Grupo de Juvenal admite não poder impedir candidatura da oposição no SP

O ambiente político no São Paulo ferve ao passo que o time, em campo, se afunda na crise. O presidente Juvenal Juvêncio sofre com os maus resultados no futebol e vem perdendo popularidade. Na oposição, o pré-candidato Marco Aurélio Cunha ganha aliados e, diferente do que aconteceu em outros momentos, já é visto como forte adversário pela situação, que admite que não conseguirá impedir sua candidatura.

Aliados de Marco Aurélio afirmam que a oposição já conta com o apoio de 66 conselheiros vitalícios, número suficiente para protocolar a candidatura com uma chapa. Os oposicionistas admitem que não possuem todas as assinaturas ainda, mas acreditam que o número poderá  aumentar até o fim do ano.
Na situação, os aliados de Juvenal duvidam do número cantado pela oposição. Afirmam que ainda não passa de 50, mas admitem que será impossível impedir a candidatura de Cunha. Uma das ideias da situação, que não estava definida, era conseguir o apoio de pelo menos 106 vitalícios, número que resultaria em chapa única para o pleito de abril de 2014.
No São Paulo, cada candidato precisa do apoio nominal de 55 conselheiros vitalícios, de um total de 160. Assim, o sistema eleitoral permite apenas dois candidatos. O presidente é eleito pelo Conselho Deliberativo, que conta ainda com 80 conselheiros eleitos além dos vitalícios.
Marco Aurélio Cunha foi superintendente de futebol do São Paulo até o fim de 2010, trabalhou no governo de Juvenal Juvêncio – após a gestão de Marcelo Portugal Gouvêa – e se demitiu do cargo alegando pouca autonomia para trabalhar. Desde então, Cunha se concentrou na carreira política. Foi eleito vereador da capital paulista em 2008 e reeleito no ano passado. Atualmente é o vice-presidente da Câmara dos Vereadores, e já afirmou que renunciaria ao cargo para assumir a presidência do São Paulo.
Juvenal Juvêncio tem dificuldade para apontar candidato à sucessão. Os favoritos atualmente são o vice-presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco – que é também coordenador de campanha pela situação –, e o vice-presidente social e de esportes amadores, Roberto Natel. Juvenal testa os nomes, mas sabe que ambos enfrentam rejeição no Conselho Deliberativo, e deverá adiar a decisão pelo menos até o fim deste ano.

Reeleito pela segunda vez em 2011 após aprovar a mudança de estatuto, Juvenal Juvêncio sabe que já não tem a mesma popularidade interna de antes no São Paulo, e começa a trabalhar para a eleição de 2014. Após seus aliados criticarem Cunha por antecipar o processo eleitoral, a situação usou até o site oficial do clube, há duas semanas, para começar a falar de política, e mostrou que o presidente conta com o apoio de algumas das velhas figuras do Conselho do clube. A situação trabalha para se defender, porque já sabe que não poderá impedir a oposição de chegar à disputa.

 

Fonte: Folha SP

2 comentários em “Grupo de Juvenal admite não poder impedir candidatura da oposição no SP

  1. E ai caro amigo Paulo Pontes gostaria de saber de voce se vai rolar muito ‘Alguem me disse’ nesses tempos pre eleitorais do São Paulo F.C. ja que voce e bem informado dos bastidores do tricolor. se sim obrigado

    • Ronaldo, já até tenho algumas informações, mas são tão baixas, tão baixas, envergonham tanto nosso clube, que optei por não publicar nada. Mas tenha certeza que passarei a publicar, quando tiver, bastidores envolvendo nosso clube. Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.