Perto de voltar para o banco, Denis se vê realidade no São Paulo

Com a volta de Rogério Ceni cada vez mais próxima de acontecer, os dias de Denis como titular do São Paulo estão contados. O goleiro, único presente em todos os 41 compromissos da temporada, sabe que voltará para o banco de reservas. Ele, inclusive, nem cogita a possibilidade de brigar por posição. Mas está satisfeito com o papel desempenhado, já que hoje não se considera só um provável substituto, mas sim uma realidade:

– Quando você tem uma sequência grande jogos, muda o jeito de os seus companheiros te olharem. Ninguém sabia se poderia contar comigo, hoje sabem quem podem. Eles me conhecem do treino, mas no jogo é diferente. Mudou a visão de todos os atletas quanto a isso e sabem que podem contar comigo.

 

– Encaro com naturalidade a volta do Rogério e vou fazer o melhor possível enquanto estiver jogando. Quero deixar o São Paulo na melhor posição. Estou aprendendo e pronto para quando ele parar assumir o posto. Deu para mostrar meu trabalho, meu potencial e agora é ter paciência para quando ele voltar jogar eu esperar ele parar para assumir a camisa 1 – completou o camisa 22, que gosta do número 12, que estava com Fernandinho.

Ceni está em fase final de recuperação, mas está vetado para esta quarta-feira, contra o Atlético-GO. No entanto, pode ser relacionado para domingo, diante do Flamengo. Na próxima sexta-feira, completa seis meses que o capitão passou por cirurgia no ombro direito. Já tem duas semanas que está liberado para trabalhar com o grupo e só precisa readquirir ritmo para jogar (veja detalhes na próxima página).

Enquanto Ceni não fica à disposição, Denis procura desempenhar seu papel. Após a eliminação para o Coritiba, na Copa do Brasil, foi um dos mais cobrados pela torcida, que o xingou em jogo contra a Portuguesa, no Canindé. Três confrontos depois, com bom papel diante de Cruzeiro, Coritiba e Palmeiras (pegou pênalti), todos pelo Brasileiro, acabou sendo ovacionado pelos torcedores diante do Vasco.

O camisa 22 sabe que a vida de titular está perto do fim. Mesmo assim, ciente de que tem agradado, estará pronto para assumir o gol. Enquanto não chega a hora de ser banco, quer seguir com boas partidas. Amanhã, diante do Atlético-GO, nova chance para manter o time bem posicionado para Ceni.


Denis (em entrevista ao LANCENET!)

Com recebeu as críticas após a eliminação na Copa do Brasil?
As críticas vem quando o time não atinge as metas que são colocadas. A torcida pega no pé. Não só no meu, mas de todos, diretoria, presidente. Já enfrentei críticas e fui muito xingado quando jogava em Campinas, onde o pessoal é bem fanático. Isso serve para crescer, trabalhar, melhorar e evoluir. Não acho que só é culpa minha, porque não jogo sozinho. Nem todos os dias você está em um dia feliz.

Pretende disputar posição com o Rogério quando ele retornar?
Não brigamos por posição e o titular é ele. Não tem como medir forças com o Rogério. Vou trabalhar para quando o São Paulo precisar eu estar na melhor forma possível. A titularidade é dele e eu sei disso.

O que mudou do Denis de 2009 para este que jogou mais este ano?
A experiência e a segurança são maiores. Estou mais preparado, porque são três anos e meio de lá para cá. Procuro treinar todos os dias em campo, não gosto de ser poupado de treino, de jogo… Às vezes tenho de brigar com o preparador porque ele gosta que descanse e faça regenerativo. O Denis de três anos e meio atrás teve uma grande evolução.

Quando voltar para o banco, como pretende ajudar o time?
Quero ajudar falando. Os jogadores do banco são importantes. Não só o técnico, mas quem está ali pode incentivar, gritar e isso ajuda quem está em campo. Já que não posso atuar e ajudar dentro, tenho de fazer fora. Este é um dos jeitos.

Neste período, como foi receber a chance de ser capitão uma vez?
Foi bem legal ter a confiança para ser capitão do time. Não é um objetivo que tenho no clube. O meu é ficar embaixo das traves. Capitão ou não, falo, orientando e procuro fazer do mesmo jeito para ajudar.
Ídolos em branco

Ronaldo
Pelo Corinthians, o atacante enfrentou Denis em 2009. Apesar da vitória por 3 a 1, não marcou. Foi uma honra para o goleiro pegar o ídolo.

Ronaldinho Gaúcho
Contra o Atlético-MG, neste Brasileiro, o craque passou em branco na vitória por 1 a 0. É um dos ídolos de Denis no futebol.

Juninho Pernambucano
Para Denis, é um dos principais finalizadores. Ano passado e este ano, levou perigo, mas não chegou às redes.
Denis: sobe e desce

Grande fase
Apesar da derrota para o Vasco, Denis foi ovacionado pela torcida na arquibancada. Só ele e Luis Fabiano foram poupados. No jogo anterior, pegou pênalti de Valdivia. Para ele, é um dos seus grandes momentos na carreira, já que nunca tinha defendido uma cobrança desde que subiu para o profissional. Comemora sempre que não leva gols.

Pior momento
Denis vê como grande erro do semestre a bola que não segurou em chute de Neymar, pela semifinal do Paulista. O jogo estava 2 a 1 para o Santos e a falha sacramentou a eliminação. O goleiro reconhece que poderia defender, e que no momento teve de se concentrar para seguir no jogo. Diante do Vasco, em chute de Fagner, acha que não errou. Denis também lamenta a eliminação para o Coritiba na Copa do Brasil.
Fonte: Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*