São Paulo vê ‘jeitinho brasileiro’ em ação da Ponte para jogar decisão em casa

São Paulo e Ponte Preta seguem em queda de braço pelo local da segunda semifinal da Copa Sul-Americana. Após envio de ofício à Conmebol pelo Tricolor e resposta dada pela Macaca com um novo laudo sobre as condições do Moisés Lucarelli, a decisão da entidade é esperada para esta terça-feira.

O Tricolor tenta fazer valer sua posição de que o Majestoso não deve receber o jogo, marcado para o próximo dia 27, porque, oficialmente, não comporta mais de 20 mil pessoas, exigência da Conmebol.

O argumento do São Paulo baseia-se no laudo da Ponte sobre seu estádio que consta no site da Federação Paulista de Futebol. Nele, 19,6 mil pessoas é apontada como a capacidade do Moisés Lucarelli.

No entanto, a Ponte divulgou uma nova versão. Em seu site oficial, apresentou um laudo no qual o Corpo de Bombeiros aponta 27.946 pessoas como a capacidade do estádio. O São Paulo rebateu.

– O São Paulo nunca vai se envergonha de tentar valer o regulamento. O pensamento contrário é de quem quer viver dando o jeitinho brasileiro – afirmou José Francisco Mansur, assessor da presidência são-paulina, respondendo quem vê a ação tricolor como uma atitude baixa.

Na nota oficial, a Ponte diz que o documento foi elaborado em setembro e que membros da Conmebol estiveram no estádio nas quartas de final, contra o Vélez Sarsfield (ARG), e o liberaram, inclusive tecendo elogios ao palco.

Com o aumento na capacidade pela diferença nos dois laudos, a Ponte deixa uma posição que até 2010 necessitava de menos exigências para receber jogos. O Estatuto do Torcedor, neste caso, previa várias atribuições para palcos com mais de 20 mil pessoas, o que hoje aplica-se a arenas com mais de 10 mil em sua capacidade oficial.

Entrevista com José Francisco Manssur, assessor da presidência do São Paulo

A Ponte Preta divulgou um novo laudo sobre o Moisés Lucarelli. Isso muda a decisão do São Paulo?
Não, ainda achamos que a partida não deve ser lá. Estamos nos baseando no laudo que consta na Federação Paulista, que é quem hospeda o clube. Esse laudo é apresentado em todo início de ano, é o que vale para nossa legislação e por isso mandamos um ofício. Nem sabíamos da existência de um novo laudo, o que valia era o da FPF.

O histórico de polêmicas entre os clubes pesou no ofício?
Claro que não. O clube não é nosso, para levar por questões pessoais, temos apenas de fazer cumprir a regra. Nada contra as entidades. Só que não podemos deixar de fazer algo por nossos jogadores, por nossos torcedores. O clube é deles.

Há quem diga que o São Paulo toma a atitude de clube pequeno.
Se a gente achar errado cumprir regra, não poderemos exigir que os políticos não roubem, que o cara atravesse a rua na faixa de pedestres, que não haja corrupção. Não vamos ser nunca uma sociedade evoluída se não cumprirmos regras. O Tigre, no ano passado, nem reclamou. Não deveríamos nem estar tendo essas discussões.

MUDANÇAS DE ESTÁDIOS EM JOGOS DECISIVOS

Sul-Americana de 2012
No ano passado, o Tigre (ARG) mandou o primeiro jogo da final diante do São Paulo na Bombonera, do Boca Juniors (ARG). A capacidade do Monumental Victoria, seu estádio, é inferior aos 40 mil previstos para realização da final.

Libertadores
Corinthians, em 2012, e Santos, em 2011, decidiram a final da Copa Libertadores no Pacaembu. O laudo oficial do estádio é de que comporta 40.199 pessoas. Já o Galo, este ano, atuou a decisão no Mineirão, pois o Independência não comportava o mínimo de 40 mil.

Final da Liberta de 2005
Diante do São Paulo, o Atlético-PR atuou no Beira-Rio, estádio do Inter. A Arena da Baixada, com capacidade para até 24 mil pessoas, foi vetada pela Conmebol.

Mudanças de estádio em jogos decisivos

Sul-Americana de 2012
No ano passado, o Tigre (ARG) mandou o primeiro jogo da final diante do São Paulo na Bombonera, do Boca Juniors (ARG). A capacidade do Monumental Victoria, seu estádio, é inferior aos 40 mil previstos para realização da final.

Libertadores
Corinthians, em 2012, e Santos, em 2011, decidiram a final da Copa Libertadores no Pacaembu. O laudo oficial do estádio é de que comporta 40.199 pessoas. Já o Galo, este ano, atuou a decisão no Mineirão, pois o Independência não comportava o mínimo de 40  mil.

Final da Liberta de 2005
Diante do São Paulo, o Atlético-PR atuou no Beira-Rio, estádio do Inter. A Arena da Baixada, com capacidade para até 24 mil pessoas, foi vetada pela Conmebol.

Fonte: Lance

2 comentários em “São Paulo vê ‘jeitinho brasileiro’ em ação da Ponte para jogar decisão em casa

  1. O “Golias” pretende tirar a “funda” do Daví…
    Nada contra as regras serem cumpridas e, para isso, o clube poderia sim, alertar a Conmebol e ponto.
    Essa insistência me parece coisa de quem está temendo enfrentar o adversário em seu campo como, aliás, eles o farão no nosso.
    A discussão já deu o que tinha de dar; deixe que a confederação faça cumprir, ou não, a sua regra, de acordo com sua interpretação.
    Nosso negócio é o time ir lá e sair classificado. Só estamos dando munição pra gambazada nos tirar o mérito.

  2. ???? Qual e o problema ?????
    Eles vem no Morumbi e nos vamos la,
    fim.
    O nota deisss, foi la ontem e meteu tres,
    num jogo onde a PP precisava ganhar
    mais do que na Sulamericana.
    E so nao kolokar o
    pipokkkkkkkkero em fim de karreira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*