São Paulo, Libertadores, Morumbi e rival argentino: 100% de vitórias

O São Paulo não poderia esperar um cenário tão perfeito para tentar sair da crise já na noite desta quarta-feira, no embate decisivo contra o San Lorenzo (ARG), às 22h. Em todas as vezes em que o Tricolor encarou um clube argentino no Morumbi, palco do confronto, pela Copa Libertadores da América, o resultado foi vitória dos paulistas.

Apoiado nisso, o clube espera que consiga atrair mais torcedores do que no primeiro jogo em casa, quando levou pouco mais de 16 mil pessoas para ver a goleada por 4 a 0 sobre o modesto Danubio (URU). A expectativa para o confronto desta quarta, que pode valer a vida do São Paulo no Grupo 2, é de que o público presente de aproxime da casa dos 30 mil. Até a tarde de terça, o número estava em 18 mil, mas as vendas seguiam aceleradas e há a promoção de ganhar um bilhete extra para a arquibancada amarela do estádio.

A combinação infalível de São Paulo + Morumbi + argentinos + Libertadores = vitória passa muito pela presença da torcida. Vide o último encontro nesse cenário, em 2006. Nas quartas de final contra o Estudiantes, 66.056 torcedores viveram a tensão da vitória por 1 a 0 no tempo normal e por 4 a 3 nas penalidades graças à atuação de Rogério Ceni.

O goleiro-artilheiro, inclusive, é outro elemento de sorte para o Tricolor diante dos hermanos no Morumbi. Desde 2004, quando foi titular na Libertadores pela primeira vez, ele encarou quatro times argentinos e levou vantagem em todos.

Mas o Mito não se contentou em apenas participar dos triunfos. O camisa 01 teve papel decisivo no duelo das oitavas de final de 2004 contra o Rosário ao pegar pênalti de Gaona, converter sua cobrança e manter o time vivo até Gabriel definir a vaga. Em 2005, na semifinal contra o River Plate, o jogo era dominado pelo Tricolor mas só foi resolvido nos minutos finais com a cobrança de pênalti certeira contra Constanzo.

Com a fórmula mágina na ponta da língua – e das luvas de Ceni – resta apenas cumprir seu papel e lotar o Morumbi para tirar o time da crise.

VEJA OS CONFRONTOS CONTRA ARGENTINOS NO MORUMBI PELA LIBERTADORES:

Independiente
Na semifinal da Libertadores de 1972, o São Paulo venceu por 1 a 0 no Morumbi com gol de Toninho Guerreiro, mas perdeu por 2 a 0 em Avellaneda e foi eliminado.

Newells Old Boys
O Tricolor chegou à segunda final no Morumbi com o prejuízo do revés por 1 a 0 em Rosário. Raí tratou de igualar tudo no tempo normal e Zetti fez o serviço na disputa de pênaltis para levar o clube ao primeiro título diante de mais de 105 mil torcedores.

Vélez Sarsfield
Em roteiro semelhante ao de 1992, o São Paulo perdeu o tri da Libertadores em 1994. A derrota por 1 a 0 para o Vélez em Buenos Aires foi revertida por Müller no tempo normal, mas desta vez Chilavert brecou Palhinha e a máquina de Telê Santana no Morumbi.

Rosário Central
Oitavas de final de 2004. A volta ao torneio após dez anos quase foi por terra quando o Rosário saiu na frente no Morumbi, mas Grafite fez dois gols e levou a disputa para as penalidades. Ceni marcou, pegou e classificou o time.

Quilmes
Fase de grupos em 2005, vitória fácil por 3 a 1 com gols de Tardelli (2) e Cicinho e caso de racismo contra Grafite. Desábato foi preso.

River Plate
Na semifinal de 2005, o São Paulo “copou” o River, como gostam de dizer os argentinos. No Morumbi, Amoroso estreou e deu show, mas Danilo e Ceni marcaram. Um 3 a 2 na Argentina credenciou o time à final e, depois, ao tri.

Estudiantes
A ida das quartas de final foi com derrota por 1 a 0 antes da Copa do Mundo de 2006. Edcarlos fez gol salvador no Morumbi e Ceni decidiu nos pênaltis de novo e garantiu a classificação tricolor.

Fonte: Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*