Jardine destaca bola aérea do São Paulo e fala e elogia Nenê

O técnico André Jardine se disse extremamente satisfeito com a atuação do São Paulo na vitória por 4 a 1 sobre o Mirassol, na noite deste sábado, no Pacaembu, pela primeira rodada do Campeonato Paulista.

Jardine classificou como “normal” a dificuldade da equipe no primeiro tempo, principalmente depois de sair atrás no placar com gol contra de Bruno Peres. A virada veio com dois gols de bola aérea (Anderson Martins e Pablo). Depois da expulsão de Leandro Amaro, o São Paulo fez mais dois, com Reinaldo e Hudson, e criou chances para fazer muiito mais.

– A gente está num processo de entrosamento, jogadores estão se conhecendo, então volta e meia pode acontecer problema de comunicação. Com certeza a tendência é isso ir diminuindo – disse Jardine.

O técnico elogiou muito o meia Nenê, autor de duas assistências. Em tese, o camisa 10 atuou na posição que é de Hernanes, que não jogou por não ter sido inscrito a tempo. Jardine viu Nenê bem disposto e deixou no ar que, eventualmente, pode usar Hernanes como segundo volante.

– É uma boa oportunidade de elogiar o Nenê. Tipo de dor de cabeça boa. Elenco forte, jogadores de alto nível. Cabe a mim encontrar um momento de tornar o São Paulo competitivo e encaixar os melhores jogadores, não é tão fácil. Mas esse é o trabalho que eu vou ter a partir de agora, pensar jogo a jogo, e premiar quem está no melhor momento. Ao mesmo tempo ter um nível de organização, identidade, sem trocar de sistema tático – disse Jardine.

– Sobre o Hernanes, ele jogou algumas vezes como segundo volante, mas ele prefere jogar como um terceiro homem de meio campo, um pouco próximo do ataque, tem poder de finalização acima de média, com as duas pernas e cabeceio, mas ele também está disposto a ajudar. Vai caber a mim encontrar um sistema que o privilegie. Acho que em alguns momentos pode jogar mais por trás, tem qualidade pra isso. Vai depender do jogo.

Outro jogador de nome que não atuou diante do Mirassol foi Diego Souza, recuperando-se de dores na panturrilha esquerda. Jardine confirmou que pretende usá-lo junto com Pablo.

– O Pablo com Diego Souza é uma realidade, vai acontecer. O Pablo tem características diferentes e se completam em algum momento. É importante a gente encontrar um sistema primeiro, mas com certeza vão ter jogos que vamos criar sistemas de jogo diferentes.

Jardine destacou a força da bola aérea ofensiva do São Paulo. Os dois primeiros gols do time saíram dessa maneira, primeiro com Anderson Martins (completando escanteio batido por Nenê) e depois com Pablo (desviando falta alçada por Reinaldo).

– Ontem (sexta-feira) foi o primeiro dia que a gente conseguiu treinar bola parada ofensiva. Na Flórida, a gente só treinou a defensiva. Ontem conseguiu botar um pouquinho na ofensiva. Eu realmente quero destacar a qualidade das batidas, temos bons batedores, Reinaldo, Bruno, Nenê. Fazem a diferença. Bons cabeceadores também, Anderson, Arboleda, Pablo, Hudson. Fazem a diferença – disse Jardine.

Sobre a ausência de Gonzalo Carneiro, que simplesmente não apareceu para concentrar com a equipe, o técnico disse:

– Nos pegou de surpresa, a diretoria está cuidando, conto com ele.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.