Por que o São Paulo não conseguiu pagar os últimos 2 meses aos atletas

Dia 10 é data de pagamento no São Paulo. Mas não será nesta quarta-feira. O Tricolor completa dois meses de atraso no pagamento dos direitos de imagem dos atletas. E no ‘aniversário’ da inadimplência, a promessa é de honrar os depósitos assim que uma verba extraordinária cair no caixa. A conta não bate há tempos e a administração do problema tem como vilão a falta de um patrocínio master.

A direção trata o tema abertamente. Os pagamentos dos jogadores são divididos entre salários em carteira de trabalho (CLT) e direitos de imagem, contratados paralelamente por meio de prestação de serviços. E são estes pagamentos que não acontecem desde 10 de abril. Os valores de salário estão em dia.

E a conta não tem batido por conta de dois fatores. Sem patrocínio master na camisa, que poderia render algo próximo de R$ 25 milhões anuais, o São Paulo tenta compor o valor com patrocínios paralelos, considerados ‘verbas extras’. Valores menores, como o pago pela Copa Airlines, em patrocínio paralelo, tentam compor a soma e sanar as dívidas, mas sem sucesso.

Além disso, empréstimos contraídos para investimentos do clube em melhorias no CT de Cotia ou mesmo outras investidas forçam pagamentos próximos de R$ 8 milhões entre parcelas e juros a bancos. Tudo isso faz o clube correr para conseguir estancar rapidamente o vazamento.

O montante devido aos atletas é mantido em sigilo pela direção do São Paulo. No entanto há a garantia de que assim que qualquer verba extraordinária for depositada, as dívidas terão fim. O atraso não deve se prorrogar, mesmo que isso não interfira – sob a ótica do comando do clube – no desempenho do time.

A proximidade da abertura da janela de transferências reascende a chance de negociação de jogadores para Europa. Rodrigo Caio, cujos direitos econômicos são 80% do Tricolor, é alvo do Atlético de Madri. Uma venda pelos 20 milhões de euros pretendidos daria saúde financeira por alguns meses.

Aqueles que recebem mensalmente com contrato de carteira de trabalho estão ilesos. É o caso do volante Souza. “Eu sou suspeito para falar. Tenho um contrato em que todo pagamento é na carteira (de trabalho). Para mim não interfere, está em dia. Não fico falando com outros jogadores, nem comentamos sobre isso”, disse o volante Souza.

Mas a promessa é de resolver este problema o mais breve possível. Até para dar tranquilidade ao trabalho do técnico Juan Carlos Osorio.

 

Fonte: Uol

2 comentários em “Por que o São Paulo não conseguiu pagar os últimos 2 meses aos atletas

  1. A verdadeira história ainda está para ser contada…
    A desculpa, que não deveria ser usada por escancarar a incapacidade de seus dirigentes em negociação e o fato de nenhuma empresa importante querer associar seu nome ao SPFC, não procede, pois, mesmo com um patrocínio master em sua camisa, que lhe proporcionasse os 25milhões ano, ainda assim o tricolor não conseguiria manter em dia sua contas mensais. Não sei de quem é a culpa – alguém precisa contar esta história – mas é melhor o tricolor vender o João Paulo mais o Rodrigo Caio e começar a pensar em uma renegociação das dívidas bancárias, diminuição da folha de pagamento, e seus dirigentes voltarem a ter “vergonha na cara” para administrar o nosso tricolor…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.