes que terão de furar esses paredões em evolução.

Números de cada treinador do São Paulo em 2019 (partidas oficiais):

André jardine – 7 gols sofridos em 8 jogos – 0,87 por jogo
Vágner Mancini – 6 gols sofridos em 9 jogos – 0,67 por jogo
Cuca – 4 gols sofridos em 6 jogos – 0,67 por jogo

 

Fonte: Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.