Ricardo Gomes trabalhou sem saber que sua saída já estava definida

O São Paulo definiu pela demissão de Ricardo Gomes do comando técnico do time na noite de terça-feira. Uma reunião entre o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva e toda a diretoria de futebol acabou com a opinião comum de que era o momento ideal para a mudança. O encontro terminou por voltas das 22 horas, mas, antes de se despedirem, os dirigentes também concordaram em manter sigilo por algumas horas e aguardar o dia seguinte para soltar o comunicado oficial.

Desta forma, Ricardo Gomes acordou cedo para comandar o treinamento da equipe marcado para às 9h30 desta quarta, no CT da Barra Funda. Sem saber que sua presença já não fazia mais parte dos planos do clube, Gomes chegou até a esboçar a escalação para o jogo de domingo, contra o Atlético-MG, em Belo Horizonte, com Wellington no meio de campo.

O volante, inclusive, foi o escolhido para conceder entrevista coletiva após a atividade e chegou até a culpar os jogadores pela má temporada do time, em uma tentativa de aliviar a pressão sobre Ricardo Gomes. O ato, porém, já era em vão. Enquanto Wellington falava aos jornalistas, o treinador foi chamado por Marco Aurélio Cunha, responsável por comunicar o ex-zagueiro do rompimento de um vínculo que não previa multa contratual para essa situação.

Ricardo Gomes não chegou a se surpreender, pois já estava ciente do risco que corria, e apenas não conseguiu esconder sua frustração, principalmente por ter um carinho e uma admiração especial pelo Tricolor do Morumbi. Após, a missão era tonar a atitude pública.

Naquele momento, muitos dos jornalistas que cobrem o dia a dia do São Paulo já haviam deixado o local. Mesmo assim, o clube entendeu por bem convocar os profissionais da imprensa que ainda estava na área interna do CT para que Marco Aurélio Cunha pudesse falar na sala de entrevistas. Houve muita correria. A pressa são-paulina se deu pela cúpula tricolor entender que não cairia bem se a notícia vazasse antes de um pronunciamento oficial e limpo. O São Paulo não queria mais trabalhar com Ricardo Gomes, mas manteve a cordialidade e o gosto pela pessoa.

Agora, o assunto já é passado e a expectativa entre todos é pela concretização da contratação de Rogério Ceni. Talvez o maior ídolo da história são-paulina, o ex-goleiro recém aposentado já tem um acordo bem encaminhado e pode assinar o contrato para substituir Ricardo Gomes e consumar seu retorno ao clube ainda nesta quinta.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*