Ney vê boas atuações, mas avanço só no 2º turno da liga “traiçoeira”

Há uma semana, o São Paulo via os confrontos contra Fluminense e Grêmio, ambos entre os quatro primeiros colocados do Brasileiro, como atalhos para entrar na zona da tabela que dá vaga na Libertadores. Mas foram duas derrotas e o time, agora, ocupa o sétimo lugar, a seis pontos da faixa de classificação ao principal torneio das Américas. A três rodadas do fim do turno, Ney Franco adia a projeção de subida.

“O Campeonato Brasileiro é muito traiçoeiro, difícil”, constatou o técnico, que enxergou “bom desempenho técnico” da equipe nas duas últimas rodadas. “O que nos cabe é tentar continuar jogando bem, mas com mais competência ofensiva. Estão pesando alguns detalhes, principalmente os ofensivos”, avaliou.

O avanço ficará para a segunda metade da liga nacional. “São duas derrotas que atrapalham a arrancada que gostaríamos de fazer no Brasileiro, vemos o líder e o vice-líder distanciar (a 13 e dez pontos, respectivamente). Mas não podemos desistir do campeonato. Precisamos procurar o resultado, fazer o nosso papel para, pelo menos, fechar o primeiro turno tentando dar uma recuperada.”

Djalma Vassão/Gazeta Press

Técnico contabiliza os prejuízos das derrotas nos confrontos diretos pelo G-4 diante de Fluminense e Grêmio

Embora não admita publicamente, o treinador já pensa em mudar o foco para a Sul-americana, que dá ao campeão a vaga na Libertadores considerada pela diretoria uma obrigação. O Tricolor ainda está em fase preliminar da competição e avançará para a etapa internacional se não perder para o Bahia por mais de um gol de diferença no dia 21, no Morumbi.

 

“Paralelamente, temos a Sul-americana, na qual temos que entrar forte. Ainda é cedo para falar em priorizar, talvez no futuro chegue a uma definição. Não se pode dar ao luxo de abandonar o Brasileiro. No momento, dá para nos mantermos nas duas competições”, insiste Ney Franco, sem esconder seu lamento.

“Contra o Fluminense, em alguns momentos fomos melhores em campo. Contra o Grêmio, fomos superiores o tempo todo. Dentro dessa superioridade, criamos oportunidades e a bola não entrou. E futebol é colocar a bola dentro da rede. O Grêmio teve mais competência”, reconheceu, assumindo adotar, a partir de agora, um discurso pronto.

“Em uma competição como essa, a nossa fase é de buscar regularidade e o princípio básico é ganhar em casa. Falhamos, então a fala agora é de recuperar os pontos na quarta-feira diante do Náutico”, afirmou o comandante.

Fonte: Gazeta Esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*