Ney Franco diz que deixa São Paulo se achar que atrapalha

“É constrangedor eu ter de me defender aqui”. Ney Franco resumiu assim o que sentia após a derrota por 1 a 0 do São Paulo diante do Goiás nesta quarta-feira. O treinador afirmou que não queria ser advogado dele mesmo e ainda avisou que, se detectar que ele é o problema para o elenco, ele será o primeiro a entregar o boné para a diretoria.

“Tem de saber avaliar. Se eu chegar a uma definição que sou problema, sou o primeiro a dar o boné. Não quero atrapalhar o São Paulo. Acho que o problema não é treinador. É ruim chegar aqui e ser meu próprio advogado. Quando tem o insucesso é um pouco de cada coisa. Não quero ficar discutindo a minha situação. Hoje estou como treinador, mas o cargo é do clube. Tenho firmeza em continuar, é opinião minha. Mas eu sei que não sou que tomo decisão. É constrangedor ficar aqui me defendendo”, disse ele.

Na saída dos vestiários, o vice-presidente Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco, afirmou que entende os protestos da torcida, mas que acredita que Ney Franco tem suporte para continuar trabalhando.

A derrota desta noite foi a primeira do time no Campeonato Brasileiro e já terminou em protestos da torcida dentro e fora do estádio. Os são-paulinos chegaram, até, a pedir Muricy Ramalho, recentemente demitido do Santos e tricampeão brasileiro defendendo a equipe do Morumbi. Lúcio, Juan, Denilson e Luis Fabiano foram os alvos do protesto no portão do estádio logo após a partida.

Apesar de todo tumulto, Ney Franco afirmou que tem segurança de que continuará no cargo e que pode manter o desenvolvimento de seu trabalho.

“Sei que não me atrapalha em nada os gritos. Tenho força suficiente para desenvolver meu trabalho e recuperar os pontos perdidos hoje (diante do Goiás) no jogo contra o Grêmio. A única forma de não provocar esse tipo de reação é ter resultados e desempenho dentro de campo. Meu papel é recuperar a equipe para o jogo contra o Grêmio”, disse ele.

O São Paulo se reapresenta na manhã desta quinta-feira no CT da Barra Funda e terá seis dias para trabalhar o time para enfrentar o Grêmio, na quarta-feira, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

 

Fonte: Folha SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.