Ricardo Gomes destaca intensidade, mas “baixa a bola” ao falar sobre G-6

A atuação do São Paulo na vitória deste sábado sobre a Ponte Preta, por 2 a 0,  não encheu os olhos, mas foi elogiada por Ricardo Gomes por um motivo em especial. Apesar de admitir defeitos, o treinador destacou a entrega de seus atletas durante toda a partida no Morumbi.

– A partir do nosso gol de pênalti, a Ponte Preta adiantou a marcação, e tivemos dificuldade. Mesmo assim, criamos oportunidades. Só que o jogo não estava fluindo. Tomamos decisões erradas. Quando era para alongar, estava jogando curto. Quando era para jogar curto, estávamos alongando – analisou, antes de prosseguir.

– Mesmo assim, a intensidade já pagou. Se você erra nas escolhas e na intensidade, não dá. O time manteve intensidade em 90 minutos. Isso foi muito legal. Agora, é claro, temos que melhorar as escolhas, com treinamento.

São Paulo x Ponte Preta Ricardo Gomes banco (Foto: Marcos Ribolli)Apesar de não ter sido um grande jogo, treinador fez elogios à atuação de seu time (Foto: Marcos Ribolli)

Na primeira etapa, quando saiu em vantagem com gol de pênalti marcado por Cueva, sua equipe errou 17 passes (contra cinco da Ponte Preta). No retorno do intervalo, foram mais 15 bolas entregues ao adversário. Apesar de ter enfrentado dificuldade, ampliou a vantagem com gol de David Neres, o primeiro do jovem meia-atacante como profissional.

O triunfo, o segundo consecutivo no Campeonato Brasileiro, faz o São Paulo abrir (ao menos momentaneamente) sete pontos da zona de rebaixamento, principal preocupação até pouco tempo atrás. Também encurta para seis pontos, neste momento, a distância até a faixa de classificação para a Taça Libertadores. Ao ser questionado se já pensava na possibilidade de chegar ao G-6, Ricardo Gomes cobrou cautela, porém.

– Meu pensamento é o América-MG. O São Paulo não tem três vitórias consecutivas no ano inteiro. Vamos baixar a bola, porque não tem três vitórias consecutivas. Vamos baixar a bola e pensar só no América-MG – ressaltou o treinador, referindo-se ao duelo marcado para 31 de outubro, em Belo Horizonte, e mostrando-se tranquilo diante das especulações sobre um possível retorno do ex-goleiro Rogério Ceni ao clube para comandar a equipe em 2017.

–  A história do Rogério, vocês conhecem bem. Isso é normal. Se o time está com dificuldade, vai ter (especulação a respeito de) vários nomes. Por acaso, esse nome seria por meritocracia, pela história do Rogério no São Paulo – comentou, brevemente.

 

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*