Juan tem segunda chance de acabar com maldição da lateral esquerda

Mais do que mostrar que tem condição de voltar a ser utilizado, Juan tem outra missão no retorno ao São Paulo. Após ficar seis meses fora dos planos da diretoria e treinar separado do elenco profissional, o jogador ganha uma segunda chance para acabar com o velho problema do Tricolor na lateral esquerda. Desde Júnior, campeão mundial pelo clube em 2005, o clube não consegue engrenar um jogador na posição. Jorge Wagner e Richarlyson tiveram sucesso na função durante a era Muricy Ramalho, mas atuavam improvisados, já que eram meio-campistas de origem.

Entre entradas e saídas, passaram pela lateral esquerda tricolor nada menos que oito jogadores: os contratados Jadilson, Junior Cesar e Carleto, além dos garotos Fábio Santos, Alex Cazumba, Diogo e Henrique Miranda, todos vindos da base. Nenhum deles convenceu.

Cortez foi quem ficou mais perto disso. Contratado por sete milhões do Botafogo, chegou ao clube como solução e quase conseguiu ser. Em 2012, liderou o número de escalações, realizando boas partidas e agradando a torcida. A partir de janeiro, porém, caiu em desgraça, perdeu o lugar para Carleto e acabou afastado pela direção para procurar outra equipe.

– As comissões que passaram por aqui têm direito de fazer suas análises. Quando alguém tiver sequência, vai engrenar. Isso faz parte do futebol e acontece em vários clubes e posições – afirmou Juan, que foi titular em 2011, mas também não agarrou a vaga.

Para acabar com o problema e apagar os seis meses que ficou afastado, Juan confia na boa relação com técnico Ney Franco. Os dois trabalharam juntos no Flamengo, onde conquistaram a Copa do Brasil (2006) e o Campeonato Carioca (2007) como titular absoluto da função.

– Foi um período muito bom no Flamengo, com dois títulos conquistados. Ele me conhece bem e sabe como gosto de jogar. É só um fator a mais para me dar prazer de trabalhar aqui.

Juan não atua desde 1º de dezembro de 2012, quando ainda estava emprestado ao Santos. O lateral tem mais uma semana para entrar em forma e convencer o treinador de que pode ser titular na estreia no Brasileirão contra a Ponte Preta, dia 26, em Campinas.

– Só jogando dá para saber (o ritmo). Mas posso compensar isso com motivação. Talvez, eu não tenha o entrosamento ideal, mas vou passar por cima disso.

 

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*