Leco vê milagre na venda de Maicon e admite que SP não é mais modelo

As críticas à diretoria do São Paulo têm se acumulado a cada resultado negativo do time, na 16ª colocação do Campeonato Brasileiro, ou jogador vendido. O último foi Thiago Mendes, na manhã desta sexta-feira. Alvo principal da ira tricolor, o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva recebeu a reportagem do GloboEsporte.com e da TV Globo na tarde de quinta, quando a negociação do volante ainda estava prestes a ser concluída.

Em sua sala, no Morumbi, Leco admitiu que o clube não é mais modelo de gestão, como disse Raí, falou da dificuldade de segurar atletas, mas se disse convencido de estar melhorando o elenco do São Paulo com as contratações recentes. Entre os 22 que saíram só nesses primeiros meses de 2017, estão titulares como David Neres, Luiz Araújo, Maicon e Thiago Mendes, além de promessas como Lyanco. Os últimos dos 15 reforços foram Arboleda, Gomez e Petros, mas antes haviam chegado Pratto e Jucilei, protagonistas de mais essa reformulação.

Na entrevista abaixo, Leco deixa portas abertas para mais chegadas e partidas, volta a pregar a utilização de jogadores das categorias de base, fala sobre o futuro do zagueiro Lucão, do “milagre” que foi a venda de Maicon (o turco Galatasaray pagou R$ 29,3 milhões) e pede um elenco que sofra nas derrotas para crescer no Brasileirão:

Por que o São Paulo deixou de ser aquele modelo de gestão, copiado por rivais, e vive quase uma década sem conquistas, com riscos de queda?
Há uma década éramos tricampeões brasileiros. Fomos campeões em 2006, 07 e 08. Em 2005 ganhamos a Libertadores, o Mundial e o Paulista. De lá para cá, ganhamos um único título, a Sul-Americana, no dia 12 de dezembro de 2012. É óbvio que uma gestão atribulada, perturbada (se refere à gestão de Carlos Miguel Aidar, entre abril de 2014 e outubro de 2015), retira confiança, autoridade, naturalidade. Afeta todos os segmentos, em especial o futebol, a verdadeira razão de ser do São Paulo.

Em 2013, tivemos duas visitas à zona do rebaixamento, e temi muito na segunda, mas conseguimos sair. Em 2016 tivemos perto novamente. Agora estamos vizinhos dessa zona do rebaixamento, mas num momento ainda recente do Campeonato Brasileiro, com perspectiva muito clara de recuperação. Isso passa por avaliações, revisões e reflexões, feitas séria e intensamente pela presidência, diretoria de futebol, comissão técnica e pelo Rogério Ceni. A partir daí, contratamos jogadores, admitimos a saída de outros, sempre buscando melhorar o potencial do elenco. Estou convencido disso.

Leco em sua sala no estádio do Morumbi (Foto: Marcelo Hazan)

Leco em sua sala no estádio do Morumbi (Foto: Marcelo Hazan)

O São Paulo não consegue segurar jogadores hoje?
É muito difícil segurar jogadores, desde sempre. O empregado insatisfeito ou atraído por outra proposta tende a se voltar para esse projeto. É natural pensar no que possa representar valorização. Quando o jogador é atraído por isso, você resiste até certo ponto, na medida da racionalidade, mas chega uma hora e diz: “Se eu não vender, perco o jogador de qualquer jeito”.

Ouvi de uma das maiores figuras do futebol do São Paulo, que é o Ganso: “Presidente, falta um ano e meio para o fim do contrato e meu sonho é ir. Se o senhor não me liberar agora, daqui a um ano eu vou embora de graça e o senhor não vai ganhar absolutamente nada”. Ele não falou em tom de ameaça, simplesmente conversou comigo. O Kaká fez isso em 2003, quando foi embora. O jogador atraído pela perspectiva de desenvolvimento, ganho de projeção e notoriedade, por vaidade, você não consegue controlar.

É por isso que eles saem cada vez mais jovens?
Certamente, não é um fenômeno só daqui. O futebol europeu se atrai pelos jovens. E conseguimos um verdadeiro milagre, negociar muito bem um jogador de 29 anos, que é o Maicon.

E essa renovação do elenco vai continuar?
Sempre há mais gente que pode sair e chegar. O São Paulo tem uma dinâmica permanente. Claro que isso não pode afetar projetos pontuais e específicos, a formação da equipe. Mas se a avaliação indica que a performance não é satisfatória, obriga a fazer alguma coisa. Se alguns jogadores não se adequaram, não se deram bem, quiseram sair e saíram, preciso fazer reposições e ajustes para tornar mais forte. Então pode acontecer alguma perspectiva de saída ou vinda de jogadores. Contratamos seis nos últimos 30 dias, mais ou menos.

Conseguimos um verdadeiro milagre, negociar muito bem um jogador de 29 anos, que é o Maicon

E o Lucão, vai sair?
Estamos esperando uma definição de fora.

Da Alemanha?
Sim.

Está perto?
Estamos esperando. Uma pessoa conversou com o lado de lá e estão estudando nos fazer uma proposta. Não tenho dúvida que esse menino tem muita qualidade de jogo, muito futebol. Ele precisa de novos ares.

Leco esteve com o diretor de futebol Pinotti no treino desta sexta-feira, no CT da Barra Funda (Foto: Marcelo Prado)

Leco esteve com o diretor de futebol Pinotti no treino desta sexta-feira, no CT da Barra Funda (Foto: Marcelo Prado)

A multa ao Lucão foi pela declaração?
Ele foi infeliz, mas eu compreendo isso. Eu ouso pretender entender um pouco do ser humano e de suas reações. Com cabeça quente, adrenalina, provocações e vocês (jornalistas) são muito hábeis para obter pronunciamentos e manifestações. Ele falou aquelas coisas todas e simplesmente convenceu a todos, inclusive a ele, que a melhor coisa é respirar outros ares. Os dois lados chegaram a essa conclusão. Buscamos fazer as coisas de forma respeitosa e civilizada.

Nesses seis primeiros meses de 2017, 22 jogadores saíram do São Paulo e 15 chegaram. Não é muita coisa?
Não sei dizer se é muita coisa. São circunstâncias. O João Schmidt está saindo porque desejou. Há um ano e meio tentamos renovar o contrato dele, até nos convencermos de que era impossível. Outros saem em negociações, outros porque não se ajustaram perfeitamente ao São Paulo. Às vezes você contrata um jogador bem-intencionado e não dá certo. Nos anos 50, os grandes tinham uma estabilidade de elenco. Hoje não existe mais. É a dinâmica do fenômeno social, demográfico. Temos de respeitar e nos ajustar.

Esse entra-e-sai de jogadores não é uma realidade de hoje.
Não é de hoje. O Careca um dia foi embora, nosso maior centroavante. O Serginho. Gerson veio e foi embora. Zizinho. O Mauro foi embora, na minha opinião o melhor zagueiro da humanidade, minha paixão como jogador. Recentemente, o Raí foi embora. O Ganso foi embora. E é assim.

Leco e Luiz Araújo quando o São Paul renovou o contrato da promessa da base, vendida para o Lille, da França (Foto: Ivan Altman / saopaulofc.net)

Leco e Luiz Araújo quando o São Paul renovou o contrato da promessa da base, vendida para o Lille, da França (Foto: Ivan Altman / saopaulofc.net)

O São Paulo tem dito que está planejando 2018 e 2019. Com esses reforços, pode-se esperar que o fluxo de negociações diminua?
O projeto é diminuir, mas não pode diminuir a ponto de inexistir. Até porque tenho uma meninada subindo. Tenho o Brenner, o Marquinhos Cipriano, um jogador excepcional da base.

Dizem que a Lazio está interessada nele.
Claro que está, cansei de ouvir. Não especificamente da Lazio, mas essa formação de jogadores é farta em nosso país. Assim como surgiram Neymar, Pelé, Gabriel Jesus. Esse processo de informatização e abertura das informações permite saber tudo que acontece.

Há outros jogadores já com certo destaque na base?
Temos dois meninos na seleção sub-17 (o lateral-esquerdo Weverson e o volante Rodrigo Nestor). O Weverson já treinou na Barra Funda. Tomamos esses cuidados baseados no conceito filosófico de aproveitar a base. Precisamos abrir espaço para eles porque um menino vai bem, bem, bem, ganha e aspira. Chega lá em cima e tem um muro. Não quero vendê-lo, mas não dou a ele possibilidade de se desenvolver na própria equipe. E a passagem é complicada, mexe com o emocional, com a característica de cada um. Atrás do jogador tem a figura humana.

O Raí disse que o primeiro passo do crescimento do São Paulo é admitir que não é mais um modelo de gestão. Você concorda?
Sim. Passamos por um processo traumático e estamos reencontrando toda a estrutura e a ética do São Paulo. Tudo o que há de referência para seguir. O São Paulo está ajustado na sua estrutura de administração por uma reformulação, modernização. O São Paulo não tem ninguém velho. Tem um idoso, que sou eu, mas o resto é gente nova. O segredo está aí.

A administração reflete dentro de campo. Por isso o São Paulo ficou para trás dos rivais também no campo?
Isso é relativo. Hoje, o time referência de boas apresentações é o Corinthians, e há três meses seu presidente estava para sofrer impeachment. O time dele está jogando direitinho. É bem montado, organizado e os 11 lutam. Isso é fundamental.

O São Paulo não tem ninguém velho. Tem um idoso, que sou eu, mas o resto é gente nova. O segredo está aí

É isso que você quer aqui?
Ah, sem dúvida. Não pode ser se ganhar está bom, se perder não faz mal. Quero ganhar. Se perder, sofre! Se for atrás com vigor, verdade, sinceridade de propósito, as coisas melhoram.

O que acha da possibilidade de separar o futebol do restante do clube?
Acho difícil, há uma enorme complexidade técnico-jurídica. Tem de separar o associado, o patrimônio do clube, do futebol. Eu só passei a frequentar a área social como dirigente. Vim pelo futebol. Nos anos 70 era muito comum ter gente que vinha ao São Paulo e só atuava pelo futebol. Mas tem um ano para apresentar esse trabalho (a separação do futebol) e está nas mãos de pessoas qualificadas para podemos levar essa análise à comunidade. O São Paulo tem hoje um Conselho de Administração, algo novo e raro, com figuras importantes de dentro e fora do clube. E tem um Conselho Fiscal autônomo, não de conselheiros, mas de sócios.

Fonte: Globo Esporte

4 comentários em “Leco vê milagre na venda de Maicon e admite que SP não é mais modelo

  1. A verdade é uma só, um time só segura jogador enquanto está vencendo ou no mínimo disputando títulos se não for assim não interessa ficar, não se valoriza, muitas vezes não é falta de comprometimento mas sim desânimo por correr, se desgastar, e não conseguir o resultado esperado, vejam o Pratto por exemplo, ele está voltando para buscar o jogo o que não é muito a dele com isso, se desgasta muito e não faz a contento o que sabe de melhor que é finalizar, logo a torcida começa a pegar no pé, os pseudos jornalistas (corinthianos com microfone nas mãos) tratam de criticar e o que o profissional faz? Se aparecer uma proposta de saída ele vai mesmo e ainda é chamado de mercenário.

  2. A realidade chega gentilmente e sussurra com carinho no seu ouvido, após ignorada por algumas vezes ela te dá um “Ground and Pound” sem dó.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*