Ney Franco diz que Ceni será bom técnico e não teme ser demitido por peitar ídolo

Ney Franco quer encerrar de vez o episódio envolvendo Rogério Ceni. O técnico disse que fez uma reunião com todo o grupo para definir os papeis de cada um no trabalho e negou qualquer problema de relacionamento com o ídolo, além de fazer diversos elogios ao camisa 1. Em sua visão, o grupo sai fortalecido e ele não vê seu emprego sob risco.

O treinador disse que a reunião que costuma fazer após os jogos e que ocorreu na última quinta-feira teve um tópico sobre o ‘assunto Ceni’ que durou apenas cinco minutos.

“Foi uma abordagem muito direta. Foi curta, objetiva, sem ficar fantasiando. Redefinimos o papel de cada um no nosso trabalho: o meu, dos jogadores, da comissão técnica, assessoria de imprensa, diretores, tudo bem desenhado e específico”, disse.

Ney ainda ressaltou que em nenhum momento ficou chateado pela exposição porque não tem vaidade e que não teme perder o emprego por peitar um ídolo como Ceni.

“Minha postura era segura porque não tenho medo de perder emprego. Não vim trabalhar no São Paulo pensando que tenho tomar uma atitude pois posso sair. Sei muito bem minha função de treinador, da diretoria do clube e a mesma coisa na relação com os jogadores. Cada um na sua área, em qualquer empresa é assim. No momento em que começa a confundir, entrar na área do outro, sei me posicionar na minha profissão”, afirmou o treinador.

Ney Franco fez questão de elogiar Rogério Ceni tanto pela questão técnica, quanto pelo seu caráter. Ele considera que o goleiro tem perfil para ser treinador e disse que é a favor de uma renovação de contrato porque ainda tem ‘lenha para queimar’.

“Ele tem perfil para liderança, claro que precisa da prática. Não sei se já pegar equipe profissional, mas tem todo perfil para ser um grande treinador. Não sei se vai se aventurar por esse caminho. É um caminho difícil, especialmente em times da Série B, C e por aí abaixo. Quando terminar sua carreira, se tiver paciência para fazer a transição, tem totais condições”, analisou.

O comandante considera que o grupo sai ainda mais fechado para buscar a vaga na Libertadores. “O grupo só vai sair fortalecido porque são pessoas que estão só querendo bem do São Paulo. Se alguém tiver algum problema, esse profissional estará fora do processo. Não é caso do Rogério, nem meu, o objetivo é recolocar o São Paulo na Libertadores”, disse.

Na quarta, durante o segundo tempo do empate por 0 a 0 com a LDU de Loja, Rogério praticamente implorou pela entrada de Cícero, pois queria um homem de referência na área, mas Ney Franco optou por colocar Willian José em campo, fato que deixou o goleiro desesperado.

Após o duelo, o técnico reprovou a atitude de seu capitão e gerou um mal-estar no ambiente são-paulino.

“Não aprovo, acho que é cada um na sua, cada um fazendo sua função. Se eu achasse que o Cícero tivesse que entrar, eu colocaria, então eu não aprovo”, explicou um irritado Ney Franco logo após o jogo.

De acordo com João Paulo de Jesus Lopes, vice-presidente de futebol do clube, uma reunião entre Rogério e Ney Franco ainda na quarta teria esclarecido a polêmica e encerrado o assunto.

Fonte: Uol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*