Muricy joga contra estigma do mata-mata, que o derrubou em 2009

Muricy Ramalho conquistou entre 2006 e 2009 três títulos do Brasileirão e os motivos pelos quais é idolatrado pela torcida são-paulina. No mesmo período, acabou rotulado como técnico que tinha dificuldade em competições eliminatórias, de mata-mata, e acabou demitido exatamente após o quarto fracasso seguido na Copa Libertadores, apesar de todo o sucesso no campeonato nacional. Nesta quarta-feira, de volta ao São Paulo, Muricy terá a chance de dar mais um passo na tentativa de acabar com o rótulo desfavorável se vencer o Atlético Nacional (COL), em Medellín, na decisão das quartas de final da Copa Sul-Americana.

Foram sete eliminações internacionais de Muricy Ramalho pelo São Paulo na passagem em que se sagrou tricampeão brasileiro. Quatro vezes na Libertadores, sendo uma delas na final, em 2006, duas vezes na Sul-Americana, e uma derrota na Recopa Sul-Americana, em 2006. O desempenho do treinador no mata-mata chegou a ser motivo de críticas internas ainda antes de sua demissão. Muricy nunca aceitou o rótulo e contestava questões sobre o tema, quando abordado.

Sua demissão, em 2009, se confirmou exatamente após o sétimo fracasso internacional – quarto na Libertadores. A derrota para o Cruzeiro, nas quartas de final do torneio, selou o fim da passagem que fez do São Paulo hexacampeão brasileiro. Muricy se despediu do clube dois dias depois da derrota por 2 a 0 para o clube mineiro.

Desde então, carregou consigo o esquema de ser incontestável nos pontos corridos e ruim nas eliminatórias. No Palmeiras, não conseguiu repetir o sucesso no Brasileirão. No Fluminense, ficou com o título. Mas foi no Santos que Muricy derrubou o estigma: venceu duas vezes o Paulistão (2010 e 2011) após ultrapassar os rivais no mata-mata, ganhou a Libertadores (2011), que tantas vezes perdeu, e ficou com o título da Recopa Sul-Americana do ano seguinte.

Agora, no São Paulo, Muricy faz trabalho que se mostra excelente na análise de aproveitamento, salvou o clube do inédito rebaixamento para a Série B do nacional e ainda terá a chance de conquistar uma competição internacional em fórmula de mata-mata.

Se conseguir derrubar o estigma que o derrubou em 2009, Muricy ainda conquistará vaga para o São Paulo na próxima edição da Copa Libertadores, em 2014.

Nesta quarta-feira, às 21h50 (horário de Brasília), o São Paulo entra em campo para tentar chegar às semifinais do torneio. O técnico não poderá contar com Paulo Henrique Ganso, suspenso, e deverá promover o retorno de Luis Fabiano ao time titular. Com a vitória parcial por 3 a 2, o São Paulo leva vantagem e avança às semifinais caso vença, empate por qualquer placar, ou perca por diferença de apenas um gol marcando três vezes ou mais.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO NACIONAL-COL X SÃO PAULO

Local: Atanasio Girardot, em Medellín, Colômbia
Data: 6 de novembro de 2013, quarta-feira
Horário: 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Enrique Osses (CHI)
Assistentes: Carlos Astroza (CHI) e Sergio Román (CHI)

ATLÉTICO NACIONAL: Armani, Calle, Henríquez, Murillo e Díaz; Medina, Mejía e Valencia; Bernal, Cárdenas e Uribe (Ángel). Técnico: Juan Carlos Osorio

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Paulo Miranda, Rodrigo Caio e Antônio Carlos; Douglas, Denilson, Maicon, Jadson e Reinaldo; Aloísio e Luis Fabiano.Técnico: Muricy Ramalho

 

Fonte: Uol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*