Quieto, Jadson prova com números a sua importância no São Paulo

O meia Jadson chegou no São Paulo com a responsabilidade de ser o maestro do time, função que o Tricolor não tinha alguém de ofício desde 2006, quando Danilo saiu. Ele foi apresentado pelo ídolo Raí, o que aumentou a sua responsabilidade. O seu estilo ‘come-quieto’ pode até passar a falsa impressão de que ele não cumpriu a missão que lhe foi dada, algo que faz parte da torcida criticá-lo, mas os números mostram o quanto o camisa 10 se tornou importante para o técnico Ney Franco.

Segundo o Datafolha, Jadson é o maior garçom do Brasileirão, com sete assistências em 19 jogos. Além disso, o meia já marcou cinco gols na competição e está a apenas quatro dos artilheiros, fato expressivo pela posição em que atua.

Jadson se tornou um atleta raro no São Paulo por ter um estilo de jogo e atuar numa função em que o elenco não tem substituto – se levar em conta que o meia argentino Marcelo Cañete ainda não pôde atuar na temporada devido a uma grave lesão que sofreu no fim do ano passado.

Outro aspecto que conta a seu favor é o fato dele ter atuado em todas as partidas do São Paulo no Brasileirão, pois não se lesionou e sofreu apenas dois cartões amarelos (por isso não foi suspenso).

Jadson é elogiado pelos seus companheiros de equipe. Luis Fabiano por diversas vezes ressaltou a qualidade do seu passe. Ney Franco mostrou confiança no meia, que a seu ver pode dar conta do recado mesmo se o santista Paulo Henrique Ganso, alvo da diretoria do São Paulo, não for contratado. “Não quero mais falar de Ganso. O Jadson é nosso camisa 10. Ele vai ter responsabilidade de jogar contra o Botafogo [às 21h desta quinta-feira, no Morumbi.

Mesmo com os números a favor, Jadson ainda não satisfez a uma parte da torcida. Na vitória por 2 a 0 contra o Bahia pela partida de volta da Sul-Americana, ele teve uma atuação apagada, sendo vaiado por parte dos torcedores.

No discurso após a partida, ele disse não se abalar com as criticas. Mas bastou uma importante vitória no clássico contra o Corinthians com direito a uma assistência sua em um dos gols de Luis Fabiano para que Jadson desabafasse no Twitter.

“Grande vitória da nossa equipe, isso é bom para mostrar para esses corneteiros de plantão que ficam no twitter que nós temos valor. E também não esqueço dos que acreditam no meu futebol. Muito obrigado a todos vocês por me apoiar. Vocês que acreditam não vão se decepcionar”.

Convocado a falar com a imprensa na última segunda-feira, Jadson explicou o porquê do desabafo: “Eu não fico chateado com essas coisas. A maioria da torcida me apoia. Eu só desabafei mesmo, porque não são todos, mas algumas pessoas que não acompanham, não veem estatísticas e cobram sem pensar… joguei quase todas no Brasileirão, fui até lesionado para as partidas e as pessoas às vezes não sabem. Se eles podem me criticar, eu só dei uma alfinetadinha neles [risos]”.

Jadson não deu tanto valor aos números e defendeu a tese de que pode fazer mais pelo São Paulo.” Meu desempenho é bom analisando os números. Mas tenho consciência que tenho que ajudar mais”.

Fonte: Uol – Foto: Vipcomm

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*