Leão promete agir por melhores resultados e pede “doação de coração”

A derrota para a Portuguesa logo no jogo seguinte à eliminação na Copa do Brasil deixou claro para Emerson Leão que falta empenho em alguns atletas. Seja o fato uma reação aos protestos da torcida ou tristeza pelo segundo fracasso no ano, o técnico promete agir. E já faz um alerta geral: só com superação a situação mudará.

“Cada um tem que tirar o coração e colocá-lo em cima da mesa, doá-lo”, solicitou o treinador, deixando claro que a ação precisa ser rápida. “Quem tem que colocar na mesa, que coloque logo.” O atleta que não entendeu o recado e não reagir será sacado.

“Nossa realidade é simples e difícil. Temos que superá-la, doa a quem doer se tivermos que tomar uma atitude. Não importa que atitude, desde que melhore o resultado. Não acho, tenho certeza que ninguém faz sucesso sem vitória”, discursou o comandante.

A cobrança por “sangue nos olhos”, principal meta dos dirigentes na reformulação do elenco para este ano, ocorreu já no intervalo contra a Lusa, nesse sábado, quando o duelo estava 0 a 0. “O Leão pediu para voltarmos com mais alma no segundo tempo. Mas tomamos o gol e não fizemos”, afirmou Denilson, que deve sair mesmo com a admiração do chefe porque o Arsenal cobra sua volta – sua despedida deve ser no sábado, contra o Cruzeiro.

Ainda não há indícios de mudanças, até porque Leão não tem o apoio da diretoria e virou o principal alvo dos protestos da torcida. Mas o treinador tem alterado algumas situações. Luis Fabiano, por exemplo, já foi multado por receber cartões em excesso. E as cobranças vindas das arquibancadas são minimizadas pelo chefe, que considera tudo normal.

 

“Com um time que disputa duas semifinais, perde e volta a perder, obviamente que acontecem certas coisas. Não estamos aqui para correr de uma realidade”, falou o ex-goleiro, enfatizando que não bastará somente ele se mexer para alterar um quadro que tem gerado preocupação em todos envolvidos com o São Paulo.

“Não sou só eu, todos nós temos que participar. Iniciamos com uma conversa saudável antes de começar o jogo. Ela, após o jogo, se tornou uma realidade que temos que passar para o dia a dia e ao próximo jogo. Já disse lá em Curitiba: não estou preocupado com o que passou, mas com o futuro”, afirmou, em outro aviso explicito: chega de lamentar pela Copa do Brasil.

Fonte: Gazeta Esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*