Saída de René Simões abre nova crise e retoma questionamentos à base do São Paulo

René Simões deixou o cargo de diretor-técnico do São Paulo na semana passada, mas a sua saída causou uma nova crise e retomou os questionamentos sobre a base do São Paulo existentes desde o início deste ano.

A turbulência chegou a colocar em xeque até a continuidade do gerente Marcos Tadeu, que adotou um discurso confuso e em dado momento não assegurou que seguiria no cargo, para depois recuar e dizer que nada seria mudado, a não ser que o presidente Juvenal Juvêncio decidisse por isso.

UOL Esporte apurou que um grupo de conselheiros da oposição passou a cobrar a diretoria do São Paulo a prestar esclarecimentos sobre os reais motivos da saída de René Simões. A situação tenta minimizar os efeitos da crise com declarações amenas e elogios ao trabalho do ex-diretor-técnico.

A chegada de mais de dez jogadores de fora de Cotia para a montagem do grupo que disputará a Copa São Paulo de 2013 também foi motivo de queixa interna no São Paulo. A explicação dos dirigentes é que a chegada dos novos atletas foi motivada pela mudança no regulamento da Copinha.

“Nosso trabalho mais forte era com garotos de 18 anos pra disputar a Copa São Paulo, que é a competição mais importante. Tínhamos jogadores sub-20, mas só com atletas que foram ficando na base e jogavam o Campeonato Paulista. Não era um time completo como precisamos ter pra disputar a Copinha. Praticamente não houve investimento, só um jogador foi comprado. Os outros vieram por empréstimo, serão testados”, explicou Tadeu. Os jogadores mais velhos no próximo torneio serão os nascidos em 1993.

O trabalho nas categorias de base do São Paulo que é feito em Cotia passou a ser questionado após a vexatória campanha na Copa São Paulo deste ano. Juvenal disse na época que era inadmissível “perder para time juntado” e prometeu mudanças, que vieram rápido.

René Simões foi contratado no mês seguinte e prometeu instaurar um trabalho de base tendo o Barcelona como modelo. Ele fixou metas de jogadores no time principal e alardeou o fato de ter estabilidade no cargo. Mas não concordou com o sistema e pediu demissão nove meses depois.

“À todas pessoas que deveria mostrar um mal andamento das coisas, eu procurei fazer. Espero que esse voo seja corrigido, que o São Paulo é grande demais. O clube tem profissionais fantásticos, mas algumas coisas não podem continuar como estão”, justificou em entrevista para a Rádio Transamérica, em declarações que o diretor de futebol do São Paulo, Adalberto Baptista, não quis se pronunciar a respeito.

Blog do Menon teve acesso ao email de despedida que René Simões disparou aos funcionários de Cotia. O diretor-técnico evitou citar os problemas que causaram a sua saída, mas disse que não negociou seus princípios e não aceitou agrados por traições. “Não havia como continuar, só sei trabalhar olhando nos olhos”,

René seguiu o mesmo discurso de Zé Sérgio, técnico que foi demitido da base do São Paulo após assumir o time da Copinha no meio da preparação para a edição deste ano e não conseguir passar da primeira fase. Na época, o treinador disse que era uma boa oportunidade de se abrir a “caixa-preta”.

Juvenal tem adotado diferentes critérios com os treinadores da base do São Paulo. Com Zé Sergio, demitiu após o primeiro insucesso – eliminação na Copinha deste ano. Mas o presidente manteve o seu sucessor, Sergio Baresi, mesmo com eliminações precoces na Copa BH e na Copa do Brasil sub-20.

“É difícil de entender para quem está de fora qual a linha que está se seguindo em função de que há dois pesos e duas medidas. Quando eu perdi, a responsabilidade foi minha, apesar de que time não era meu…depois, na Taça BH perdeu na primeira fase, e o Baresi continuou. Na Copa do Brasil, perdeu na primeira fase contra o Coritiba e continuou e agora está continuando no Paulista sub-20 “, reclamou Zé Sergio, que está no sub-20 da Ponte Preta atualmente, ao UOL Esporte.

Fonte: Uol

 

Nota do PP: não param de aparecer suspeitas e cresce minha indignação com a falta de vontade de “investigar” por parte da diretoria e do Conselho Deliberativo.

Um comentário em “Saída de René Simões abre nova crise e retoma questionamentos à base do São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*