São Paulo já usou uniformes diferentes em outras ocasiões

No próximo domingo (28) o São Paulo entrará em campo vestindo uma camisa comemorativa em homenagem aos novos assentos vermelhos do Estádio do Morumbi, seguindo o mote “Vermelho, a cor da Raça”. Quem acredita que a iniciativa rompe com a história e tradição do clube, porém, se engana.

Certamente possuidor de dois dos mais tradicionais uniformes do futebol brasileiro, o São Paulo Futebol Clube, ao longo da história, já utilizou camisas diferentes, ainda que em raras ocasiões. Os motivos são variados, mas se dividem, basicamente, em imprevistos e ações deliberadas. E, ao contrário do próximo domingo, quando será privilegiada uma das cores do clube, já estivemos em campo com cores bem distantes das oficiais.

A pesquisa não é definitiva, mas já é de conhecimento que ao menos em 23 partidas (de um universo de mais de 5 mil) o Tricolor usou uma vestimenta diferente das tradicionais.

Os casos conhecidos

1930
Camisa negra com gola e mangas brancas da A. A. das Palmeiras.

Em jogo amistoso contra a Seleção dos Estados Unidos (camisas brancas), então terceira colocada da primeira Copa do Mundo, o São Paulo atuou de preto, com a camisa da finada A. A. das Palmeiras (10 de agosto de 1930, São Paulo 5 X 3 Seleção dos Estados Unidos), por cortesia com os visitantes. Lembrando que o São Paulo só estrearia sua camisa número 2, listrada e tricolor, em 1932.

1940
Camisa listrada verticalmente em preto e branco, com gola e punhos em vermelho (similar à da Seleção Paulista).

Esta camisa não fora usada somente uma vez, mas sim em várias ocasiões. Era, de fato, uma camisa alternativa do São Paulo, nomeada número 3, conforme consta da ata de reunião extraordinária do Conselho Deliberativo de 10 de março de 1942: “É também pedido que seja consignado visto o que não fora naquela ata, o agradecimento ao sr. Nelson Fernandes, ao Conselho, pela cessão à Federação Paulista de Futebol, do uniforme do São Paulo Futebol Clube, número 3 (três), registrado naquela Federação“.

A semelhança encontrada com a camisa da Seleção Paulista também pode ser expandida à camisa do C. A. Estudantes Paulista, clube que em 1938 foi incorporado pelo São Paulo F. C. – o que reforça a teoria de que este uniforme tenha surgido nessa ocasião ou por essa época. Seu registro mais antigo conhecido é datado de 25 de agosto de 1940, São Paulo 3 X 2 Corinthians Paulista – exatamente no aniversário de dois anos da estreia dos jogadores do Estudantes no São Paulo, quando o Tricolor goleou os alvinegros por 3 X 0.

Jogos:

  • 25.08.1940 Paulista & RJ-SP – 3×2 Corinthians
  • 03.11.1940 Paulista – 7×2 Comercial (SP)
  • 22.12.1940 Paulista – 0x3 Corinthians
  • 02.02.1941 Taça Ministro das Relações Exteriores – 5×2 Gimnasia y Esgrima (Argentina)
  • 29.06.1941 Paulista – 2×1 Comercial (SP)
  • 10.08.1941 Paulista – 0x3 Corinthians
  • 18.10.1941 Troféu Corinthians – 0x2 Corinthians

1964
Camisa violeta com a flor-de-lis ao peito.

Tratava-se da camisa da A. C. Fiorentina. Naquele ano, o São Paulo excursionava pela Europa e, na final do Torneio Cidade de Florença, naquela cidade, enfrentaria os soviéticos do FK Zenith Leningrad.

Em 20 de junho de 1964 a delegação são-paulina estava hospedada em um hotel na margem do rio Arno, oposta à qual se encontrava o estádio Comunale Artemio Franchi. Após partir rumo ao estádio, choveu muito e o rio transbordou. Nisso, o roupeiro Ferrari percebeu que havia esquecido os uniformes no hotel. Naquela situação não seria mais possível buscá-los. A Fiorentina, então, fez o favor de emprestar seus jogos de camisa para a equipe Tricolor. No final, o São Paulo foi campeão: São Paulo 1 X 0 FK Zenith Leningrad.

1966
Camisa Tricolor, com três faixas verticais largas, preta, branca e vermelha, com o emblema do São Paulo ao centro do peito.

Esta camisa foi uma criação do conselheiro, jornalista e então diretor de futebol, Paulo Planet Buarque. Ousado, ele levou o São Paulo assim trajado ao campo, em partida do Campeonato Paulista, no Morumbi, sem aviso algum aos demais diretores ou ao Conselho Deliberativo. Paulo, posteriormente, confessou que a criara por não gostar da camisa número 2, listrada, e a queria substituir, mas Brasil Vita, outro conselheiro, o persuadiu a desistir. Essa rara camisa estreou no Morumbi, em 4 de setembro de 1966, na vitória do São Paulo por 3 X 0 no Comercial de Ribeirão Preto, sendo utilizada até o final daquele ano, inclusive em clássicos contra o Santos, Corinthians e Palmeiras.

Jogos:

  • 04.09.1966 Paulista – 3×0 Comercial (RP)
  • 10.09.1966 Paulista – 2×0 Guarani
  • 30.10.1966 Paulista – 2×1 Santos
  • 10.11.1966 Paulista – 3×1 Portuguesa Santista
  • 16.11.1966 Paulista – 2×2 Prudentina
  • 20.11.1966 Paulista – 0x0 Guarani
  • 01.12.1966 Paulista – 2×2 Botafogo (RP)
  • 04.12.1966 Paulista – 2×1 Corinthians
  • 10.12.1966 Paulista – 1×1 São Bento
  • 15.12.1966 Paulista – 0x3 Palmeiras

1969
Uniforme inteiramente azul.

Era o uniforme do Recreativo de Huelva, da Espanha. Em outra excursão internacional, agora na final do Troféu Colombino, realizado em Huelva, novamente o São Paulo se atrapalhou com seus jogos de camisa e, como o adversário seria o Real Madrid, de camisa branca, acabou por aceitar a oferta do Recreativo de Huelva de jogar com o traje azul do clube espanhol.

Em 24 de agosto de 1969, o Real Madrid jogou com o uniforme principal, mas não conquistou o título: São Paulo 2 X 1 Real Madrid.

1978
Camisa vermelha do Unión Española, do Chile.

Partida válida pela Libertadores da América, tendo como oponente o Palestino, do Chile, que também atuava de branco. Aliás, utilizava uma camisa muito similar à do próprio São Paulo, com faixas horizontais na altura do peito, só que preta, verde e vermelha. Para resolver o problema, o jeito foi tomar emprestadas as camisas vermelhas do Unión Española. Em 22 de março de 1978 o São Paulo vence o time chileno: Palestino 0 X 1 São Paulo.

1984/1985
Camisas brancas e sem faixas.

Duas camisetas deste gênero foram utilizadas nesse período. A primeira, totalmente branca, exceto nas pontas das mangas, onde havia faixas finas, vermelha, branca e preta; com o símbolo à altura do coração e o número no peito, do lado oposto. Havia sido inspirada no traje do New York Cosmos. Não há registros exatos de quando foi utilizada. A segunda, também branca, possuía as mangas cada uma com uma cor, a direita vermelha, a esquerda preta. Com esta camisa o São Paulo jogou contra a AS Roma, na Itália, em 20 de agosto de 1984, e perdeu por 1 X 0.

2000
Uniforme branco do C. A. Paulistano.

Em 15 de janeiro de 2000, no torneio amistoso Constantino Cury, o São Paulo enfrentou o Avaí, de Florianópolis, jogando o primeiro tempo com uma camisa branca estilo retrô em homenagem ao centenário do Club Athlético Paulistano – fundado em 29 de dezembro de 1900 -, um dos times relacionados com a fundação do Tricolor. Para o segundo tempo dessa partida, o São Paulo voltou com seu uniforme tradicional. Vitória para o São Paulo por 3 X 2.
Cabe dizer que existe ainda um caso controverso, de uma partida no Uruguai, em 1944, em que o São Paulo (ou o combinado São Paulo/Fluminense) teria usado justamente a camisa do clube do Rio de Janeiro.

 

Fonte: Site Oficial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*