Pato marca dois e o São Paulo bate o Vitória no Morumbi

“O Kaká voltou”, gritaram os são-paulinos presentes no Morumbi, saudando o meia em seu retorno ao estádio depois de 11 anos, na noite deste domingo. Mas não foi o ídolo, e sim o mais perseguido jogador do time, quem pôs fim ao jejum de três rodadas no Campeonato Brasileiro: Alexandre Pato, vaiado no fim de semana passado pela mesma torcida, marcou dois gols no importante triunfo por 3 a 1 sobre o Vitória.

Bastante cobrado no último sábado por ter desperdiçado chances de gol no empate com o Criciúma, Pato balançou a rede duas vezes no primeiro tempo. A segunda, em belo arremate de fora da área. O terceiro gol são-paulino também foi anotado antes do intervalo, pelo atacante Alan Kardec, que se machucou na comemoração e foi substituído por Osvaldo. No último lance da primeira etapa, Kadu descontou para o Vitória, graças à linha de impedimento.

resultado diminui de nove para sete pontos (23 contra 30) a distância do São Paulo para o líder Cruzeiro. Antes de se preocupar de novo com o Brasileiro, o time paulista volta ao Morumbi na quarta-feira para defender vantagem construída no jogo de ida da terceira fase da Copa do Brasil contra o Bragantino – até mesmo uma derrota simples serve para se classificar. O Vitória (um ponto acima da zona de rebaixamento) enfrenta a Chapecoense, no domingo, em Salvador.

Neste domingo, as equipes que se enfrentavam no Morumbi viviam situações distintas nas últimas três rodadas. O time baiano vinha de dois triunfos e um empate e buscava outro bom resultado para continuar se distanciando da parte de baixo da tabela de classificação, ao passo que o São Paulo havia somado um só ponto neste período e se via obrigado a findar o jejum para não se desgarrar ainda mais dos líderes.

O início do jogo mostrou um Vitória bem mais organizado e disposto a abrir logo o placar. Com pouco mais de 30 segundos, uma disputa pelo alto fez a bola cair nos pés de Caio. Na corrida, o atacante ganhou do zagueiro Antônio Carlos e do lateral direito Douglas, invadiu a área e, com o goleiro Rogério Ceni já caído, tentou bater colocado, mas pôs muita força no chute e mandou a bola por cima do travessão, perdendo chance incrível.

Nos primeiros cinco minutos, foi essa a tônica. O São Paulo, desfalcado de última hora do lateral esquerdo uruguaio Álvaro Pereira (vetado por conta da concussão sofrida na semana passada) mal conseguia trocar dois passes e tinha, muitas vezes, que parar o adversário com falta. Em uma delas, Ayrton bateu aberto, e Ceni se apressou em deixar a meta para fazer o corte. O goleiro estranhamente foi quase até a linha da área para dar um soco na bola e afastá-la pela lateral.

Passado o susto, Muricy Ramalho viu sua equipe se ajeitar e povoar o campo de ataque aos poucos. O estreante Kaká apareceu mais e cavou o primeiro cartão amarelo para o Vitória, depois de driblar Euller. Ganso reteve mais a bola em seus pés, e Pato, municiado pelas subidas de Douglas, também exigia atenção da defesa. A exceção no sistema ofensivo era Kardec, ora apagado entre os zagueiros, ora errando jogadas.

Foi depois de um erro – mas do Vitória – que o zero foi tirado do placar. Aos 15 minutos, o zagueiro Alemão dominou bola fora da área e perdeu o equilíbrio quando daria o passe. A bola caiu nos pés de Ganso, que levantou a cabeça e encontrou Pato correndo em direção à linha do gol. Depois de um certeiro passe rasteiro do meia, o atacante completou para a rede e foi comemorar o gol no escudo de concreto do clube, entre a arquibancada e o campo.

Antes de a vantagem ser ampliada, o Vitória reclamou, aos 30 minutos, de pênalti não marcado em Caio. No minuto seguinte, Kardec, que até então tinha chamado atenção somente por furar um chute e cair sozinho na linha de fundo, recebeu ótimo passe por trás da dupla de zaga, driblou o goleiro e tocou para a meta vazia. Na comemoração, porém, machucou o tornozelo esquerdo e até tentou prosseguir na partida, mas precisou ser substituído por Osvaldo pouco depois.

Insatisfeito, o técnico Jorginho fez a primeira substituição no Vitória aos 36 minutos, sacando Richarlyson para colocar Willie. O ex-são-paulino, vaiado por sua antiga torcida antes do jogo, desceu diretamente para o vestiário e não viu, dois minutos mais tarde, Pato marcar seu segundo gol, o terceiro do São Paulo. O atacante carregou a bola da direita para a meia e bateu rasteiro, de perna esquerda, no canto direito de Wilson.

A confortável diferença no placar foi diminuída no último lance do primeiro tempo. Após cobrança de falta de Ayrton, a defesa são-paulina errou a linha de impedimento e deixou o zagueiro Kadu livre para dominar a bola dentro da área, escolher o canto e finalizar por baixo de Ceni.

Os dois treinadores mudaram seus times no segundo tempo. Como Antônio Carlos recebeu o terceiro cartão amarelo antes do intervalo, Muricy Ramalho colocou Paulo Miranda em seu lugar já para testar uma nova parceria de defesa. Jorginho, por sua vez, lançou o Vitória ainda mais para o ataque ao perceber que o mandante oferecia terreno. Mas as principais e poucas jogadas de perigo dos dois lados não foram aproveitadas. Nem mesmo por Kaká, que não jogou mal, mas se destacará na ficha técnica apenas por um cartão amarelo.

 

FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO X VITÓRIA

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 10 de agosto de 2014 (domingo)
Horário: 18h30 (de Brasília)
Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO)
Assistentes: Fabrício Vilarinho da Silva (Fifa-GO) e Bruno Raphael Pires (GO)
Público: 29.202 pessoas (total)
Renda: R$ 869.534,00
Cartões amarelos: Antônio Carlos, Kaká, Douglas, Osvaldo e Denilson (São Paulo); Euller e José Welison (Vitória)

Gols:  SÃO PAULO: Alexandre Pato, aos 17 e aos 38 minutos do primeiro tempo; Alan Kardec, aos 31 minutos do primeiro tempo
VITÓRIA: Kadu, aos 47 minutos do primeiro tempo

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Douglas, Rafael Toloi, Antônio Carlos (Paulo Miranda) e Reinaldo; Souza, Denilson, Ganso (Ademilson) e Kaká; Pato e Alan Kardec (Osvaldo)
Técnico: Muricy Ramalho

VITÓRIA: Wilson; Ayrton, Alemão, Kadu e Euller (Mansur); Adriano, Richarlyson (Willie), Luis Aguiar, Marcinho (José Welison) e Caio; Dinei
Técnico: Jorginho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*