São Paulo nega pré-contrato com a Puma e alfineta empresa em comunicado

O São Paulo negou, na noite desta quinta-feira, que tenha qualquer tipo de pré-acordo assinado com a Puma para que a marca alemã se torne fornecedora de material esportivo do clube após a saída da pênalti. A informação da existência de um pré-contrato foi dada pela Máquina do Esporte, e depois repetida em nota oficial emitida pela empresa.

“Não existe nenhum acordo definitivo. Assinamos durante as negociações uma carta de intenções. Ela tinha um prazo para se tornar válida, que já passou, e algumas condições que não aconteceram. O São Paulo até mandou uma carta para a Puma avisando que o prazo tinha expirado” disse o diretor de Marketing do clube, Ruy Barbosa.

Na nota divulgada no fim da tarde desta quinta, a Puma afirma que venceu a concorrência para ser a fornecedora de material esportivo após a saída da Penalty, atual parceira. No final, dá a entender que pode acionar a justiça: “mais detalhes serão expostos em fórum apropriado”.

A diretoria são-paulina disse não teme uma ação judicial. “Estamos tranquilos, tratamos a Puma e todas as empresas com todo o profissionalismo. O São Paulo não seria amador de assinar contratos conflitantes com empresas diferentes”.

O São Paulo também emitiu um comunicado na noite desta quinta, criticando a empresa. Nele, diz que o diretor de marketing da Puma foi demitido por tratar o negócio como certo, e que a não conclusão criou atritos entre a matriz na Alemanha e sua filial brasileira.

“O São Paulo Futebol Clube lamenta que o fracasso das negociações entre o clube e a Puma do Brasil tenham levado à demissão do responsável pela área de marketing da empresa alemã, bem como compreende que o presidente da Puma no Brasil, sr. Fábio Espejo, em situação delicada e fragilizada na relação com a matriz da Puma, por não ter conseguido concluir o negócio satisfatoriamente” diz o comunicado.

Veja a nota do clube na íntegra:

Em relação à nota divulgada hoje, 18/12/14, pela fabricante de material esportiva Puma, o São Paulo Futebol Clube esclarece:

1 – Várias conversas entre a empresa e o clube aconteceram e nelas a Puma manifestava seu desejo de vir a ser a fornecedora de materiais esportivos para o São Paulo;
2 – As negociações entre as duas  instituições foram coordenadas pela sra. Cinira Maturana, como já foi divulgado em entrevista coletiva na data de ontem, no Morumbi;
3 – Em determinado ponto das negociações, os presidentes da Puma, sr. Fábio Espejo, e o do São Paulo Futebol Clube, Carlos Miguel Aidar, decidiram assinar uma “Carta de Intenções”;
4 – Esse documento indicava que a Puma poderia vir a ser a fornecedora de material esportivo para o São Paulo, desde que respeitadas algumas cláusulas condicionantes, entre elas:
a – Que o contrato com a Penalty, atual fornecedora fosse extinto, concluído ou rescindido, o que não ocorreu;
b – Que um contrato trazendo os termos definitivos de um eventual acordo fosse assinado até meados de setembro, o que também não aconteceu;
5 – Por entender que outras oportunidades mais vantajosas para o São Paulo surgiram e respeitando a vigência do contrato com a Penalty, o São Paulo Futebol Clube decidiu não concretizar o negócio com a fabricante alemã;
6 –  Assim que o prazo previsto na “Carta de Intenções” expirou, o presidente Carlos Miguel Aidar, em sua sala no Morumbi, na presença do Diretor Jurídico, Leonardo Serafim, comunicou pessoalmente o presidente da Puma, Fábio Espejo, que a assinatura do Contrato definitivo não se concretizaria; ato contínuo o executivo da Puma recebeu em mãos um documento com essa informação, mas decidiu não assina-lo, para atestar a entrega.
7 – O São Paulo Futebol Clube lamenta que o fracasso das negociações entre o clube e a Puma do Brasil tenham levado à demissão do responsável pela área de marketing da empresa alemã, bem como compreende que o presidente da Puma no Brasil, sr. Fábio Espejo, em situação delicada e fragilizada na relação com a matriz da Puma, por não ter conseguido concluir o negócio satisfatoriamente;
8 – O São Paulo reitera que a fornecedora oficial de material esportiva para o São Paulo é a Penalty. 

 

Fonte: Uol

3 comentários em “São Paulo nega pré-contrato com a Puma e alfineta empresa em comunicado

  1. Considerações:
    Independentemente da nota da empresa citar o fato de o presidente Aidar, após o negócio fechado, ter sugerido o nome de sua amada como intermediária do negócio, este fato, a princípio, ajuda, nas dúvidas sobre o comportamento dele à frente das negociações do clube. Aparentemente, os interesses do clube se sobrepuseram aos interesses particulares, salvo se, igual ou maior percentual de comissão, também, foi negociado, e sobre maior valor, para a Sra Maturana.
    Outra coisa sobre a nota:
    Neste caso, respeitou-se o contrato com a Penalty. No negócio com a empresa americana, o dos 135 milhões, esqueceram que ela ainda era a fornecedora e já publicaram seu fechamento. ???
    É preciso ficar de olho e ver o que vem pela frente; mas, cansado, de tanto acompanhar notícias sobre negociatas, diria que nosso presidente flerta com um impedimento futuro à frente da diretoria tricolor…

  2. Se o cara foi demitido e’ porque ele trabalhava numa empresa
    gerenciada por alema’es, alema’es, disse alema’es,
    e ele simplesmente pisou na bola,
    ou brincou em servico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.