O impasse entre Muricy e Cotia: bronca em Boschilia incomoda diretoria

A bronca pública do técnico Muricy Ramalho no jovem meia Gabriel Boschilia, de 18 anos, serviu para mostrar que ainda existe a rusga entre o treinador e o trabalho feito nas categorias de base do clube. Não pela reclamação pública, ainda no gramado, segundos após o apito final. Mas pelo discurso de Muricy depois da partida, dizendo que “aqui não é Cotia”. A declaração e a bronca em Boschilia incomodaram a diretoria, que reprovou a atitude e teme que isso atrapalhe o desenvolvimento dos jovens atletas.

A cúpula do São Paulo espera que Muricy repense o comportamento. O vice-presidente de futebol Ataíde Gil Guerreiro conversaria com o treinador a respeito do caso nesta terça-feira. A ordem era levar as impressões do técnico para o presidente Carlos Miguel Aidar.

As preocupações são distintas. Muricy toca num vespeiro ao resgatar a crítica a Cotia, tão presente entre 2006 e 2009 e ausente desde o retorno do técnico, em outubro de 2013. A diretoria avalia que o “aqui não é Cotia” desmerece todo o trabalho feito na base, que é considerada pelo clube como o grande diferencial entre o São Paulo e seus rivais. É tanta a importância do centro de formação de jogadores que o ex-presidente Juvenal Juvêncio se tornou o diretor de futebol amador, responsável pela base, após ser sucedido por Aidar.

Na declaração, Muricy ainda falou que os jogadores recém promovidos da base demonstram falta de concentração, o que reforça a insatisfação dos dirigentes: “Aqui não é juvenil, não é amador, é profissional! […]Aqui não é Cotia, não. Ele não está em Cotia! O negócio aqui é grande. Não pode entrar tão desligado. A bola está lá e ele está em cima do Pabón fazendo o quê? Os meninos que saem de lá precisam estar mais concentrados, não pode entrar mais ou menos. Tem de ser ligado”, falou o treinador na Arena Barueri, domingo. Se o que foi dito na entrevista coletiva desmerece o trabalho, a bronca filmada pelas câmeras, para a diretoria, inibe a evolução de outros jogadores.

“Pisou na bola”, disse um importante dirigente do São Paulo sobre a postura de Muricy. O temor é que outros jovens se afetem pela bronca pública. Um ano e meio depois de vender Lucas ao Paris Saint-Germain (FRA) por R$ 116 milhões, o São Paulo é o clube que mais levou convocados à seleção brasileira sub-21 que disputará o Torneio de Toulon, na França, nas próximas semanas. Os sub-21 de 2014 formam a base da seleção sub-23, de 2016, que disputará os Jogos Olímpicos no Brasil. O zagueiro Rodrigo Caio, o lateral Auro, o meia Lucas Evangelista e o atacante Ademilson foram convocados.

O São Paulo, historicamente, trata com muito zelo os jogadores revelados em Cotia – comportamento intensificado por Juvenal Juvêncio entre 2006 e 2014. A avaliação é que atualmente o clube tem uma das melhores safras de jovens jogadores entre os profissionais. Além dos quatro convocados para a seleção sub-21 e do próprio Boschilia, o zagueiro Lucão, o atacante Ewandro e até o goleiro Lucas Perri são vistos como jogadores de imenso potencial e que poderiam ser desperdiçados por um treinador que pode, mais uma vez, não olhar o trabalho da base com bons olhos.

Incomoda, também, que Muricy só cobre os jogadores mais novos e menos experientes, como Boschilia e Ademilson – este frequentemente criticado pelo técnico pelos erros de finalização – e não faça as mesmas reclamações públicas em casos como os períodos de seca de Paulo Henrique Ganso ou erros de outros atletas mais velhos, como Luis Fabiano e Alvaro Pereira.

Apesar das ressalvas colocadas pelo comportamento de Muricy no tratamento a Boschilia, a diretoria do São Paulo mantém o discurso de Aidar: o treinador só deixará o clube se quiser e jamais será demitido. As palavras foram ditas pelo presidente desde o início de sua campanha presidencial e são repetidas até agora.

7 JOVENS QUE MURICY NÃO APROVEITOU. E ESTOURARAM…

Marco Antônio

 

AFP PHOTO / Jefferson BERNARDES

 

Meia começou a temporada de 2005 como titular do São Paulo, mas acabou perdendo espaço para Danilo. Foi emprestado ao Santo André e dispensado quando voltou, com 21 anos, em janeiro de 2006, em meio à montagem do primeiro time de Muricy Ramalho ao assumir o clube campeão mundial. Passou por Juventude, Sport, Criciúma e Vitória antes de chegar à Portuguesa e ao Grêmio, onde viveu os melhores momentos da carreira. Hoje atua no Figueirense.

Rafinha

 

Site oficial do Coritiba

 

Contratado pelo São Paulo após impressionar nas categorias de base da Portuguesa, poderia ter sido usado por Muricy Ramalho em todas as temporadas entre 2006 e 2009. Mas isso nunca aconteceu. Foi emprestado ao Grêmio em 2006, com 22 anos, e passou por São Caetano, Goiás e Paraná, ainda emprestado, até chegar ao Coritiba, em 2010, quando fez sua melhor temporada. Quando o São Paulo o quis de volta após o empréstimo, ele assinou com o Coritiba e saiu de graça. Depois, Palmeiras e Atlético-MG tentaram sua contratação, sem sucesso. Hoje atua no Al-Shabab (EAU).

Diego Tardelli

 

PEDRO VILELA/AGÊNCIA I7/ESTADÃO CONTEÚDO

 

Atacante revelado pelo São Paulo também não cativou Muricy. Após voltar de empréstimo ao Real Betis (ESP), em 2006, teve mais dois empréstimos permitidos: foi para o São Caetano e, depois, para o PSV Eindhoven (HOL). Quando voltou, no segundo semestre de 2007, com 22 anos, foi reintegrado ao elenco que conquistou o Brasileirão. No fim da temporada, no entanto, foi descartado e negociado com o Flamengo. Depois do rubro-negro carioca, Tardelli sairia para o Atlético-MG e chegaria à seleção brasileira.

Oscar

 

AP Photo/Tom Hevezi

 

Foi talvez aquele que mais rendeu críticas a Muricy por não ser escalado com frequência, e era o mais jovem de todos os casos. Teve raras oportunidades entre 2008 e o fim de 2009, quando, com 19 anos, acionou a Justiça para se transferir ao Internacional e jogar constantemente. Hoje joga no Chelsea (ING) e é titular da seleção brasileira.

Hernane

 

Alexandre Vidal/Fla Imagem

 

O Brocador, hoje referência do Flamengo, passou anos na categoria de base do São Paulo sem ser utilizado. Muricy podia ter utilizado o atacante desde 2007, mas ele nunca chegou aos profissionais. Foi emprestado a clubes menores até se destacar em 2012, pelo Mogi Mirim, um ano depois de sair do São Paulo.

Geuvânio

 

Adriano Vizoni/Folhapress

 

Descartado por Muricy Ramalho no Santos, o atacante virou joia de Oswaldo de Oliveira ótima campanha da primeira fase do Paulistão de 2014. Com o treinador do São Paulo, foi emprestado ao Penapolense e teve sua venda permitida.

Felipe Anderson

 

AP Photo/Alik Keplicz

 

Por vezes criticado por Muricy Ramalho, chegou a ser chamado de “projeto de jogador”. Apesar de ser utilizado no Santos, convivia com as ressalvas de Muricy. Hoje joga na Lazio (ITA).

 

Fonte: Uol

19 comentários em “O impasse entre Muricy e Cotia: bronca em Boschilia incomoda diretoria

  1. Uma dúvida: quem deveria ser o técnico do São Paulo?

    Qual seria uma opção melhor que atende a tudo que as pessoas querem? Bom estrategista, bom com jogadores de base, carreira vitoriosa para não ser uma aposta, bom montador de elenco, não retranqueiro…?

    Alguém que seja possível, nenhum Guardiola vai sair da Alemanha pra ganhar em reais, viver no trânsito e insegurança de São Paulo.

  2. Meus amigos:
    dizer que da lista apresentada na reportagem apenas o Oscar se deu bem, é forçar demais a barra. O Tardelli é ótimo, jogador muito acima da média no futebol; ainda faltaram alguns nesta lista apresentada, como o Thiago Ribeiro, que o Murici “expulsou” para a Ucrânia, se não me engano.
    Me perdoem os amantes do Murici, mas ele é muuuito ruizinho . . .
    O que ele mais sabe é pedir jogadores; quando o clube contrata, ele não sabe o que fazer com eles.

  3. A verdade é uma só: Muricy tem um discurso de que “aqui é trabalho”, mas é preguiçoso como a maioria dos treinadores e não quer desperdiçar seu tempo com jogadores da base.
    Jogador da base dá trabalho, precisa ser trabalhado, no começo irá atuar uma bem e duas ou mais ruins, mas na medida em que vai ganhando confiança vai mostrando sua capacidade.
    Mas ele prefere, por exemplo, um Luís Ricardo na lateral direita dele afundando o time, não apoiando e não marcando ninguém, a ter o garoto Auro lateral, por este ser supostamente inexperiente e para ‘proteger’ o garoto. Mais ou menos como sempre fez e falou nos casos dos jogadores Oscar, Hernanes (o meia), Rafinha, Lucas e Casimiro (estes três últimos nem chegaram a ter chances com ele, apesar de treinarem no profissional) e como faz com Evandro, Boschilia, Auro, entre outros que sempre irá fazer.
    Alguém sabe me dizer, por exemplo, se Auro entrar no time e atuar mal numa partida, conseguirá ser pior que o Luís Ricardo? Impossível…
    Então, não tem explicação para a motivação de não deixar o menino jogar. Protegê-lo tanto não faz sentido, pois na medida em que não o deixa jogar, você está prejudicando a carreira dele do mesmo jeito que se o deixasse jogar e atuasse mal.
    Na realidade, as revelações de Muricy nunca foram planejadas, ou foram legados/imposição (como Jean, Rodrigo Caio e Ademílson), ou foram necessidades emergenciais (casos de Breno e Hernanes) que acabaram dando certo na primeira partida como titulares.

    • No caso o errado não seria o São Paulo de contratar um treinador que não gosta de usar jovens?
      Se a política do Tricolor é usar Cotia, deveria adequar a direção técnica a essa política. Um detalhe: Ney Franco é um cara que trabalha com jovens, inclusive na seleção brasileira. Ele não fez muito diferente do Muricy.
      Talvez exista muita propaganda em cima de Cotia e dos caras que estão aí e que na verdade, quando o treinador olha a qualidade, fica numa saia justa e prefere não usar. Já pensou por esse lado?

      • Raphael, concordo com você.
        Só não sei se é a qualidade de Cotia ou algo interno dentro do clube.
        Mas, de qualquer modo, ainda acho que o problema não é a qualidade de Cotia.
        Lembro do Oscar jogando pelo São Paulo, foi ridículo. Ele era ruim? Para o Muricy era e não deixou mais o menino jogar. O tempo provou que alguém estava errado nessa avaliação.
        Como eu falei, se você não der tempo ao tempo, e insistir com o jogador, você pode estar fazendo besteira, mais do que preservando o garoto de atuar.
        Muricy havia feito o mesmo com Hernanes e quase dispensou o jogador em 2007.
        Lembro ainda que Lucas, que também foi preterido tanto por Muricy e ainda mais pelo Ricardo Gomes, quando começou pelo São Paulo, em 2010, já com Sergio Baresi, fez uma ou duas partidas memoráveis e outras 10 pífias. Mas foi engrenando, ganhando confiança do elenco e deu certo. Rendeu mais de R$ 80 milhões aos cofres do clube.
        E Lucas não podia jogar com Muricy e Ricardo Gomes num time que tinha Cléber Santana, Léo Lima, Renato Silva, Marcelinho Paraíba, Marlos, Fernandão, Carlinhos Paraíba, entre outros. Pode???
        Na primeira avaliação, a grosso modo, pode ser até que o problema pareça a qualidade de Cotia, mas alguns exemplos vem provando que não. O clube contrata peças muito piores do que vem de Cotia.

        • Mas não fica um papo de maluco quando ele, por ,exemplo insiste com o Ademílson (que é um monstro no sub-21 e um coitado no profissional) e todo mundo critica de monte?
          As críticas acabam entrando nesse círculo vicioso de “tem que apostar na base”, “tem que tirar o Ademílson e Rodrigo Caio”.

          Ninguém corneta o Boschilia, Lucão e Ewandro ainda justamente porque eles jogaram poucos jogos. Dê-lhes mais oportunidades e é MUITO provável que as cagadas normais de jovens vão aparecer, e junto com elas as críticas. Está aí o Lucas Evangelista e aquele moleque que veio do Botafogo (João Felipe) que são a prova cabal.

  4. O repórter diz que o alheia estourou e depois dá uma lista de clubes em que ele foi dispensado. Exceção feita ao Oscar, que teve algumas chames mal aproveitadas e resolveu decidir na malandragem, e Hernane (dispensado por Cotia, não pelo técnico) os outros eram jogadores fracos que evoluíram um pouco muito tempo depois de deixar o clube.

  5. Não to aqui pra defender o Muricy, acho que ele acerta e erra como todos, mas desses que a matéria tendenciosa cita que “estouraram” só o Oscar que pode-se dizer que se deu bem. O resto nao deu em nada, alguns ja estao com quase 30 e se falar o nome nem aqui no Brasil tem gente que sabe quem é.

    • Marco Antônio cansou de ter chances no São Paulo e nunca vingou, em lugar nenhum, nem na Lusa nem no Grêmio. Hoje está no Figueirense, isso já diz muita coisa.

  6. Técnico mediocre que não tem capacidade de formar um jogador é assim. O que esse sortudo quer é só medalhão para ele disfarçar o péssimo trabalho que faz, principalmente em armar esquema tático, coisa que ele é um desastre. Esse treineiro só foi campeão com times prontos e cheio de medalhões, quando perde ele culpa o elenco quando ganha ele é um gênio, como acham as Muricetes que amam esse enganador mais do que o clube.

    • Então não reclame no próximo jogo quando o Ademílson chutar uma bola na lua, nem do Rodrigo Caio quando tentar sair com a bola e dar no pé do atacante adversário.

      Qual é a lógica em criticar o treinador que prefere jogadores consolidados e ao mesmo tempo não ter paciência com o aprendizado dos jovens?

      É muito raro ter um jovem como o Neymar que sai do júnior para o profissional sem cometer muitos erros. Infelizmente é assim que as coisas são.

      • Sai pra lá MURICETES, seu amor é fraco mesmo e seus argumentos para defendê-lo é ridículo. Se dependesse desse jumento que vc ama, o Lucas e o Casemiro estariam ainda em Cotia ou em times pequenos, talvez até rescindido com o Spfc.
        Técnico preguiçoso que só quer medalhão para ele não ter trabalho, mesmo assim ainda fica todo perdido para montar o time.

        • Larga os pompom cornetinha!!!

          O problema do SPFC não é técnico, aliás se puder trazer Guardiola, Ancelloti ou Mourinho aí sim podemos trocar…

          Esse aí de pompom deve estar com saudades do Ney Fraco!!!

        • Alexandre, argumento bom pra você é espernear e gritar Muricete e jumento?

          Se dependesse de qualquer torcedor do São Paulo o Casemiro teria sido vendido pelo menos 6 meses antes do que foi, ninguém aturava a falta de vontade dele. Foi o Muricy que inventou o apelido “Casemarra” também?

  7. Acho q a bronca do Muricy,ñ foi desprestigiando o trabalho feito em cotia ,mas sim,para que a molecada encare o futebol de maneira mais concentrada,sem entrar desligado,apenas isso,ñ precisa essa tempestade toda,querem fazer polêmica e criar atrito dentro do grupo,para que o time ñ vá bem nos campeonatos,sempre assim,contra tudo e contra todos.

  8. Destes ai o unico que virou jogador de alto Nigel foi o Oscar , e Estacao sendo aproveitado , no ano em que ele ia estourar fio roubado do São Paulo , ancho questions o problema de Cotia estana transição do sub 17 para o sub 20.

    Na minha opinião o jogador que passar para o sub20 ja tem que começar a ser cobrado combo no profissional, o technicolor tem que ser algum nome que ja atuou em clube de primeira divisão
    E tem que ser cobrados por resultados , ai a differença diminui entre a base e o profissional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*