Pato cresce com Muricy, ‘esquece’ Corinthians e ganha força no São Paulo

Rogério Ceni, Pato, mais nove… O São Paulo de Muricy Ramalho hoje é armado desta forma. Por mais que o técnico goste de deixar claro que ninguém tem lugar cativo, o ex-atacante do Corinthians, por algumas razões, conquistou seu espaço no time.

Nesta noite, às 22h, na decisão contra o CRB-AL, pela segunda fase da Copa do Brasil, no Pacaembu, o Tricolor precisa vencer para não dar vexame e o camisa 11 é que representa uma das principais esperanças do treinador para a vaga.

O status é fruto de uma confiança depositada desde a chegada do atacante e correspondida, pelo menos na visão do comandante.

Pato marcou apenas dois gols pelo São Paulo, mas o que cativou foi sua maneira de se portar em campo e nos treinamentos. Muricy o enxerga muito mais participativo do que Ganso, por exemplo.

Enquanto a falta de dinâmica é vista como um problema do camisa 10, o tirou do time no último jogo, e o fez ser dúvida hoje à noite, com Pato este aspecto é elogiado. Entre a comissão técnica, a imagem é de que ele não peca por omissão.

Nos treinos, Pato geralmente é um dos primeiros a chegar, dos últimos a sair. Muricy também gostou da paciência que o jogador teve para esperar, enquanto não podia atuar no Campeonato Paulista.

Nas quatro linhas, o camisa 11 tem ficado com o papel da armação, na função que Muricy encontrou para deixá-lo à vontade. Agradou.

Pato também se mostra feliz no São Paulo. Tem recebido carinho dos torcedores desde a estreia e desabafou nos dois gols. No último, no Pacaembu, fez o gesto símbolo da maior torcida organizada do clube. E até recebeu cartão amarelo, por ter exagerado e ido ao alambrado.

– Fui mais pela empolgação. Tinha muita gente no estádio, quando tem muita gente você vai à loucura. Tudo aquilo que aconteceu foi para a empolgação, não queria parar de correr. Só parei porque o Souza me parou. Queria fazer o gol, mas não acabei a noite como gostaria. Queria muito mais a vitória do que meu gol – declarou o jogador.

O entusiasmo e a boa fase faz o atacante acreditar que ainda pode ser convocado para a Seleção Brasileira que disputará a Copa do Mundo. A lista de Felipão sai hoje.

Ganso, por outro lado, já disse que não tem expectativas. Esse “detalhe” simboliza a lacuna entre os colegas de clube atualmente.

GANSO X PATO

Atitude em campo
Muricy Ramalho considera Pato muito mais participativo do que Ganso. Pesa a favor do atacante o fato de o técnico tê-lo escalado em uma posição diferente da que ele vinha exercendo no Corinthians, quase como um centroavante. Muricy sempre disse que não via Pato como um 9 e o posicionou entre o meio de campo e o ataque, perto Luis Fabiano. Pato agradou. Ganso, por outro lado, já foi testado em algumas posição e ainda não rendeu o esperado.

Sem bola para o rival
Quando contratou Pato, a comissão técnica e a diretoria do São Paulo tinha em mente de que o atacante poderia precisar de um período para render o esperado. Afinal, vinha de um rival, em que viveu pressão muito negativa. No entanto, Pato foi bem na estreia e marcou gol em seu segundo jogo, contra o CSA-AL, no Morumbi. Na comemoração, explodiu com a torcida e a conquistou. Ganso veio do Santos e demorou para engrenar. E a pressão também era menor.

Bem com o Mito
Tanto Ganso quanto Pato se dão bem com Rogério Ceni. O capitão deixa claro que é fã do futebol do meia e também costuma tecer elogios ao atacante. No entanto, vale lembrar que, no Corinthians, Pato acumulou algumas polêmicas com Ceni e isso fez com que a desconfiança da torcida aumentasse em sua chegada. Ganso nunca precisou conviver com esse problema. Pato tirou de letra e já chegou a postar foto ao lado do goleiro em voo da delegação.

Presença de área
Muricy vê Pato mais agudo do que Ganso, inclusive quando o atacante precisa atuar mais na armação, como aconteceu contra o Coritiba, no sábado passado. Não à toa, marcou um gol, seu segundo pelo clube. Presença constante na área é uma cobrança de Muricy para seu camisa 10 desde os tempos de Santos. Por características, o meia privilegia os passes, mas isso já tem incomodado o treinador. Ganso ainda não marcou jogando com Pato no time.

Fonte: Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*