“Referência”, São Paulo tem menos revelações no time do que Palmeiras

Quando o assunto é categoria de base, o São Paulo geralmente é colocado como referência, enquanto o Palmeiras é visto como atrasado. Porém, no clássico deste domingo, no Pacaembu, o que deve ser visto no campo é o contrário. Isso porque o Verdão tem utilizado mais os garotos revelados pelo clube que o adversário.

Na escalação treinada por Ricardo Gareca nesta quinta-feira, que deve ser a do jogo, estão os garotos Fabio, de 24 anos, Victor Luis, de 21, e Renato, de 22, todos criados no Alviverde. O trio vem sendo titular há vários jogos e se firmou na equipe. Além deles, Wendel, revelado no começo dos anos 2000, é outro que começou no Palmeiras. O zagueiro Wellington, também de 22 anos, é mais um que figura frequentemente no time, mas ficará no banco.

Enquanto isso, a situação no São Paulo é diferente. De titular absoluto, apenas Kaká, revelado em 2001. Outro com chances de jogar é Denilson, que subiu ao profissional em 2005. Mas, cria do CT de Cotia, considerado um dos melhores do país, não há ninguém na equipe titular. O que mais tem sido utilizado é o atacante Ademilson, de 20 anos, que é reserva. Rodrigo Caio, principal revelação dos últimos anos, teria vaga garantida, mas está fora por conta de lesão grave no joelho esquerdo.

Ademilson e Boschilia (Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net)Da base tricolor: Ademilson tem jogado, mas Boschilia é reserva (Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net)

Os palmeirenses conseguiram se firmar mesmo com a má fase do time, de oito partidas seguidas sem vencer no Brasileirão. Os três garotos têm deixado jogadores renomados no banco, como os goleiro Bruno e Deola, o lateral-esquerdo Juninho e os volantes Eguren e Marcelo Oliveira – existe a possibilidade de Wesley ser reserva domingo. Ou seja, não é por falta de opção que os jovens estão sendo escolhidos.

A diferença de utilização dos garotos é semelhante ao estilo dos técnicos das duas equipes. Ricardo Gareca se caracterizou no Vélez Sarsfield, da Argentina, por dar muita atenção à base e colocar jovens no time de cima, revelando vários jogadores – entre eles Allione e Tobio, hoje no Verdão. Ele tem tentado fazer o mesmo no Palmeiras, promovendo intercâmbio de meninos com o time profissional e utilizando os que já considera prontos.

Já Muricy Ramalho tem o perfil de usar pouco os garotos que estão subindo ao profissional, não só no Tricolor, mas nas equipes que dirige. Ele, inclusive, já chegou a ter problemas com alguns jovens, como Felipe Anderson, no Santos, e Boschilia, no atual elenco do São Paulo, entre outros. Hoje, o treinador conta com vários astros no grupo para trabalhar.

Neste domingo, no Pacaembu, será possível saber se as revelações do Palmeiras já estão prontas para vencer um clássico em um período conturbado ou se a experiência ainda pode fazer a diferença nessas horas.

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*