São Paulo quer dividir dinheiro de vendas entre reforços e dívidas

O Conselho de Administração do São Paulo se reunirá na próxima semana para discutir e aprovar o orçamento de 2018. Posteriormente, os números também terão de ser submetidos ao Conselho Deliberativo para começarem a valer.

Uma das discussões da reunião será definir o modelo de uma nova regra: decidir quanto do dinheiro da receita com venda de jogadores será reinvestido na compra de atletas e quanto será destinado para amortizar dívidas.

Não há um consenso fechado sobre qual porcentagem seria repassada para cada coisa, mas existe a vontade de criar uma regra clara de controle. Isso viraria uma premissa do orçamento para 2018 e o Conselho de Administração poderia cobrar o cumprimento desse novo dispositivo.

Conselho de Administração do São Paulo fará reunião por orçamento de 2018 (Foto: Reprodução)

Conselho de Administração do São Paulo fará reunião por orçamento de 2018 (Foto: Reprodução)

No balanço apresentado ao Conselho Deliberativo com dados até o mês de junho, a dívida bancária era de R$ 57 milhões. Só que novas amortizações foram feitas nesse período. Em setembro, o clube devia a instituições financeiras a quantia de R$ 45 milhões.

Em 2017, o São Paulo faturou R$ 184,5 milhões em vendas. Descontados impostos, participações de terceiros (que detinham parte dos direitos dos atletas) e comissões, o clube recebeu R$ 162,8 milhões. O montante a receber se divide entre R$ 108,9 milhões (até dezembro), R$ 42,6 milhões (em 2018) e R$ 11,3 milhões (em 2019).

No mercado em busca de contratações, o São Paulo tem acordo verbal pelo goleiro Jean, do Bahia. O alinhamento do orçamento dará ao departamento de futebol uma base sobre quanto poderá gastar em reforços.

 

Fonte: Globo Esporte

3 comentários em “São Paulo quer dividir dinheiro de vendas entre reforços e dívidas

  1. Queremos jogadores e não futuras promessas! Se for pra buscar jogadores a nível de Série B então era melhor ser rebaixado! “Mentalidade pequena constrói coisas pequenas.”

  2. Precisa-se entender o endividamento sobre o EBITDA do time, para definição se estamos em níveis financeiros saudaveis ou não. Toda empresa tem dívida, só precisamos saber se estamos adequados ou nao
    Ademais, deve-se excluir os efeitos dessas negociações que não sao recorrentes.
    A partir disso, deve-se elaborar um orçamento de contratação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*