Michel faz as pazes com a torcida, mas Centurión é alvo de vaias

Em meio à feliz noite que teve o torcedor são-paulino, o meia Michel Bastos foi talvez o nome que mais aproveitou o bom humor dos presentes ao estádio do Morumbi. Seguidamente vaiado devido ao mau desempenho nesta temporada e a um gesto feito em direção aos torcedores no ano passado, quando pediu para o setor das organizadas do local fazer silêncio ao marcar o terceiro gol da vitória sobre o Sport, ele recebeu só aplausos nesta terça-feira.

“Essa é a cara do São Paulo, é o que a torcida quer e o que nós queremos. Nós temos trabalhado pra mostrar um bom futebol”, afirmou o jogador, aplaudido desde que teve seu nome anunciado no alto-falante do estádio e praticamente ovacionado ao correr atrás de uma bola quase perdida, conseguindo um escanteio.

“Sempre procurei dar meu melhor para mostrar que sou importante. O time me coloca essa responsabilidade, a torcida me cobrou um pouco por isso. Tenho que dar meu melhor para mostrar a importância que tenho para o time, simples. Espero continuar trabalhando e sendo importante”, completou o armador, que só ouviu vaias a um companheiro: o argentino Centurión.

Anunciado como membro do banco de reservas após uma ausência de dois jogos, o avante foi o único que ouviu críticas da torcida. Ainda que o jogo estivesse resolvido, ele não recebeu uma chance de Bauza para tentar se redimir frente os são-paulinos. O escolhido para entrar foi o garoto Lucas Fernandes, com participação discreta.

Por outro lado, Lucão, afastado desde as derrotas para Corinthians e Strongest, entrou na vaga de Rodrigo Caio e conseguiu até uma assistência. No sexto gol, o quarto de Calleri, foi ele o autor do lançamento que colocou o centroavante cara a cara com o arqueiro Pérez.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*